Turno Zero

Notícias Completas mundo

″ A nação cristã mais antiga do mundo continua a lutar sozinha ″

Lusine Gharakhanyan, 42, psicóloga, é Ministra da Educação, Ciência e Cultura da República de Artsakh desde maio, o nome armênio para o enclave no Azerbaijão conhecido como Nagorno-Karabakh (um termo que nasceu da tradução russa de a expressão azerbaijana “jardim negro” “e a expressão russa” montanhosa “) e que país ninguém reconhece. Com os bombardeios e cortes de energia, as comunicações com o exterior ficaram mais complicadas, mas graças à Associação de Amizade Portugal Armênia as dificuldades foram superadas A conversa continua, no dia em que um cessar-fogo humanitário entrou em vigor, que a Armênia e o Azerbaijão rapidamente acusaram o outro lado de violar.

Vamos começar com o seu ministério. As aulas foram interrompidas e as crianças e mães se refugiaram na Armênia. Como a educação é garantida para alunos?
Foi muito difícil para mim escrever o texto da ordem para interromper o processo educativo. Com o passar dos dias, fica muito difícil para mim pensar na organização da educação, porque o inimigo bombardeia aldeias pacíficas todos os dias, tendo como alvo escolas e jardins de infância. Alguns de nossos filhos e professores estão na Armênia. Gostaria de observar com gratidão que o Ministério da Educação, Ciência, Cultura e Esporte da Armênia organizou o processo de atendimento para todas as escolas e jardins de infância para crianças que agora estão na Armênia. Além disso, as instituições de ensino superior armênias abriram suas portas para estudantes de Artsakh. Em tais condições de bombardeio, não há como organizar a educação. E não há especialistas em todas as disciplinas nos abrigos. Esta é, de facto, uma situação grave, com a qual se violam os direitos de cerca de 30.000 pessoas que recebem educação.

Como é morar em Stepanakert agora? Um relatório da AFP afirma que as lojas estão fechadas, mas quem precisa de algo se ajuda e deixa o dinheiro.
As pessoas aqui são muito honestas. Nenhum vidro foi quebrado das lojas fechadas para roubar, ninguém rouba nada. Eles nos trazem comida para nos abrigarmos e quase não há necessidade de irmos ao armazém.

Para quem vive no Ocidente este é um conflito distante e difícil de entender. O que levou a este capítulo recente da guerra?
A guerra desencadeada pela terceira vez é apenas um terrorismo em larga escala, durante o qual, além das mortes humanas, são destruídos objetos de patrimônio cultural considerados de valor civilizacional.

Qual é o objetivo do governo Artsakh, para se juntar à Armênia?
Em geral, o objetivo do movimento Artsakh desde o início foi e continua sendo a restauração da justiça histórica. Em outras palavras, a reunificação de Artsakh com a Armênia, mas os obstáculos que nos foram impostos nos obrigaram a escolher a declaração de nossa independência na situação atual, ou seja, excluir a possibilidade de viver sob a subordinação do Azerbaijão. Em geral, os diferentes registros históricos, incluindo fontes estrangeiras, contêm material suficiente sobre o fato de que Artsakh faz parte da Armênia. O mundo sabe, e os fatos são inegáveis, que Artsakh foi anexado ao Azerbaijão em 5 de julho de 1921, a pedido da Turquia. Não podemos esquecer de destacar o acordo de amizade e fraternidade russo-turca assinado em 16 de março de 1921 em Moscou, pelo qual Nakhichevan [exclave na Arménia] foi anexado ao Azerbaijão. E a Turquia está constantemente exigindo que Artsakh seja dado ao Azerbaijão também. Na realidade, essas foram etapas para alcançar os objetivos estratégicos de longo prazo da Turquia. Na verdade, a Turquia continua a se esforçar para alcançar ou executar seus planos usando as situações políticas mais convenientes.

.js">
Carlos Henrique

"Introvertido amigável. Estudante. Guru amador de mídia social. Especialista em Internet. Ávido encrenqueiro."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Previous Post Internet com velocidades de download de 1,25 Gbps e 1,25 Gbps de upload?
Next Post Robinho oficializou no Santos: «Vou jogar por um salário mínimo» – Brasil