Turno Zero

Notícias Completas mundo

A diretora de Cristina revela detalhes sobre o imprevisto e fala sobre um milagre

João Patrício, o responsável pelo ‘Dia de Cristina’, utilizou as suas redes sociais no final da noite de quinta-feira para depor sobre o imprevisto que nesse mesmo dia impediu o programa de Cristina Ferreira de ir ao ar na hora marcada e nos habituais estúdio.

“Meia hora antes do início do programa, foi diagnosticado um problema técnico que poderia inviávelisto. Demos o alerta para Queluz de Baixo e Eu agarreinós na esperança de que a coisa fosse resolvida. Não foi. Às 9h50 tomamos a decisão de ir com armas e bagagem para o TVI e fazer o programa a partir daí, pelo menos pela manhã, dando tempo para que tudo se normalize até a hora do almoço ”, começa contando a grande amiga e companheira profissional de Cristina Ferreira.

O problema técnico, relacionado à corrente elétrica do estúdio, implicava que “70 pessoas, três dúzias de carros, um ônibus, um Ambulumancia e equipamento técnico “ mudar deles Bucelas, em Loures, a Queluz de Baixo.

“Nós saímos Bucelas às 10:00 e 10:40 estávamos prontos para ir ao ar. Só quem faz televisão pode imaginar o milagre que isso representa. Foi um exercício notável coletivo excelente entrega profissional. De tudo. A TVI é feito de fibra de gente, com grande capacidade reativo, estressa, orgulhosa de sua equipe.

Por fim, um obrigado a quantos, por outro lado, ajudaram a tornar o programa possível: “Uma palavra de reconhecimento a Nuno Santos, Carlos Barata e Frederico Sua quem garantiu que o terreno estava pronto para receber a máquina. Nada falhou. Já em casa, me pego agradecendo o que aconteceu, por perceber que isso nos uniu ainda mais, por sentir esse orgulho e por perceber que estou cercada de profissionais incríveis que, com certeza, adormecem hoje com o mesmo sentimento. Uma reverência a todos “, acrescentou.

Veja esta postagem no Instagram

.js">

Meia hora antes do início do programa, foi diagnosticado um problema técnico que poderia inviávelisto. Demos o alerta para Queluz de Baixo e Eu agarreinós na esperança de que a coisa fosse resolvida. Não foi. Às 9h50 tomamos a decisão de ir com armas e bagagens para o TVI e fazer o programa a partir daí, pelo menos pela manhã, dando tempo para que tudo se normalize até a hora do almoço. É importante dizer que quando falo “armas e bagagem” me refiro a 70 pessoas, 3 dúzias de carros, um ônibus, um Ambulumancia e equipamento técnico. Nós saímos Bucelas às 10:00 e 10:40 estávamos prontos para ir ao ar. Só quem faz televisão pode imaginar o milagre que isso representa. Foi um exercício notável coletivo excelente entrega profissional. De tudo. A TVI é feito de fibra de gente, com grande capacidade reativo. Uma palavra de agradecimento a Nuno Santos, Carlos Barata e Frederico Sua quem garantiu que o terreno estava pronto para receber a máquina. Nada falhou. Já em casa, me pego me agradecendo pelo ocorrido, por perceber que isso nos uniu ainda mais, por sentir esse orgulho e por perceber que estou cercada de profissionais incríveis que, certamente, adormecem hoje com o mesmo sentimento. Uma reverência a todos

Uma publicação compartilhada por João patrício (@joaovascopatricio) em 8 de outubro de 2020 às 13h29 PDT

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site escolhido pelo quarto ano consecutivo Consumer Choice.
Baixe nosso aplicativo gratuito.


Download do Google Play

Gabriel Ana

"Estudante apaixonado. Nerd do Twitter. Viciado em bacon ávido. Desordeiro típico. Pensador. Webaholic. Empreendedor."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Previous Post Identificou um possível primeiro planeta fora da Via Láctea
Next Post Quase 400 mil famílias deixaram de pagar créditos