Turno Zero

Notícias Completas mundo

A Ferrari produz os melhores carros esportivos do mundo. Veja por que – Observador

O SF90 Stradale é o último modelo da Ferrari e um dos mais sofisticados. Se a marca Cavallino Rampante já tinha alguma experiência em mecânica híbrida, sendo a LaFerrari o melhor exemplo, com o SF90 Stradale o fabricante fundado por Enzo Ferrari deu um passo significativo, tanto em potência como em eficiência.

O LaFerrari era um monstro do qual foram fabricados apenas 499 unidades, cujo motor 6,3 V12 atmosférico fornecia 800 cv, sendo auxiliado pelos 163 cv de um motor elétrico, que lhe permitia atingir 963 cv e um torque de 900 Nm. O SF90 vai além, substituindo o motor a combustão por um biturbo V8 4.0 com 780 cv e 800 Nm de torque. Já o Stradale reforça o V8 com três unidades elétricas, que não só aumentam a potência para 1001 cv, mas também garantem tração nas quatro rodas, sendo a primeira puramente elétrica. Uma bateria recarregável de 7,9 kWh alimenta os motores elétricos.

Tradicionalmente, ou programa Top Gear, da BBC, testa os modelos que testa em um circuito projetado em um aeródromo, o que lhe permite saber qual veículo é o mais rápido na pista. E, entre os esportistas, a guerra é particularmente acirrada, para não dizer que está quente. Na sua época, ou seja, em 2013, a Ferrari LaFerrari percorreu a volta em 1 minuto e 14,2 segundos, com a altura Stig ao volante, lugar disputado pelo britânico Jason Plato.

.js">

Desta vez, o novo Stig pegou o SF90 Stradale e deu uma volta 1.11.3, batendo o 488 Pista 1.12.7, que até agora era o recorde do programa de inglês da BBC, deixando para trás outros esportes como o Porsche 911 GT2 RS ( 1.13.4).

Mais importante do que o tempo de volta, é analisar a eficiência do cupê italiano, a velocidade na aceleração e a eficácia da frenagem que parecem muito além dos limites, com o mudança curta nas curvas mais lentas e mais longas, para poder acelerar mais cedo, mas sem o cruzamento traseiro. O fato de ter tudo em posição central permite que o SF90 passe da corrida da frente para a deriva da traseira de forma suave e progressiva, facilitando o trabalho de quem dirige, que vê sua tarefa facilitada pela tração elétrica na frente rodas. Mas o melhor é assistir ao vídeo:

Carlos Henrique

"Introvertido amigável. Estudante. Guru amador de mídia social. Especialista em Internet. Ávido encrenqueiro."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Previous Post As atualizações do Windows 10 trazem as melhores notícias de todos os tempos!
Next Post BOLA – João Almeida recebe € 2.000 por cada dia na liderança (Volta à Itália)