Turno Zero

Notícias Completas mundo

A JBS transporta a pecuária e se opõe à política apenas do fornecedor que mantém a Amazônia – 27/07/2020.

A JBS transporta a pecuária e se opõe à política apenas do fornecedor que mantém a Amazônia – 27/07/2020.

Uma fazenda no Mato Grosso, multada em US $ 2,2 milhões pelo Ibama por desmatamento ilegal, usaria os serviços de transporte da JBS para transportar gado para outra fazenda “limpa”, que mais tarde abasteceu os matadouros da empresa – uma prática conhecida como ‘Gado triangular’.

Uma investigação conjunta do Repórter Brasil, do Bureau of Investigative Journalism e do jornal britânico The Guardian encontrou evidências de que o gado criado em uma fazenda com uma área embargada, onde o gado não é permitido, era destinado a outra propriedade do mesmo proprietário, que por sua vez vendeu o gado para dois matadouros da JBS. .

Maior produtor mundial de proteína animal, a JBS está comprometida há mais de uma década na erradicação do desmatamento em toda a cadeia de suprimentos da Amazônia.

A empresa alega aceitar esta política para todas as pastagens que entregam gado diretamente em seus matadouros. Ao mesmo tempo, alega que não tem acesso a informações apropriadas para monitorar as propriedades que transferem o gado para seus fornecedores diretos (os chamados fornecedores indiretos).

No entanto, em alguns casos, os caminhões da JBS transportam animais entre essas fazendas. O episódio encontrado no relatório mostra evidências de que a empresa estava transportando bois da propriedade dessa maneira, com registros de desmatamento ilegal.

Olhando para isso, a JBS afirmou que suas atividades de transporte seguem a política de sustentabilidade da empresa, uma obrigação que inclui a compra de animais de fazendas na área onde o Ibama foi construído pela Ibrama devido ao desmatamento.

“A empresa esclarece que os serviços de logística e transporte fornecidos e executados de forma independente devem atender às mesmas políticas de sustentabilidade da empresa, incluindo o bloqueio de fazendas que não cumprem essas regras”, afirma a empresa. Veja a resposta completa aqui.

“A JBS não pode continuar se escondendo sob o pretexto de que as informações de fornecedores intermediários não estão disponíveis ou são muito complexas”, diz Richard Pearshouse, diretor de crise e organização ambientalista Anistia Internacional.

“Esta nova investigação mostra que a JBS conhece alguns de seus fornecedores indiretos – seus próprios caminhões visitam essas fazendas para transportar gado. A JBS está ciente desses problemas desde pelo menos 2009, mas ainda não possui um sistema eficaz para impedir que o gado entre em pastagens ilegais. cadeia de produção ”, lamenta.

A falta de supervisão por fornecedores indiretos é um dos principais obstáculos ao combate ao desmatamento na pecuária amazônica. Desde 2009, a JBS está comprometida em criar mecanismos para monitorar essas economias, mas afirma que ainda não conseguiu implementar sistemas de rastreabilidade.

O caso vem à tona quando a JBS expande e anuncia a modernização de suas atividades logísticas.

A empresa intensificou o transporte de “gado esbelto”, como é chamado o animal, que é levado de uma fazenda para outra para ganhar peso antes de ser vendido para matadouros.

Neste mês, a JBS Transportadora, braço de logística da empresa, também lançou o aplicativo Uboi, um serviço em que os pecuaristas poderão solicitar à JBS o transporte móvel de gado.

“Você não pode dizer que eles ficaram em silêncio porque a integração de dados entre diferentes partes da empresa não é automática. Mas ter essa nova ferramenta em mãos [a Uboi], A JBS está muito mais perto de olhar para a cadeia de produção como um todo. Eles têm uma grande oportunidade de fazer uma grande diferença no mercado ”, diz Mauro Amerlin, CEO da Amigos da Terra, organização que coordena grupos de trabalho de fornecedores indiretos com empresas.

Da área arborizada à geladeira

A fazenda onde ocorreu o desmatamento é de propriedade de membros da família Rodrigues da Cunha. Em seu site, o patriarca da família Antônio Ronaldo Rodrigues da Cunha se descreve como “o dono de um dos maiores rebanhos comerciais do Brasil, com 102.000 cabeças espalhadas por onze fazendas próprias e sete arrendadas para o Mato Grosso”.

Além de vender gado diretamente nos matadouros, a família também cria animais e os vende em leilões.

A família é o quarto maior vendedor de touros do país, segundo ranking feito por um jornal especializado do setor. O último grande leilão realizado pela empresa em 2019 foi patrocinado pela própria JBS e supostamente captou mais de R $ 10 milhões.

O gado é originário de uma das fazendas da família, a fazenda Estrela do Aripuanã, na cidade de Aripuanã (MT).

Em 2012, a fazenda recebeu uma multa de US $ 2,2 milhões do Ibama por desmatamento ilegal em 1.500 hectares – uma área equivalente ao tamanho da cidade de São Caetano do Sul, na região metropolitana de São Paulo. O embargo cobre 39% da área da fazenda.

O Repórter Brasil revelou que entre junho de 2018 e julho de 2019, o rancho de Ronaldo Venceslau, Rodrigues da Cunha, enviou milhares de animais desta fazenda arborizada para seu segundo estado em Brasnorte (MT), Fazenda Estrela do Sangue.

A partir desta segunda fazenda, onde não há problemas ambientais, foram realizadas vendas em duas unidades da JBS, em Juína (MT) e Juara (MT).

Tal transferência entre explorações, os animais criados em uma área florestal podem ser vendidos para matadouros sem mostrar sua origem.

.js">

Postado por Facebook feito por um motorista da JBS Transportador, mostra que a empresa, pelo menos em um caso, era responsável pelo transporte dos animais entre as duas fazendas.

No correio, um funcionário da empresa postou fotos de um caminhão com o logotipo da JBS, verificou uma fazenda onde o desmatamento ilegal está ocorrendo e disse que estava transportando gado entre as duas fazendas, citando-as pelo nome.

Também houve incêndios na propriedade em 2018 e 2019, de acordo com dados de satélite da NASA. Segundo o Ministério do Meio Ambiente de Mato Grosso, não houve aprovação de incêndio criminoso dentro da área da fazenda.

A prática utilizada pela JBS é conhecida como “triangulação de gado”

Imagem: Lilo Clareto / Repórter Brasil

Olhando, a JBS alega que a transação de gado foi feita legalmente e até investigou o caso de Ronald Cunh.

“Confirmamos que nossa investigação está relacionada à Fazenda Estrela do Aripuanã. Enquanto o CPF do proprietário (Ronaldo Venceslau Rodrigues da Cunha) aparece na lista embargada de áreas do Ibama, a lista do Ibama contém as coordenadas geográficas da propriedade embargada. Coordenadas do Ibama, desde que não estejam vinculadas à fazenda para a qual a JBS coletou os animais (é o Aripuanã) “, lê uma nota enviada ao The Guardian.

Ao contrário do que a JBS diz, um banco de dados no Ibama mostra que existe um embargo ambiental resultante do desmatamento na área de Fazenda Estrela para Aripuanã.

A área coincide com a parte da propriedade listada pelo agricultor no Registro de Ambientes Rurais de mesmo nome. O posto do motorista e a placa que aparecem na sua foto também usam o mesmo nome que aparece no embargo.

O relatório tentou entrar em contato com os agricultores da Agropecuária Rodrigues da Cunha, uma empresa familiar, mas eles não responderam a vários e-mails da Repórter Brasil buscando esclarecimentos sobre o caso.

JBS expande transporte de gado magro

A JBS expandiu suas atividades de transporte, além de carregar animais da fazenda em seus matadouros.

Ultimamente, sua empresa de transporte se envolve cada vez mais no transporte de gado entre fazendas – uma maneira de tirar proveito de seus caminhões vazios dos matadouros.

As atividades de transporte da JBS não se limitam aos fornecedores da empresa. O CEO da empresa disse que estava transportando “tudo o que o fabricante precisa”, em entrevista ao Giro do Boi, um programa do Canal Rural em 17 de julho. “Posso contar com esta solução para qualquer tipo de transporte de gado”.

Até junho deste ano, os pedidos dos agricultores para o transporte de gado eram feitos por e-mail ou telefone. No último mês, a empresa lançou um aplicativo móvel no qual os fabricantes podem enviar automaticamente pedidos de remessa.

Chamado Uboi, o aplicativo funciona de maneira semelhante ao transporte da cidade.

Permite planejar o carregamento de gado, traz um histórico de movimentação e permite uma avaliação detalhada dos serviços de motorista. Segundo a JBS, a operação deve ter 600 caminhões próprios e 3.000 parceiros.

Além de Uboi, a JBS deve ter um extenso banco de dados sobre transporte de gado, com informações detalhadas sobre produtores, fazendas, transporte entre eles e fornecedores indiretos.

Adriana Charoux, da campanha do Greenpeace para a Amazônia, diz que o sistema é uma rica fonte de informações ricas para entender o trabalho dos fornecedores da empresa, e sua logística deve ser usada para evitar o desmatamento.

“Quando uma empresa diz que está comprometida com a remoção do desmatamento de sua cadeia de produção, entende-se que ela usará todas as ferramentas para reduzir o risco”, diz Charoux. “É verdade que o controle de toda a cadeia envolve questões políticas, mas também é verdade que a JBS possui os meios técnicos para resolver esse problema.”

Questionada, a JBS informou à Repórter Brasil que suas atividades de logística e transporte seguem as mesmas políticas de sustentabilidade da empresa.

Segundo a empresa, o aplicativo utiliza um banco de dados de consulta de anúncios públicos de áreas embargadas do Ibama, histórico de casos de trabalho escravo, além de um CAR (Cadastro Ambiental Rural), no caso de áreas localizadas na Amazônia.

O CEO da Amigos da Terra, Mauro Amerlin, diz que as políticas anunciadas para o Uboi não são suficientes. “Minha expectativa seria que eles fossem além, para não continuar fazendo exatamente o que já estavam fazendo”, diz Amerlin. “Se for exatamente o mesmo, não funcionará. O que mudará nos problemas que já estão acontecendo hoje? Não mudará nada.”

Daiana Juli

"Típico viciado em internet. Empreendedor. Leitor. Amante da web. Pensador. Futuro ídolo adolescente. Estudioso de Bacon. Aficionado por música."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Tom Holland publica uma foto da atriz e cria uma decepção amorosa online
Previous Post Tom Holland publica uma foto da atriz e cria uma decepção amorosa online
Rastrear mensagens no WhatsApp não resolve notícias falsas, diz privacidade de dados – 27.07.2020
Next Post Rastrear mensagens no WhatsApp não resolve notícias falsas, diz privacidade de dados – 27.07.2020