Janeiro 19, 2021

Turno Zero

Notícias Completas mundo

A linha que quer “abraçar as pessoas com palavras” já atendeu mais de 50.000 ligações Coronavírus

“Meu nome é Luis Pinheiro, sou psicólogo clínico, o que posso fazer por você?” Luís Pinheiro é apenas um dos 63 profissionais por outro lado Linha de atendimento psicológico (LAP) SNS24 que funciona 24 horas por dia, sete dias por semana e está à disposição de quem quiser conversar sobre o que o está incomodando no momento.

“Na operação de 1º de abril, o LAP atendeu 54.779 ligações, para 4.248 de trabalhadores de saúde. A idade média dos usuários varia entre 45 e 50 anos, sendo a maioria mulheres. As ligações são relacionadas a problemas de ansiedade, estresse, sintomas de depressão, gestão da emoção e ajustamento em situações de crise ”, diz a resposta enviada ao PÚBLICO pelos Serviços Comuns do Ministério da Saúde (SPMS).

Pessoas que perderam o emprego durante uma crise de saúde ou têm medo de perdê-lo por medo de contrair o vírus, transmitindo-o a familiares que perderam alguém por causa de covid-19, que não conseguem pagar as contas, que acumulam dívidas, que se sentem ansiosos, isolados. Ou nada disso, e apenas uma velha memória, muito antes da pandemia, que os incomoda. Razões pelas quais alguém escolhe um número 808 24 24 24 são numerosos e podem ou não estar associados a uma pandemia, dizem psicólogos que trabalham na linha.

Ana Mota Teles, 39 anos, psicóloga clínica com formação em intervenção em crises, faz parte deste serviço desde o início: “Na crise não havia oportunidade de não fazer nada, tenho de contribuir para que esta crise tenha menos impacto na população”. psicólogo clínico, fornecendo, inter alia, aconselhamento, treinamento e consultoria, ao longo da linha.

Ana Mota Teles
Paulo Pimenta

No momento, ele trabalha cerca de 14 horas por dia, apenas oito horas na linha: de 10 a 14 horas e depois de 22 a 02 horas. Como outros psicólogos deste serviço, ele trabalha em casa, onde recebe ligações. No meio ainda cabe a prática de exercícios físicos três vezes na semana: ir às aulas na academia na linha, especialmente dança. Eles servem para aliviar estresse. “Temos histórias muito difíceis que exigem muito, temos que tentar equilibrar isso”, diz ele.

Aconselhamento e monitoramento

A ordem, explica ele, é uma linha de aconselhamento, não de aconselhamento psicológico: “A consulta com um psicólogo não pode ser substituída ligações consecutivas para a linha. O que Ana Mota Teles faz é “aconselhamento”, encaminhamento, alívio. Ela pode sugerir exercícios, autocuidado. Depende. Ela ouve e fala num tom de voz sereno: nesse ponto, ajudamos a pessoa a resolver a situação ”. E acrescenta:“ Conseqüentemente, queremos abraçar as pessoas com palavras ”.

Eles se deparam com “situações muito diferentes”. Talvez os profissionais de saúde estejam “preocupados porque querem fazer o melhor, mas nessas condições não podem”. Ou “pessoas que trabalham de casa e têm medo de causar um surto”, pessoas que tiveram acompanhamento psicológico no setor privado, que não têm mais dinheiro para pagar e que têm dificuldade em marcar encontros no Serviço Nacional de Saúde, pessoas com dificuldades econômicas , que perderam uma renda ou emprego. E também os jovens que “se separaram, que estão com dificuldades em criar entusiasmo gerenciall “:” Muitos adolescentes tiveram uma vida super agitada e pararam de repente. Eles têm que voltar a correr, fazer exercícios, se distrair, mesmo que seja dentro de casa. Eu sugiro, por exemplo, videoconferência com amigos, com aulas de dança, a diversão é essencial ”, comenta.

Crianças vendo o vírus nas paredes

Eles também podem ser pais que procuram ajuda porque seus filhos pequenos dizem que viram o vírus nas paredes. Às vezes conversando com os pais, outros com uma criança. Crianças que têm medo de que as pessoas de quem gostam morram ou ficam confusas períodos de isolamento, sem ver amigos. Idosos que se sentem sozinhos à noite, no “vazio” da casa. Que têm medo de sair na rua. Mães que acabam de ter filhos e que estão muito isoladas em casa. Pessoas com problemas de saúde que fizeram check-ups atrasados. E há quem já tenha depressão e ansiedade, e às vezes intenções suicidas, antes da pandemia, e que pioraram no contexto atual.

Bento Sério, psicólogo clínico de 51 anos, formado, entre outras coisas, para intervenções em crises e desastres, também está no projeto desde o início, e mantém também um outro emprego como psicólogo clínico na SAMS (do Sindicato dos Bancos). Ele geralmente entra na fila às 20h e fica até meia-noite.

Bento a sério
Nuno Ferreira Santos

É uma reminiscência da “ignorância” da pandemia que gerou “medos, desconforto e ansiedade” na primeira fase. Somam-se a isso as “dificuldades cotidianas” causadas pelas “mudanças trazidas pela pandemia”, novas situações como o teletrabalho, crianças sem escola, a necessidade de “administrar uma realidade familiar diferente” ou até o desemprego e ganhos decrescentes. Ele também conseguiu ligações para idosos com “muitas queixas de solidão”: “Organizaram a vida, alguns em universidades mais antigas, a pandemia acabou com muitas atividades e, além disso, foram impedidos de estar com muitos familiares. Eles se sentem sozinhos ”, diz ele. Além disso, “o cansaço e a exaustão de tudo isso já são grandes”. Sem dúvida: “A pandemia ajudou a desestabilizar a saúde mental.”

Ele reconhece que a realização desta consulta telefônica representa uma “grande diferença” do contato presencial, exigindo “mais esforço para entender a situação no momento”. Como eles ajudam? “Aconselhamos medidas para reduzir problemas. Quando as pessoas nos ligam e estão muito chateadas, dão as informações certas ou mostram técnicas de controle da respiração, relaxe com o nosso tom de voz – isso ajuda a pessoa a começar a pensar melhor. Não deixamos ninguém sem resposta. Podemos agendar um contato no dia seguinte para ver como está. Até para uma pessoa perceber que não está sozinha. “

Bento Sério ressalta que eles também têm “a oportunidade de buscar atendimento psiquiátrico de urgência no SUS e [as pessoas] também podem ser encaminhados para o médico de família ”:“ A gente aciona o pedido de orientação médica, aí o enfermeiro vai fazer esse exame e, se necessário, encaminhar para um pronto-socorro psiquiátrico ou médico de família. O psicólogo pode, se necessário, ativar a linha de emergência no caso de uma pessoa com risco de vida, e a ambulância vai até a casa dessa pessoa. “Noutros casos, quando alguém telefona porque não há, por exemplo,“ dinheiro para as necessidades básicas ”, é informado sobre os“ programas de apoio social em curso ”nas juntas de freguesia ou câmaras municipais. Basicamente, mostra“ recursos ”para quem está do outro lado.

Luis pinheiro
Nuno Ferreira Santos

O psicólogo clínico Luís Pinheiro (30) também está em contacto desde o início: queria apoiar, sentia a “responsabilidade social” da sua profissão. Ele também mantém outro emprego, como psicólogo clínico, e trabalha na linha de três a quatro horas por dia, entre o final da tarde e a noite.

Já respondeu a apelos muito diferentes: ansiedade, humor, depressão, isolamento, fragilidades antes da pandemia ficar “mais forte”: “Aquelas dinâmicas que tornamos muito normais no nosso dia-a-dia, como caminhar, estar com os amigos, ir ao cinema e o que fazemos menos agora ou temos medo de fazer, afeta isso nossa saúde mental. Por mais que se diga que a tecnologia pode ajudar, ela não substitui, porque tecnologia não substitui as relações físicas ”, observa. A tudo isto há histórias de vulnerabilidade social, “ansiedade pelo futuro, o facto de não conhecermos o panorama social dos tempos que virão”. Há também o medo da morte, pessoas que não se sentem seguras no local de trabalho, que têm covid-19 em casa e são incapazes de lidar com a ansiedade.

“Percebeu-se que uma pandemia iria afectar as pessoas e foi criado este serviço, mas quem se sente em situação de vulnerabilidade ou crise e deseja a ajuda de um psicólogo pode telefonar”, afirma Teresa Espassandim da Associação Portuguesa de Psicologia (OPP) e coordenadora da equipa. apoiou a criação da linha, destacando que todos os psicólogos deste serviço são especialistas em psicologia clínica e da saúde. Ele considera o projeto “importante”, não só porque o número de psicólogos no SUS é muito baixo, mas observa: “Claro, isso não substitui o psicólogo nos centros de saúde, é uma resposta que deve ser articulada, porque é uma intervenção curta. Muitos precisam de um tipo diferente de monitoramento. “

Menos demanda no verão

O especialista lembra que no verão, em agosto, a demanda foi menor: “Em outubro, houve incomparavelmente mais ligações do que em agosto, por exemplo. Mas em maio, o número de ligações também foi muito grande. “E há motivos para explicá-lo:“ Houve menos infectados, menos mortes, um cenário mais controlado do que agora … E, em todo caso, o período de descanso é um momento em que as pessoas têm mais descanso e ameaças, que são fatores de proteção à saúde mental. . “Agora você pode ver” fadiga pandêmica“:” Estamos nisso há nove meses, estamos muito cansados. “

O responsável destaca que “em abril, maio e junho a crise era principalmente de saúde, por medo de contágio”: “Agora é econômico e social, há perda de renda, gente que não pode pagar as contas, que vê como as dívidas se acumulam, oferece “Tem efeitos devastadores. Quando alguém perde a esperança, perde recursos para resolver problemas.”

Teresa Espassandim explica que “o facto de estarmos despertos e menos espontâneos implica um esforço cognitivo adicional”: “Não é apenas uma situação nova, mas uma situação nova que assusta as pessoas. Às vezes, não é tão literal quanto o medo de infecção, é a sensação de perder o controle de nossas vidas. Além disso, o dilema permanece: “Essa dimensão existe quando acaba?” A questão da esperança é fundamental para a saúde mental e, por isso, temos sido capazes de dar esperança, lembrando as pessoas de todas as situações que poderiam ter resolvido, lembrando que não vai durar para sempre. “

Serviço, que deve ser mantido mesmo quando pandemia acabamento, foi criado inicialmente através de uma parceria entre a SPMS e a OPP, com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian. No entanto, desde outubro, que “financiamento e serviços estão totalmente integrados e sob a responsabilidade do SNS24”, uma resposta foi enviada pela SPMS. Para o Presidente do Conselho de Administração da SPMS, Luís Goes Pinheira, a linha contribui para dar “um maior apoio aos cidadãos, nomeadamente para fazer face ao isolamento e aos problemas de saúde mental conexos, num momento crítico que o Estado atravessa”.