Turno Zero

Notícias Completas mundo

A situação minuciosa do novo coronavírus no país e no mundo

10:20 – Açores prolongam situação de desastre em cinco ilhas até 23 de outubro

O Governo dos Açores decidiu prorrogar a situação de calamidade pública nas cinco ilhas com ligação aérea ao exterior do arquipélago até às 24h00 do dia 23 de Outubro, mantendo em alerta as restantes quatro, conforme foi anunciado hoje.

Em nota, o executivo justificou a medida com “a situação epidemiológica que se está a passar a nível nacional e internacional” e afirma que as decisões, tomadas em reunião do Conselho de Governadores, realizada esta quarta-feira por videoconferência, “devem ser reavaliadas num prazo inferior, tendo em conta a evolução da pandemia Covid-19 “.

As actuais situações de calamidade nas ilhas de São Miguel, Terceira, Santa Maria, Pico e Faial, e o alerta em São Jorge, Graciosa, Flores e Corvo vigoram até à meia-noite de hoje e já resultaram de um prolongamento destes níveis anunciado no início do mês, com vigência de duas semanas.

Na nova prorrogação ora anunciada, esses níveis de resposta da Proteção Civil estão em vigor por um período menor de uma semana, e as medidas podem ser “revertidas ou canceladas a qualquer momento”.

O executivo determinou ainda que, “após a reabertura do espaço marítimo nacional aos navios de cruzeiro e iates de portos internacionais, deverá ser promovida a normalização da atracação destes navios nos portos e marinas do arquipélago, desde que os respectivos passageiros façam um exame na chegada, a menos que a Autoridade Regional de Saúde o faça, levando em consideração o tempo de deslocamento contínuo e a ausência de sintomas ”.

A companhia aérea irlandesa Ryanair anunciou hoje uma redução de 40% na capacidade de voo neste inverno em vários países, incluindo Portugal, devido ao impacto da pandemia Covid-19 e à diminuição do tráfego aéreo.

A companhia aérea irlandesa Ryanair anunciou hoje uma redução de 40% na capacidade de voo neste inverno em vários países, incluindo Portugal, devido ao impacto da pandemia Covid-19 e à diminuição do tráfego aéreo.

Em nota, a Ryanair afirma que as bases em Cork e Shannon, na Irlanda, e em Toulouse, na França, fecharão para a temporada, de novembro a março, e que reduzirá significativamente o número de aeronaves em bases na Bélgica, Alemanha e Espanha , Portugal e Viena (Áustria).

A empresa detalha que vai reduzir sua capacidade de vôo neste inverno para 40% contra os 60% que havia previsto anteriormente.

Porém, a operadora planeja manter 65% de sua rede, mas com frequência reduzida.

O diretor-gerente da Ryanair, Michael O’Leary, culpa a “má gestão dos voos aéreos da União Europeia” para justificar esta redução nos seus planos de voo.

9h39 – Estado de emergência na França. Profissionais de saúde em greve

O impacto da greve dos profissionais de saúde na França foi, no início da manhã, reduzido, uma vez que muitos médicos foram solicitados nos últimos dias para responder à Covid-19. É quando o país entra em estado de emergência, decretado na quarta-feira.

Correspondente da RTP em Paris, Rosário Salgueiro, Bom dia portugal a síntese da situação no país.

9h23 – Parlamento Europeu em plenário por videoconferência

A próxima sessão plenária do Parlamento Europeu, de segunda a quinta-feira, vai retomar o formato de videoconferência por causa da pandemia Covid-19.

“Lamento anunciar que a sessão plenária da próxima semana não terá lugar em Estrasburgo [França], mas será à distância ”, confirmou o presidente do Parlamento Europeu, o italiano David Sassoli, no Twitter.

Sassolli disse que a situação da saúde “é muito grave na França e na Bélgica”.

Desde o início do surto de Covid-19, todas as sessões do Parlamento Europeu decorreram em Bruxelas, essencialmente com participações por videoconferência.

9h18 – Deco alerta para índice de esforço das famílias “muito preocupante”

A taxa média de esforço das famílias superendividadas apoiadas pela Associação de Defesa do Consumidor, desde o início da pandemia, foi fixada, no final do mês passado, em 80%.

“Esta taxa de esforço é contabilizada sem os créditos que estão sujeitos a moratória, pública ou privada, imagine quando tiver que pagar”, diz a coordenadora do Gabinete de Protecção Financeira Deco, Natália Nunes, ouvida pela agência Lusa.

Quando começaram a acabar algumas das moratórias atribuídas à pandemia, desde a Associação das Instituições Especializadas de Crédito, Natália Nunes avisa que, “este mês, já existem famílias que terão mais dificuldades em pagar os benefícios”.

“As moratórias têm sido balões de oxigênio para as famílias, porque permitem adiar o pagamento das parcelas do crédito, mas há algumas que terminaram no dia 30 de setembro e já temos vários pedidos, este mês, de pessoas que acabaram com a moratória privada e estão com muitas dificuldades em retomar o seu pagamento ”, afirma o responsável.

9h00 – China dispensa duas pinturas após outro surto em Qingdao

O presidente de um hospital e o diretor da Comissão de Saúde da cidade de Qingdao, no nordeste da China, foram demitidos após um novo surto em Covid-19 no país, informaram autoridades locais.

O governo local anunciou que o diretor da Comissão de Saúde, Sui Zhenhua, e Deng Kai, presidente do hospital de doenças pulmonares de Qingdao, onde o novo surto começou, foram colocados sob investigação. Nenhuma informação adicional foi fornecida.

As autoridades ordenaram o teste dos nove milhões de habitantes da cidade, depois de detectar um total de 12 casos, incluindo os assintomáticos, desde o final de semana passado.

8h51 – Rússia. Número sem precedentes de fatalidades

As autoridades de saúde russas relataram na quinta-feira 13.754 novos casos de infecção por SARS-CoV-2 e 286 mortes, um número diário sem precedentes desde o início da pandemia.

8h30 – Alemanha registra novo máximo diário de infecções

A Alemanha registrou 6.638 pessoas infectadas com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, um recorde desde o início da pandemia, segundo dados oficiais.

A informação veio poucas horas após o anúncio de novas restrições nos 16 estados regionais, com o objetivo de prevenir o ressurgimento da pandemia.

O maior número de contaminação diária foi em 28 de março, com 6.294 casos.

.js">

O balanço das autoridades também somou 33 mortes no mesmo período de tempo e aumentou o número de mortes desde o início da pandemia para 9.710 e os casos para 341.223, dos quais 284.600 foram relatados como recuperados.

Especialmente preocupante é a situação nas grandes cidades, muitas das quais, como Berlim, já ultrapassaram a marca de 50 contágios por 100 mil habitantes em uma semana.

A chanceler alemã, Angela Merkel, anunciou na noite de quarta-feira a introdução de novas medidas mais restritivas, após uma reunião com autoridades dos 16 estados regionais.

8h00 – G20 amplia moratória da dívida dos países mais pobres

O G20, que reúne os líderes das 20 principais economias, prorrogou a moratória da dívida dos países mais pobres em situação de pandemia por seis meses, até 30 de junho de 2021.

Os líderes do G-20 haviam decidido, em abril, suspender o serviço da dívida dos países mais vulneráveis ​​à crise de saúde até o final deste ano.

A prorrogação da moratória foi anunciada pelos ministros da Fazenda e chefes dos bancos centrais do G20, após reunião virtual organizada pelo atual presidente do grupo, a Arábia Saudita.

No entanto, a declaração conjunta admite a prorrogação da moratória até o final de 2021, decisão a ser tomada na reunião da primavera do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial, bem como a reestruturação dessa dívida.

7h48 – Ponto da situação

Portugal Continental está em estado de catástrofe desde a meia-noite. A decisão foi tomada esta quarta-feira pelo Governo na reunião do Conselho de Ministros.

O número de casos e internações tem aumentado e a situação será reavaliada em 15 dias.

O Primeiro-Ministro, António Costa, reconheceu ontem que a evolução da pandemia mostra uma “situação grave”.A Comissão Nacional de Proteção de Dados tem reservas em relação ao uso obrigatório do aplicativo StayAway Covid. A entidade lembra que a própria Organização Mundial da Saúde levanta questões éticas sobre a obrigatoriedade de uso de apps.

A partir de agora, as forças de segurança terão poderes para fazer cumprir a lei e as multas podem atingir os 10.000 euros.

Nesta nova fase, são proibidos encontros com mais de cinco pessoas na rua, restaurantes e espaços comerciais.

Reuniões familiares, como casamentos e batizados, são limitadas a 50 pessoas para quem programa os eventos a partir desta quinta-feira.

Também serão proibidas celebrações acadêmicas ou práxis no Ensino Superior.

Recomenda-se o uso do aplicativo StayAway Covid e da máscara na via pública. Apesar das reservas da Comissão de Protecção de Dados, a Ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, garante que as questões de privacidade estão salvaguardadas nesta app.

A foto em portugal

Entre quarta e quinta-feira, Portugal ultrapassou os dois mil casos diários de infecção pelo novo coronavírus. Houve mais 2.072 pessoas infectadas e sete casos fatais de Covid-19.

É o maior número de pessoas infectadas desde o início da pandemia.

957 pessoas estão hospitalizadas. São 41 a mais em comparação com quarta-feira. Destes, 135 estão em unidades de terapia intensiva – mais três.
A estrutura internacional
A pandemia Covid-19 já causou mais de um milhão e oitenta e sete mil mortes e mais de 38,2 milhões de casos de infecção em todo o mundo, de acordo com o balanço atualizado permanentemente pela agência France Presse.

Na França, foi declarado estado de emergência.

O toque de recolher está em vigor em toda a região de Paris e em oito outras cidades. Das 21h às 6h, quem mora nas áreas em questão está proibido de ir a restaurantes, cafés ou visitar amigos.

As restrições não se aplicam, entretanto, ao uso de transporte público para quem retorna ou vai trabalhar, por exemplo.

A França é um dos países europeus mais afetados pela pandemia, com mais de 32.000 mortos. Nas últimas duas semanas, as hospitalizações de pacientes criticamente enfermos com Covid-19 dobraram.

Esta quinta-feira é um dia de greve de saúde. Os manifestantes reivindicam mais leitos em hospitais franceses. Os profissionais também exigem uma reavaliação dos salários e mais contratações.

Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Previous Post Europa cai 1,5% com piora da pandemia e sem esperança de novos estímulos nos EUA – Mercados em um minuto
Next Post A Apple baixou o preço dos componentes que tirou do case do iPhone 12