Fevereiro 25, 2021

Turno Zero

Notícias Completas mundo

A tecnologia de RNA está assumindo a liderança na corrida pela vacina covid-19

publicado em 13.12.2020 07:00

(Crédito: Andrew Lichtenstein / AFP)

Se por um lado a pandemia paralisou a circulação de pessoas, dinamizou e acelerou o desenvolvimento tecnológico das vacinas. São mais de 270 em pesquisa e mais de 50 em fase de desenvolvimento clínico. Na corrida por uma solução, os imunizadores com tecnologia de RNA estão no alvo. Por se tratar de um novo tipo de vacina, ainda enfrenta obstáculos como a necessidade de armazená-la em temperaturas extremamente baixas, o que pode dificultar sua incorporação em grande parte do mundo. Os desenvolvedores estão trabalhando em melhorias que o tornam mais acessível.

As vacinas que usam essa tecnologia são preparadas primeiro porque são compostas de material genético. “Laboratórios, indústrias já trabalharam com esses compostos genéticos para outros tipos de vírus, como o ebola e o HIV. Então, quando essa necessidade de vacina surgiu em muito pouco tempo, um dos caminhos mais rápidos foi investir em RNA ou DNA (uma vacina), a chamada vacina de ácido nucléico ”, explica Ricardo Agostinho Canteras, especialista em logística da cadeia de frio e diretor comercial da Temp Log. .

Em particular, para covid-19 eles funcionam da seguinte maneira: o composto genético é alterado para conter as características genéticas de Sars-CoV-2, razão pela qual as células em nosso corpo desenvolvem imunidade. As vacinas de RNA surgem primeiro, basicamente porque se desenvolvem muito mais rápido, requerem menos tempo para testes pré-clínicos e porque são compostos químicos sintéticos, não vírus. Portanto, acrescenta Canteras, “essas vacinas de RNA, apesar das dificuldades logísticas, podem ser armas poderosas contra esta e outras pandemias, principalmente pela velocidade de produção. É possível verificar que das vacinas que já estão em fase final de testes todas funcionam com RNA, vetores virais ou proteínas. As vacinas virais são as últimas devido a atrasos na fase pré-clínica. É um estudo mais longo do que o necessário para vacinas produzidas sinteticamente em laboratório ”.

No Brasil, o governo federal está negociando a compra de 70 milhões de doses da vacina Pfizer, desenvolvida com base na tecnologia de RNA. “As condições já melhoraram bastante e devem ser finalizadas no início desta semana com a assinatura de um memorando de intenções”, disse uma nota do ministério da saúde. Apesar de ser uma das alternativas mais promissoras do mundo, com o anúncio de 95% de eficiência, a sustentabilidade da vacina, na realidade brasileira, é um desafio, pois, do ponto de vista tecnológico, as doses devem ser armazenadas em temperaturas abaixo de 70 ° C.

Outro movimento que aproxima a aquisição é o investimento no equipamento de uma rede de frigoríficos de postos e salas de vacinação em todo o país. Um pedido do Ministério da Saúde, publicado no Diário Oficial da União poucos dias antes do andamento das negociações com a Pfizer, destinou cerca de US $ 60 milhões aos estados e ao Distrito Federal para a compra de geladeiras, ar-condicionado e computadores. Excepcionalmente no âmbito do combate ao covid-19, o objetivo do destino é fortalecer o Programa Nacional de Imunizações (PNI).

A carteira já despertou interesse, comentando que a Pfizer será uma possível candidata do Brasil pelo consórcio Covax Facility, que reúne uma carteira de 10 vacinas. “O Brasil aderiu a esse consórcio desde o desenvolvimento das 10 vacinas, com opção de compra e recebimento de 42 milhões de doses que podem ser obtidas de um dos 10 fabricantes do consórcio. Até AstraZeneca e Pfizer, por exemplo, estão em consórcio ”, disse o general Eduardo Pazuello.

Força extra

O plano é que as compras de doses da Pfizer possam “imunizar milhões de brasileiros no primeiro semestre” em 2021, conforme a Pfizer informou na semana passada. A farmacêutica já negociou doses com mais de 30 países e, no Reino Unido, a imunização começou esta semana.
Mesmo com o progresso, levar esta vacina ao topo exigirá um esforço extra. Segundo Canteras, as vacinas com outras tecnologias chegarão mais cedo ao Brasil. “As imunizações de RNA estão chegando, provavelmente serão as primeiras a serem colocadas no mercado no mundo, mas para serem aplicadas em toda a população, certamente serão utilizadas vacinas de grupos de fontes de vírus, como o CoronaVac e outras que já estão em uso. em produção. São vacinas que requerem temperatura de 2º a 8ºC, com menor complexidade ”. Para vacinar toda a população, diz um especialista em logística da rede de frio, “não devemos nos preocupar tanto com essas vacinas de baixíssima temperatura, porque outros tipos de imunizantes, com uma logística bem elaborada, serão usados ​​para chegar a todos. menos complexo “.