Antes da bruxa de 71 anos, a atriz de “Chaves” era antifascista

Se, com o papel de Done Clotilde, a Bruxa 71, da série “Chávez”, a atriz Angelines Fernández (1922-1994) assustou ou fez rir crianças de toda a América Latina, aos 40 anos sua reputação era diferente. Na juventude, enquanto lutava contra a ditadura militar imposta na Espanha, o país de origem, seus oponentes a reconheceram como uma “antifa”.

O termo, que surgiu recentemente em uma onda de protestos pela morte de George Floyd (um homem negro matando um policial branco nos Estados Unidos), refere-se ao antifascismo e é usado para descrever indivíduos ou grupos que enfrentam ideologias ou governos antidemocráticos.

Hoje, os presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump e Brasil, Jair Bolsonaro, considere o terrorista antifa e o “marginal” – como fez o ditador espanhol Francisco Franco quando falou da resistência em que os angelinos participaram.

Passado como guerrilha

O pouco que se sabe sobre Angelines como antifascista foi revelado por sua única filha Paloma Fernández, em algumas entrevistas dadas após a morte de sua mãe. Quando adolescente, a atriz se uniu a revolucionários republicanos durante a Guerra Civil Espanhola e depois a Maquis, uma guerrilha antifascista criada para combater a ditadura de Franco (1939-1975).

“Quando eu estava na guerrilha espanhola, minha mãe foi classificada como anti-franquista, então ela teve que deixar sua terra natal, acreditando que sua vida seria mais difícil”, disse Paloma ao portal oficial de Chávez, exibido desde os anos 1970.

Até então, com o fim da guerra civil, a repressão militar e um pouco antifascista se intensificaram. Para não ser baleado ou preso (o que em muitos casos significava morte), era necessário escapar e os Angelines também. Em 1947, aos 25 anos, a jovem se mudou para Cuba, onde recebeu asilo, e depois para o México.

Ícone feminista e antifascista

Angelines Fernández - Comunicado de imprensa / SBT - Comunicado de imprensa / SBT
Imagem: Detecção / SBT

Em entrevista à Universa, Rocío González Naranjo, professor e pesquisador da Universidade de Huelva, Espanha, e administrador da comunidade “El día que assume ser feminista” (no dia em que soube que era feminista, em português), com 18.000 membros explicados que até recentemente nada se sabia sobre Angelines como antifascista.

“Embora ‘Chaves’ também seja amplamente visto na Espanha e Angelines seja muito amada, sua história infelizmente ficou em silêncio. É por isso que não paramos de buscar justiça para as pessoas que lutaram contra o fascismo”, diz ele. “Ela e todas as mulheres antifascistas inspiraram muitas outras. E continuamos lutando não apenas pelo reconhecimento nos livros de história, mas também por salários iguais e contra os diferentes tipos de violência que podemos sofrer”.

No Brasil, a designer Karina Gallon, militante e criativa Peita, um evento de marca de camiseta que ganhou repercussão nacional ao lançar produtos com a frase “Lute como uma garota”, um lema conhecido no movimento feminista, acredita que Angelines pode ser considerada um ícone.

“Ela era uma personagem cômica, mas que, de fato, transmitia às crianças a imagem personificada que a sociedade patriarcal nutre há séculos pelas feministas: giradeiras, mulheres não amadas e chatas”, diz Karina. “É por isso que acredito que Angelines tem muito potencial como feminista e antifascista. Na história, como ela, sempre somos bruxas.”

De uma atriz elegante a uma bruxa aterrorizante

anjos - Divulgação - Divulgação
Imagem: Detecção

Não é possível dizer se o passado militante de Angelina e as crenças antifascistas contribuíram para que ela fosse escolhida para o papel de Donna Clotilde. Segundo a filha, ela era muito determinada e tinha uma personalidade forte e ideais que as pessoas às vezes não aceitavam muito bem. É assim marcado como engenhoso e difícil.

Além disso, ao contrário da crença popular, sua estréia em “Chaves” foi inesperada e desafiadora, porque ele não tinha experiência como comediante. Nos anos cinquenta, quando começou a fazer filmes e novelas, os papéis que lhe foram atribuídos eram dramáticos e, no México, onde passou o resto da vida, era considerada uma atriz séria e elegante até então.

No entanto, a bruxa de 71 anos se dedicou ao intérprete. Além de ensiná-lo a se adaptar ao personagem, segundo sua filha Angelines, ela também teve que aceitá-la. “As crianças na vida real sempre a imaginaram uma bruxa de verdade e gritaram: ‘Aqui está uma bruxa! “, Disse Paloma Fernández.

“Ela me disse que estava triste porque ninguém queria estar perto dela porque estavam assustados. Então ela se acostumou e não se preocupou mais em chamá-la de bruxa”.

Angelines morreu em 1994 de câncer de pulmão e foi devastada pela depressão exacerbada pela morte de Ramón Valdes, Seu Madruga, de quem ele era um grande amigo. Ele tinha 71 anos, curiosamente o mesmo número da casa que foi apelidada de Don Clotilde e marcou sua vida.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero