Antes da flexibilidade, os moradores do SP já são cafés e restaurantes frequentes – 26/06/2020

A tarde de quinta-feira começa e a cerveja de sobremesa dos dois homens está no bar Jhony Boy Bar, um bar da esquina na Avenida Casa Verde, norte de São Paulo. Beber não combina com a máscara e o equipamento de proteção não é retirado.

Com uma queda nas internações na cidade, o governo do estado anunciará hoje uma reclassificação do plano de São Paulo, um programa para reabrir as atividades econômicas. Bares e restaurantes devem poder operar com restrições, em um cenário em que autoridades e médicos se preocupam com uma possível segunda onda de contaminação com novas coronavírusMas para uma parte da população da capital São Paulo, onde 19 casos secretos atingem 142.750 e óbitos 6.834, esse futuro já chegou.

A cena no bar não é um caso isolado. Cerca de 200 metros adiante em direção à avenida, outra instalação foi aberta. Um grupo de moradores fala como se a cidade estivesse na segunda fase de uma pandemia de 19 rápidos.

Nesta faixa, a inscrição diz “ô loco meu”, justificando por que o local se chama Bar do Faustão. Desta vez, a cadeira está fora. Os três monges falam baixinho. Vizinho, outra barra de trabalho, mas esta não tem clientes.

Entre os dois prédios, a casa tem uma faixa amarela na porta com letras vermelhas aparentemente gritando “salão, corte, progrida”. Às 13h30, Maja Coutinho anuncia as notícias no Jornal Hoje e ninguém quer os serviços de um salão de beleza. Mas o lugar chama as pessoas de qualquer maneira. As pessoas se reúnem do lado de fora e conversam com dois funcionários.

Foto: Felipe Pereira

Ele passa por um caminhão da Guarda Civil Metropolitana e o motorista nem tira o pé do acelerador. Ignore esse bando de pessoas. Bares e salões de beleza só podem funcionar em São Paulo – em qualquer lugar cerca de 1,16 milhão de pessoas já estão infectadas com o novo coronavírus, alcançar a fase 3 do plano de recuperação do governo. Mas essas pessoas previram por si mesmas e com um fator agravante: sem usar uma máscara ou se afastar do parceiro de conversa. Ninguém queria responder às perguntas do relatório.

Cremalheira do petisco

Como os bares, os restaurantes têm regras a seguir. Eles podem vender comida, até comê-la no local. A medida não se aplica a uma churrascaria à beira da Marginal Tietê. O local possui cadeiras em uma área coberta do lado de fora do prédio. Os dois trabalhadores comeram na sombra e relaxar depois do almoço não era uma cerveja, mas um longo check-in no Zap.

Na rua dos fundos, um carrinho de lanches montou uma barraca perto de uma garagem de ônibus, onde dois homens devoravam seus cachorros-quentes. Eles são os donos de um casal mais velho – o homem trabalhava sem máscara.

Os compradores ignoram a regra que proíbe comer em locais que preparam refeições. - Felipe Pereira - Felipe Pereira
Foto: Felipe Pereira

Venda de almofadas em andaimes

Vendedores ambulantes retornavam estacionando carros na Avenida Inajar de Souza, uma das principais avenidas da região norte. Frutas, redes, poltronas, espetos e cachorros-quentes estão disponíveis. Eles não estão sozinhos. As lojas vendem bicicletas, todo tipo de coisas pequenas para celulares, perfumes e roupas. Tudo acontece depois das 15 horas, o prazo para a operação da loja de rua.

Avançando para a comunidade Elisa Maria, começaram a aparecer salões de beleza e bares. Mas a situação não está acontecendo apenas na periferia. Em Pinheiros, um bairro de classe média no lado oeste, havia bares no meio da tarde com a mesma situação que os clientes bebendo em cadeiras em frente ao estabelecimento.

Salão de beleza está aberto apesar da proibição devido ao tipo fechado 19 - Felipe Pereira - Felipe Pereira
Foto: Felipe Pereira

Quando escureceu, o relatório foi no centro da cidade e eles viram cenas de happy hours. Na Avenida Rio Branco, um grupo de trabalhadores montou uma cadeira no meio da calçada e bebeu alegremente. Em bares vizinhos e em outras ruas, os clientes preferiam se espalhar em cadeiras de plástico. Havia também pessoas bebendo no posto de gasolina.

Mais uma vez, um veículo da Guarda Civil Metropolitana passou. E novamente ele ignorou a situação. A população também não reclama. Na quarta-feira à noite, os jovens pressionaram o banco em uma área de esportes ao ar livre ao lado da Rua Anália Franco, no lado leste. Muitas pessoas passaram, indiferentes.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero