aplicativos não param, mas o sistema é afetado

A greve dos trabalhadores da entrega, realizada nesta quarta-feira (1), não paralisou completamente os pedidos de entrega da maneira que os mais confiáveis ​​sonhavam, mas causou impactos significativos no sistema para não ser considerado um fiasco. Com operações em várias cidades do Brasil, o movimento causou atrasos nas solicitações e reduziu o número de profissionais nas capitais.

O movimento também conseguiu incentivar grandes eventos físicos em São Paulo, Belo Horizonte, Brasil, Fortaleza, El Salvador, Recife e outras cidades. Os fornecedores afirmam que Viés Isso não vai parar e eles já estão discutindo a data da nova greve.

“Esse desligamento teve uma adesão muito boa dos fornecedores. Uma nova data de fechamento para o aplicativo já está na votação nacional para obter ainda mais poder. Não podemos parar ou desistir dele, é apenas o começo de nossa luta contra o trabalho precário”. , diz Alessandro da Conceição, um dos organizadores do DF e que está tentando criar o AmaeDF (Associação de Motofretistas Autônomos e Fornecedores do Distrito Federal).

Viés eles tiveram acesso a votação circulando para grupos de entrega no WhatsApp, com opções de datas entre os dias 8 (quarta-feira) e 12 (domingo) da próxima semana. A votação está aberta até o final do dia.

O relatório passou por algumas partes do sul da capital São Paulo e houve uma clara redução na circulação de correios, embora alguns tenham permanecido nas ruas. Os restaurantes relataram atrasos nos pedidos e “caos” no gerenciamento da demanda. Outros notaram uma redução no número de solicitações – a greve pediu aos usuários que não usassem as plataformas.

Restaurantes: menos pedidos e entregas

O efeito da greve foi sentido em restaurantes da cidade de São Paulo. A fundação da rede Bullger em Vila Mariana, que está trabalhando em entregas via Rappi, anunciou que às 13:30 nenhuma entrega havia deixado o aplicativo no local. O participante apontou que isso é incomum e que há muitos pedidos diários durante o almoço.

No Shopping Santa Cruz, no lado sul, menos movimento de entregas ficou claro durante o almoço. O relatório permaneceu por cerca de meia hora em uma entrada da equipe de entrega no canteiro de obras, e apenas cinco passaram.

“Está muito mais calmo hoje. Geralmente, está muito ocupado no momento, o movimento é muito menor hoje”, disse Luiz Carlos Xavier, que é o guarda de segurança do local.

Um dos problemas enfrentados pelos varejistas é o maior tempo de entrega dos pedidos. Viés ele comprou um iFood em uma loja a menos de 1,6 km e o pedido foi agendado para uma hora – geralmente não mais que 30 minutos. A entrega terminou 46 minutos depois.

Perguntado no bate-papo do aplicativo se demorou muito tempo para parar, o participante do iFood confirmou que era e que trabalha com “uma rota menor da equipe de entrega manual e, se não puder esperar o tempo informado, deve informar a equipe”. O mesmo foi observado pelos restaurantes.

“Hoje é um pouco chato. Normalmente, procuro pessoas para entregar aplicativos e hoje não as recebo. Reduzi a taxa de entrega e aumentei o tempo de pedidos”, disse Priscilla Alves, trabalhadora de Joe Burger na região de Vila Mariana. Os participantes notaram uma queda nos pedidos do Uber Eats – eles geralmente começam a aparecer às 10:30, mas na quarta-feira o primeiro apareceu apenas depois das 14:00.

O fato de os restaurantes serem afetados é importante porque, de acordo com especialistas, eles são os verdadeiros compradores dos aplicativos. “O correio é a terceira linha das aplicações. Se a empresa reclama, simplesmente não acredita. Mas o comprador [do iFood] é a instituição que lhes paga o valor ”, diz Fábio Mariano, professor de sociologia do consumo na ESPM.

Ciclistas fixos estão resgatando restaurantes

No Joe’s Burger, segundo Alves, ciclistas contratados e contratados foram resgatados da casa. O mesmo aconteceu na loja de hambúrguer Osnir, localizada em Mirandópolis, que trabalha apenas com fornecedores contratados e registrados.

“O manuseio de pedidos é normal mesmo no iFood, mas os fornecedores são todos nossos. Por causa da greve, escalamos ainda mais ciclistas hoje”, diz Evaristo Esteves, que está na porta da instituição que organiza os pedidos.

Geralmente cercado por correios, o restaurante Seu Sushi nesta quarta-feira só tinha os de casa

Imagem: Gabriel Francisco Ribeiro / UOL

Seu Sushi, do bairro Saúde, também relatou um prazo de entrega mais longo. O restaurante, que usa motociclistas e aplicativos, geralmente é cercado por correios durante a semana, mas nesta quarta-feira havia apenas alguns itens fixos à sua porta.

Diego Salles, fornecedor do Seu Sushi, disse que trabalhou com os aplicativos, mas por pouco tempo. Ele prefere a segurança de que a empresa está registrada.

“As pessoas param com razão. Há muitos bloqueios de aplicativos, o cliente está sujo e eles bloqueiam você. Isso aconteceu até comigo. A taxa é a principal razão. Eu trabalhei neles por um curto período de tempo, prefiro me registrar, o aplicativo não passa por nenhuma segurança “, opina.

Quem não parou, apoia

Quando Joe Burger se virou para procurar homens para entrega, um jovem de bicicleta e mochila com aplicações bebeu discretamente cerveja na praça em frente ao local. Geralmente estava superlotado com correios, o local tinha alguns meninos – e alguns perderam o emprego, como foi o caso de Vinicius da Silva.

“Não estou trabalhando hoje, vou para Paulista em pouco tempo. O plano principal é mais apoio, os aplicativos não fornecem ajuda. Eles nos enviam de bicicleta para percorrer 4 km e pagam R $ 5. Eles não nos apreciam quando não ajudam por acidente”, afirmou.

Ele relatou trabalhar de 7 a 23 horas para cinco aplicativos diferentes e receber US $ 150 por “bons dias”, mas a média é de US $ 40 em dias normais. A necessidade de levar o dinheiro para casa levou outros correios a não parar e a trabalhar ainda mais hoje.

Vinícius da Silva relatou trabalhar de 7 a 23 horas e ganhar uma média de US $ 40 por dia - US $ 150 em bons dias - Gabriel Francisco Ribeiro / UOL - Gabriel Francisco Ribeiro / UOL

Vinícius da Silva relatou trabalhar das 7h às 23h, ganhando uma média de US $ 40 por dia – bons US $ 150 em bons dias

Imagem: Gabriel Francisco Ribeiro / UOL

“Não posso parar, não há como. Tenho um filho para criar. Acho que uma greve pode ajudar. Hoje já vi menos pessoas e o aplicativo está jogando mais. Gosto de agendar e ser autônomo, mas os aplicativos precisam melhorar o pagamento, mas não estou pensando em parar porque não atingi a meta ”, destacou Alyson Barbosa, que trabalha na moto.

O requerente, que apresentou o relatório esta tarde e não se identificou, disse que não poderia parar o dia todo porque precisava de renda, mas concordava com as exigências da greve.

bota Alves, que foi abordado pelo relatório ao entrar Centro de compras Santa Cruz, ficou surpreso com a greve. ‘Greve? ” espantado, “Eu nem sabia, estava em aplicativo“Se eu soubesse, teria parado.”

Apenas uma das pessoas que o ouviu no relatório mostrou pouca conexão com os motivos da greve. Lucas, que não deu seu sobrenome, carregava uma mochila do Uber Eats nas costas e uma bicicleta na mão na ladeira da saúde.

“Estou ciente da greve, mas tenho filhos que também aumentam as contas a pagar. Trabalho todos os dias das 10h às 15h e das 18h às 0h, ganhando cerca de US $ 80 em um dia. Não tenho muitos motivos para reclamar das solicitações”.

requisitos

Os fornecedores fazem uma série de solicitações de aplicativos que, segundo eles, não oferecem diálogo. Entre os requisitos estão:

  • Ajuste de preço: os correios recebem entre US $ 4,50 e US $ 7,50, dependendo da aplicação e da distância percorrida – mais R $ 0,50 a R $ 1 por quilômetro percorrido.
  • Ajuste anual: solicita um ajuste anual agendado para o serviço.
  • Lista de preços: citado por alguns fornecedores, seria uma tabela não ditada pelo governo ou por órgãos reguladores, mas compilada entre fornecedores e aplicativos.
  • Localização dos blocos irregulares: a reclamação constante do correio, que põe em causa as políticas das empresas que acabam punindo o correio com bloqueios.
  • Entrega de EPI: solicitar que o equipamento de proteção trabalhe com mais segurança durante uma pandemia.
  • Suporte a acidentes: se a pessoa que entrega a vida sofre um acidente ao usar a plataforma, a idéia é fornecer algum tipo de ajuda.
  • Pontos do programa: alguns sistemas de perguntas de correio que classificam os correios.

Os requisitos são muito semelhantes aos de parar motoristas como o Uber e não cobrem direitos trabalhistas. Há opiniões diferentes entre os empregadores sobre emprego e direitos, com alguns preferindo ter e outros não. Então isso está fora da agenda.

Ciclistas que não pararam de esperar pela entrega em um restaurante no sul de São Paula - Gabriel Francisco Ribeiro / UOL - Gabriel Francisco Ribeiro / UOL

Ciclistas que não pararam de esperar pela entrega em um restaurante no sul de SP

Imagem: Gabriel Francisco Ribeiro / UOL

A greve reuniu uma multidão de correios em alguns locais do país – a Avenida Paulista foi fechada em uma direção nesta quarta-feira, com uma concentração de manifestantes na época do Maspa. As manifestações ocorreram, pelo menos, nas seguintes cidades:

  • São Paulo
  • Campinas, sp)
  • Santo André (SP)
  • Ribeirão Preto (SP)
  • Rio de Janeiro
  • Recife
  • salvador
  • Maceio
  • Fortaleza
  • Teresina
  • Brasil
  • Belo Horizonte

Viés eles procuraram o iFood, o Uber Eats e o Rappi para determinar se tinham um balanço e foram afetados por eles durante o dia.

Em uma nota, o iFood diz “que respeita a liberdade de expressão em todas as suas formas e manifestações por correios e consumidores” e que ainda não foi possível avaliar os efeitos das manifestações. “Obviamente, são esperadas oscilações nos serviços no dia do protesto, mas as entregas ainda estão sendo feitas.”

O Uber afirmou que, por ser negociado publicamente, não possui balanço patrimonial para compartilhar. Se outros serviços responderem, o texto será atualizado.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

TURNOZERO.COM PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
Turno Zero