Como foi o Battle Royal 2015

Semana passada completou-se 2 anos do último Battle Royal, o campeonato nacional de Battle Scenes. O site oficial do jogo mantido pela copag foi descontinuado, e com isso, todo o histórico destes eventos épicos tinham sido perdidos.

Como uma forma de preservar a memória do jogo, e mais do que isso, homenagear os jogadores que fizeram parte daquilo, pedimos autorização para a própria Copag republicar o conteúdo que conseguimos resgatar. E a resposta foi super positiva! 🙂

Com isso, os reports dos 3 Battle Royals serão republicados aqui no Turno Zero. O texto não foi alterado, o artigo está na íntegra.

Para este primeiro artigo, começamos lá no primeiro Battle Royal, em 2015. Vencido por Rafael Tanabe e seus mutantes, a seguir, temos um overview do evento escrito pela própria equipe da Copag:


Por Danilo Geraldes

Dia 21 de novembro de 2015. Uma data histórica, o dia em que ocorreu o primeiro evento nacional de Battle Scenes, o Battle Royal. Jogadores de todo o Brasil se reuniram para ter uma chance de ganhar o grande prêmio: uma réplica em tamanho real do escudo do Capitão América!

Mesmo aqueles que não conquistaram o almejado 1º lugar puderam ganhar prêmios incríveis: action figures, uma box de Ofensiva Surpresa e até mesmo um PS Vita. E é claro, também tivemos um kit de torneio de dar inveja: 1 copo térmico personalizado, 1 deckbox, 1 card promo, 1 vale desconto de 15% e frete grátis para produtos de Battle Scenes na loja virtual da Copag e 2 boosters de Ofensiva Surpresa!

Os prêmios do Battle Royal

Enquanto o cadastro e o preenchimento das decklists acontecia, era notável a animação de todos. Jogadores do Brasil inteiro se conhecendo, formando times e trocando experiências e estratégias.

Também pudemos contar com a presença do criador do jogo, nosso querido Fabian Balbinot! Era possível conversar com ele sobre o “inside” do jogo, pedir autógrafos, especular o futuro do Battle Scenes, falar sobre histórias de ficção, filmes do Michael Bay e o que mais quisesse com esta figurinha simpática que nos acompanhou do início ao final do evento.

Fabian num dia normal

No total, devido a limitações do espaço, foram disponibilizadas 150 vagas para o evento. No final das contas, 148 jogadores participaram efetivamente do Battle Royal.

As Partidas

Foram um total de 8 rodadas de suíço e 3 rodadas de top, tudo sendo supervisionado por um time de juízes com experiência prévia tanto em Battle Scenes como em outros card games.

E você, encararia esse time?

Houve sugestões para que tal questão fosse solucionada e satisfizesse a todos: assim que o tempo se esgotasse, a partida duraria até a fase do turno em que se encontrava; terminaria o turno que se encontrava, mas com um limite de tempo estabelecido; utilização de relógios de xadrez para que cada jogador pudesse controlar melhor seu tempo, entre outras.

Quanto à utilização de má fé, sempre vale lembrar que os próprios jogadores devem promover um ambiente saudável de jogo para todas as idades. Lembrando: em caso de comportamento suspeito, chame um juiz! 🙂

A Polêmica

Com o objetivo de proporcionar uma melhor experiência de jogo, a carta Despedaçar a Realidade foi banida do Battle Royal. Muito foi discutido quanto a esta restrição, e restava saber a opinião dos jogadores durante o evento. E ela foi enormemente positiva! Nenhum dos jogadores com o qual conversei desaprovou a medida – pelo contrário, tivemos jogadores que só jogaram o campeonato por causa do banimento. Pelo jeito não é todo mundo que gosta de ver seu oponente ficar jogando sozinho…

Os decks e arquétipos

Como jogador, pude testemunhar Deck Techs fantásticas: utilização de Gata Negra para rondar a mão do oponente de possíveis Jaquetas Amarelas e Homens-Formiga, utilização do Suporte TAA II para limitar a utilização dos recursos do oponente e o uso do cenário Invasão Secreta, Mjölnir como forma de colocar em cena vários personagens no mesmo turno economizando recursos, utilização do Colecionador mesmo em decks sem poder cósmico como forma de mandar para a base do deck itens únicos problemáticos, entre outros.

Os decks foram bem diversificados, inclusive dentro dos próprios arquétipos haviam variações de cartas. Estes foram os arquétipos presentes nas 131 listas analisadas do torneio:

N%
Outros2015,3
Vingadores2015,3
Ímpeto1612,2
Ultron1612,2
Poder Cósmico107,6
Guardiões da Galáxia86,1
Controle86,1
Sexteto Sinistro86,1
X-Men64,6
Irmandade dos Mutantes64,6
Magia53,8
Tropa Alfa32,3
Quarteto Fantástico32,3
Elasticidade e Regeneração21,5
Garras21,5
Voo e Elasticidade21,5
Telecinese e Energético10,8
Agilidade10,8
Superforça10,8
Thunderbolts10,8
Mestres do Terror10,8
Shield10,8
Sentinela10,8
Total131100,0

Vingadores

Cartas mais comuns: Homem-Formiga, Capitão América, Homem de Ferro, Jaqueta Amarela, Torre Stark, Avante Vingadores

Deck que se utiliza do grande número de Vingadores presentes no jogo e cartas sinérgicas como Torre Stark e Avante Vingadores.

Ímpeto

Cartas mais comuns: Pyro, Treinador, Gata Negra, Kraven o Caçador, Portal para o Microverso, Adagas Psiquícas

Cartas como Pyro e Adagas Psiquícas estão presentes em diversos arquétipos diferentes, porém este deck se baseia inteiramente em interações rápidas e personagens que possam usar ações no turno que entram, somado à proteção e apoio de cartas como Gata Negra e Portal para o Microverso.

Ultron

Cartas mais comuns: Ultron 1, Ultron 5, Ultron 6, Ultron 14, Ultron 61112, A Era de Ultron.

Um deck que vem se mostrando forte desde a coleção Iniciativa Vingadores. Tivemos a presença tanto de decks “puros” (apenas com personagens Ultron) quanto decks utilizando diversos staples com uma base de Ultron para finalizar o jogo.

Poder Cósmico

Cartas mais comuns: Nova, Quasar, Colecionador, Toque Antimatéria, Invasão Cósmica

Deck que roda em torno do alto potencial de dano e qualidade dos personagens com habilidade de Poder Cósmico, normalmente combinados com voo para facilitar o manejo de recursos e defesa dos personagens.

Guardiões da Galáxia

Cartas mais comuns: Senhor das Estrelas, Rocket Raccoon, Gamora, Serpente da Lua, Groot, Drak o Destruidor, Nave dos Guardiões, Teletransporte

Outro deck de filiação em torno de personagens poderosos e sinérgicos, somado ao auxílio de cartas como a Nave dos Guardiões e o cenário Teletransporte.

Controle

Cartas mais comuns: Rei das Sombras, Mago, Cassandra Nova, Vampira, Câmara Neutralizadora, No Lugar Errado, Desunir, Voar Alto

Decks que se baseiam em limitar as ações do oponente e aos poucos eliminar personagens-chave para a vitória. Costuma constar com uma base de Telepatia, podendo conter habilidade de Voo, Elasticidade, Telecinese e/ou Magia. Nesse tipo de deck são usadas ferramentas tanto para incapacitar e limitar ações como ferramentas de compra para gerar mais recursos que o oponente para um jogo longo.

X-Men e Irmandade dos Mutantes

Cartas mais comuns: Fanático, Selene, Pyro, Asteroide M, Recrutar Mutantes, Esperança, Tempestade, Ciclope, Pássaro Negro, Apocalipse

Decks baseados na sinergia de nossos mutantes preferidos. Ambos ganharam novas ferramentas na nova expansão, como Apocalipse e Esperança. O Deck de X-Men possui um grande número de suportes, como Mansão Xavier e Pássaro Negro, somado a personagens defensivos como Ciclope e Tempestade – enquanto a Irmandade dos Mutantes possui o temido Asteroide M e a Selene para garantir uma boa defesa e um bom ataque.

Anúncios e Top 8

Após as 8 rodadas iniciais estava na hora dos anúncios especiais: os escalados para top 8, aqueles que conquistaram o top 16 e o tão esperado anúncio de um novo produto. Infelizmente o intervalo entre o final da 8ª rodada e os anúncios demoraram mais do que previsto: o salão teve que ser arrumado e os juízes cuidaram de alguns casos especiais de jogadores da última rodada.

Os classificados para Top 8 e Top 16 (Fotos: Murilo Rezende)

E eis que foi anunciada a mais nova Battle Box: Conspiração Illuminati! Um reforço para essa filiação que já conta com bons personagens como Raio Negro e Amadeus Cho, com adição de novas versões do Doutor Estranho, Pantera Negra e um cenário com mecanismos completamente diferentes do que tínhamos até então. E é claro, uma pista para o futuro: quem sabe um set com um gostinho do tão esperado filme Capitão América: Guerra Civil! 🙂

War is coming! (Foto: Murilo Rezende)

Ao final, tivemos um vencedor: Rafael Tanabe e seus X-Men levaram o Escudo para casa. Já o vice Fabianno Xavier, com seu deck visando uma aproximação diferente do arquétipo de Ultron, ficou com o PS Vita.

Nossos Finalistas e o ganhador (Fotos: Murilo Rezende)

Sem dúvida nenhuma, o Battle Royal foi um grande evento. Foi excelente poder ter contato com tantos jogadores de todo o Brasil e ouvir seus depoimentos sobre um jogo que nos une tanto. Após este final de semana eu afirmo: eu acredito no futuro de Battle Scenes! 😀

Um agradecimento especial à equipe organizadora: foi um prazer trabalhar com todos vocês!

Compartilhe: