Entrevista com Alessandro Storti, vencedor do Vault Tour Italia

O grande vencedor do Vault Tour Italia 2019 foi Alessandro Storti com o deck “Honk the Beneficially Topaz“.

Abaixo, segue a entrevista que nos foi concedida pelo campeão:

1) Meeples & Nipples Podcast: Você já teve alguma experiência competitiva anterior com outros jogos de cartas ou começou com o KeyForge?

Alessandro Storti: Minha experiência competitiva relacionada aos jogos de cartas começou com o Magic: the Gathering no final dos anos 90, jogando vintage. Depois de alguns anos, também experimentei outros formatos, como padrão e moderno. Em 2013, deixando para trás Magic pela última vez, eu me tornei um jogador de Hearthstone, mas por um curto período de tempo.

2) M&NP: Qual a sua casa favorita? Isso favorece o seu estilo de jogo?

Alessandro Storti: Eu deveria dizer Sombras (todo baralho que eu jogo em torneios tem sombras), mas não dá a imagem completa. De qualquer forma, jogar com Sombras lhe dá duas das coisas mais importantes do jogo: geração de âmbar e controle de âmbar.

3) M&NP: O que você acha sobre os controversos sistemas de classificação como Rankey e SAS? Suas escolhas de deck foram baseadas nelas?

Alessandro Storti: Parcialmente. Acho que esses sistemas de classificação são bastante úteis (geralmente uso o sistema AERC porque é mais preciso e completo), mas eles devem sempre ser integrados pela experiência do jogador.

4) M&NP: Você teve algum treinamento para a Vault Tour [italiano]? É diferente da sua rotina semanal de keyforge?

Alessandro Storti: Fiz alguns testes com amigos e no crucible, nada de estranho.
Eu jogo com Honk (o deck usado no Vault Tour italiano) desde janeiro. Então, depois de trazê-lo para o nível 3, eu pude entender profundamente como ele funciona e como enfrentar diferentes tipos de decks.

5) M&NP: Qual stat é mais importante para você em Keyforge? Controle de âmbar ou de criaturas? Geração de âmbar? Outros?

Alessandro Storti: Geração de âmbar, controle de inimigos, controle de criaturas, controle de artefatos e manipulação de decks.

6) M&NP: Poderíamos dizer que você usou um baralho Rush no torneio. Seria o seu arquétipo favorito?

Alessandro Storti: Honk gera toneladas de âmbar. Mas tem também um sólido controle de âmbar. Em Magic, eu era um jogador de controle e acho que não mudou muito desde então.

7) M&NP: Como foi a experiência de jogar e ganhar um Vault Tour? Você participou de algum outro antes?

Alessandro Storti: Foi o meu primeiro Vault Tour, mas eu estava acostumado a jogar em grandes eventos durante minha carreira como jogador de Magic. É difícil encontrar as palavras para descrever uma experiência tão incrível: muita diversão, ótima organização e pessoas ainda melhores! Espero voltar a viver as mesmas emoções em setembro durante o Grand Championship.

8) M&NP: Você jogou o primeiro torneio usando AOA [Era da Ascensão] e COTA [Chamado dos Arcontes]. O que você acha do nível de poder dos dois conjuntos?

Alessandro Storti: Eu não vejo uma lacuna enorme entre os dois. Vamos dar às pessoas tempo para abrir mais baralhos de AOA [Era da Ascensão] e estar familiarizados com novas cartas e provavelmente elas mudarão de ideia.

9) M&NP: Havia alguma casa no seu deck que o ajudou mais? Houve alguma combinação do seu deck que foi fundamental para sua vitória?

Alessandro Storti: Todas as casas fizeram o seu trabalho muito bem. Durante o torneio, os combos mais eficazes no meu baralho foram hysteria + 3x shooler (ganhei um jogo suíço com este, indo ao tempo, com apenas um a mais do que o meu adversário!). E coward’s end + loot the bodies (letal durante o final).

10) M&NP: Alguma mensagem para seus fãs brasileiros?

Alessandro Storti: Um grande abraço da Itália e espero que nos encontremos em breve. Tudo de bom!


Mais e novas entrevistas serão publicas em breve.

Agradecemos, por fim, à colaboração do querido amigo Fel Barros.

Compartilhe: