Assédio, machismo, suspeita de boicote: rotina do fornecedor do aplicativo – 07. 05. 2020

“Você precisa ter o dobro de atenção quando é mulher”, diz Luana Belmiro, 18 anos. Além das reclamações sobre as condições de trabalho enfrentadas pela classe, que levaram à parada 1. no país, para as mulheres, há dificuldades adicionais: Luana relata um boicote ao trabalho das mulheres em uma das plataformas.

Ela diz que já recebeu algumas mensagens da empresa em que trabalha, dizendo que os homens precisam de alguma entrega. “Significa pessoas do sexo masculino. Tanto que, quando estão em baixa demanda, meus colegas homens recebem um aviso de que há pouca demanda no momento. [aviso de que é preciso homens]”, ela diz.

Olhando para ele, o aplicativo disse em uma nota que era “um erro de tradução – que a empresa sinceramente pede desculpas e já está corrigindo”.

Mas não era a única vez que uma mulher suspeitava que o sexo a levara a uma oportunidade desequilibrada com os homens. A namorada de Kerolayne Oliveira, 21 anos, trabalhou por quatro meses em um conhecido aplicativo de entrega de alimentos no início deste ano, e o escopo do trabalho foi considerado estranho.

No início, é normal obter entregas menores, porque você ainda não tem uma classificação, seu perfil ainda é “legal”, mas comecei a trabalhar com amigos do sexo masculino. Eu corri com eles, ao mesmo tempo, nas mesmas áreas e em seu perfil aquecido são muito mais do que os meus. Eles fizeram um número maior [de corridas]”, diz ela, que já trabalha 12 horas seguidas. Hoje Kerolayne, uma garota que faz entregas há um ano, trabalha constantemente em um restaurante no Rio.

Entrega para homens

Além das suspeitas de boicote ao trabalho feminino, as entregas enfrentam outros problemas: desvio de tráfego, sexismo, assédio do cliente no momento da entrega do pedido e até o formato da bolsa de entrega, a queixa unânime das mulheres. Projetada para o corpo masculino, a caixa de isopor com alças nas quais o nome do aplicativo é impresso fecha exatamente nos seios, causando desconforto ou até mesmo impedindo o fechamento.

ifood - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal

A família de Caroline acredita que as mulheres têm empregos diferentes

Imagem: Arquivo pessoal

Sem fechar, a bolsa fica menos estável e sobrecarrega o peso de entrega nos ombros. “A primeira vez que usei a bolsa, tentei fechá-la no peito e não funcionou. Ajustei-a com muita força nas mãos para mantê-la bem firme, mas sinto muita dor. Sou magra e meus ossos do ombro são descartados todos os dias. Tenho que dê uma cura ”, diz Luana Belmiro.

A garota paulistana Carolina Narciso, 31, que iniciou o parto em fevereiro depois de ficar desempregada, também diz sentir muita dor. “Uma das primeiras coisas que eu disse foi que deveríamos lançar uma bolsa feminina, e os caras pensaram que eu queria uma bolsa rosa! A alça da frente é importante para que a comida não balance, e não há como. Uma bolsa diferente para o corpo de uma mulher era necessária”. diz.

IFood tem menos de 2%

“Eu superei esse medo no começo, você sabe, ser mulher e fazê-lo. Posso contar com os dedos o contato que tive com outros correios”, diz Carolina, que hoje pensa que deveria haver um aplicativo de correio exclusivo.

“Eu vejo as mulheres mais focadas, elas definem seus objetivos. Sinto-me como cliente quando vê uma garota que se sente mais confortável com elas. Temos um serviço diferente. Acho que deveria haver um aplicativo apenas para nós, mesmo para mostrar que as mulheres podem estar nessa profissão, por que não? ”diz ela, que trabalha em uma motocicleta.

A ideia parece longe de ser concretizada. A IFood informou que atualmente 1,8% de seus 170.000 fornecedores ativos na plataforma são mulheres. Uma pesquisa realizada pela Aliança Bike traçou um perfil das entregas de bicicletas em todo o país e constatou que 99% da categoria eram homens.

luana - Arquivo pessoal / Gilnei J. O. da Silva - Arquivo pessoal / Gilnei J. O. da Silva

Luana sofreu assédio, então ela se vingou com uma pequena nota no aplicativo

Imagem: Arquivo pessoal / Gilnei J. O. da Silva

O assédio é constante

Luana Belmiro, que ainda não terminou o ensino médio e está fora da escola devido a uma pandemia, é uma exceção absoluta à regra e se sente chateada com a pele ao andar de bicicleta para ganhar a vida.

“Quando eu pedalo com uma sacola nas costas, alguns caras engraçados trovão, abaixam o copo e dizem coisas como: quente, desce da bicicleta, pára por mim. Algumas coisas absurdas, o que uma pessoa espera responder?”, Ele diz:

Kerolayne também tem que lidar com isso. Eles dizem: ‘Ai, o que uma garota bonita faz, eu pedirei com mais frequência’. Acabamos aprendendo a lidar com isso ”, diz ela, que vê o lado positivo:“ Acho que as mulheres recebem mais conselhos do que homens ”, mas, segundo ela, a vantagem é muitas vezes não se aplica.

Luana passou por uma certa situação que a assustou. Ela foi fazer uma entrega à noite, em uma rua abandonada, e foi abordada com respeito. “O cliente me perguntou se eu queria entrar. Eu disse que era muito bonita, ele me perguntou se era a última entrega. Respondi que estava trabalhando, não entraria, não tinha interesse, desejava um bom lanche”, diz ele. Em retaliação, ele recebeu uma nota baixa.

kerolyne - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal

Menina Kerolayne sofre de sexo no trânsito

Imagem: Arquivo pessoal

Dias longos, dinheiro curto

Em um fator não diferente das queixas masculinas, Luana disse Universa qual foi seu desempenho no trabalho na última segunda-feira Estava chovendo em Porto Alegre naquele dia, o que a fez trabalhar menos horas. No total, foram 8h49, 11 corridas e um patrimônio líquido de US $ 37,97.

“Estava chovendo muito e estava chovendo naquele dia, então eles pagaram US $ 16,90 a mais, uma taxa extra durante a chuva. O patrimônio líquido era de US $ 37 para o Uber Eats por 11 viagens. Dicas úteis ajudam”, diz ela, que geralmente , sem dias chuvosos, faz um turno de 12 horas com uma parada para ir para casa para comer.

O outro lado

O Uber Eats, o Rappi e o iFood foram questionados sobre a suposta preferência por mensageiros do sexo masculino, sobre quantas colegas de trabalho estão em suas plataformas, sobre o ajuste de malas no corpo de uma mulher, sobre os canais de assédio nos quais comportamentos abusivos podem ser denunciados.

O Uber Eats informou que, por ser uma empresa pública, não divulga essas informações.

Rappi não divulgou informações sobre seus correios e disse que a questão das mulheres que trabalham como parceiras é um assunto de atenção e que o projeto já está em andamento.

E SEOOD ele disse que nunca recebeu reclamações de desconforto causado pela concessão. Em uma nota, o aplicativo também disse que “atribuição de pedidos não tome levando em consideração o gênero de para) entregador) O algoritmo geralmente leva em consideração fatores como disponibilidade e localização de para) entregador) e a distância entre o restaurante e o consumidor “.

Quanto aos casos de assédio, Rappi diz que existe um canal de reclamações. “É recomendável que qualquer situação como a relatada seja relatada imediatamente através do call center – dentro do aplicativo e, com base nisso, o Rappi tome as medidas apropriadas caso a caso, incluindo o bloqueio de usuários”, disse a empresa em nota. .

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

TURNOZERO.COM PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
Turno Zero