#AstroMiniBR: Qual é o ‘lado negro’ da Lua?

todos os sábados TechWorld e #AstroMiniBR reúne cinco interessantes e divertidas curiosidades astronômicas desenvolvidas por colaboradores um perfil que não é do Twitter espalhe o conhecimento sobre esta ciência que é a mais antiga de todas!

Esta semana daremos uma olhada no lado escuro da Lua e novas fotos dos maiores asteróides do Sistema Solar!

# 1: Qual é o lado oculto da lua?

Não estamos falando de um dos álbuns mais famosos da história do rock, o famoso O lado escuro da lua do Pink Floyd, mas do verdadeiro “lado negro” da Lua que, para espanto de alguns, não é tão escuro quanto você pensa. Seria mais correto chamá-lo de lado oculto ou distante da Lua, porque ninguém jamais o viu da Terra no céu noturno. Por este motivo, as imagens acima podem não parecer familiares. Relacionado a um fenômeno denominado rotação síncrona, a Lua sempre representa o mesmo lado de sua superfície em direção à Terra, já que seu tempo de rotação é igual ao seu período orbital. Em outras palavras, o tempo de rotação da Lua em torno de seu próprio eixo é igual ao tempo que leva para orbitar a Terra.

Ao colocar sondas e espaçonaves em órbita lunar, a humanidade tornou-se capaz de conhecer este lado oposto em detalhes, que também é iluminado pelos raios do sol. Esta superfície também possui numerosas crateras de impacto e solo que é provavelmente mais espesso do que o lado normal.

# 2: Os maiores asteróides do sistema solar!

Fotos não publicadas dos 42 maiores asteróides descobertos no sistema solar foram divulgadas este mês! Usando dados do telescópio VLT do Observatório Europeu do Sul (ESO), localizado no Chile, um grupo de astrônomos obteve imagens de alta qualidade dos maiores objetos presentes no chamado cinturão de asteróides, que está em uma órbita além da Terra, entre Marte e Júpiter. Até então, apenas os maiores e mais massivos asteróides haviam sido fotografados em detalhes. Os dois maiores deles, Ceres e Vesta, com 940 e 520 quilômetros de diâmetro, respectivamente, também são conhecidos como companheiros de Plutão na categoria de planetas anões. As imagens permitirão aos cientistas descobrir mais sobre as propriedades físicas desses asteróides e entender melhor suas origens e dinâmica.

# 3: Quão raro é um evento cósmico no espaço?

Quão grande é o universo? Tudo o que vemos, por mais distante que seja, faz parte do chamado universo observável, que tem aproximadamente 93 bilhões de anos-luz de diâmetro. As estimativas mostram que pode haver entre 100 bilhões e 2 trilhões de galáxias nesta região, cada uma com centenas de bilhões de estrelas. Nossa galáxia, a Via Láctea, tem cerca de 100 a 400 bilhões de estrelas. Como essas quantidades astronômicas são tão grandes, mesmo fenômenos raros, como uma explosão de supernova ou uma colisão de galáxias, estão constantemente acontecendo em algum lugar. Enquanto em nossa galáxia uma estrela explode em média a cada 50 anos, considerando o universo como um todo, tal evento acontece pelo menos uma vez por segundo!

# 4: Poderosas nuvens de hidrogênio da galáxia M33!

A aproximadamente 2,7 milhões de anos-luz de distância de nós, o vizinho cósmico da Via Láctea, a galáxia M33 é uma galáxia espiral também conhecida como Galáxia do Triângulo. Membro do chamado grupo local de galáxias, M33 tem um diâmetro de cerca de 40.000 anos-luz. Sua área mais interna está a cerca de 30.000 anos-luz de distância e é mostrada com destaque na imagem acima. Nele são visíveis grandes nuvens de átomos de hidrogênio ionizados avermelhados (causados ​​por intensa radiação ultravioleta), conhecidas como região XII. Essas regiões representam alguns dos maiores berçários estelares conhecidos até hoje, que se caracterizam pela formação de estrelas que terão uma vida curta, mas que por sua vez serão extremamente massivas. Na foto, esses berçários estelares são distribuídos em diferentes lugares ao longo dos braços espirais ao redor do núcleo M33.

# 5: O Capitão Kirk foi para o espaço!

Na última quarta-feira (13), a empresa espacial Blue Origin realizou um segundo vôo com uma tripulação humana em uma cápsula New Shepard. A missão NS-18 foi a segunda vez que a empresa levou seres humanos para fora da chamada linha Kármán, que convencionalmente limita o espaço e está localizada a 100 km de altitude. Um membro proeminente da equipe estava na missão: o ator canadense William Shatner, de 90 anos, conhecido por seu papel como Capitão Kirk na clássica série de televisão Star Trek, que se tornou a pessoa mais velha da história a ir para o espaço. Ao lado dele estavam três outros tripulantes que vivenciaram por alguns minutos uma aparente sensação de leveza e uma visão privilegiada de nosso planeta. Semelhante à missão anterior de Jeff Bezos, o NS-18 decolou de uma base no Texas, voou por cerca de 10 minutos e retornou em segurança à superfície da Terra.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero