Astrônomos encontram o elo perdido que explica estrelas “impossíveis” – 5.12.2021. – Mensageiro Sideral

Um grupo de astrônomos nos Estados Unidos encontrou uma nova classe de estrelas, prevista há cinco décadas, mas nunca vista antes. A descoberta é uma espécie de “elo perdido” e ajuda a explicar como algumas anãs brancas (cadáveres de estrelas que antes se pareciam com o Sol) pareciam ser mais velhas do que o próprio universo. Aviso de spoiler: não.

Sabemos que todas as estrelas nascem, vivem e morrem, mas mesmo as mais transitórias o fazem em tempos que ultrapassam em muito a vida humana. Estamos falando de milhões, bilhões ou mesmo trilhões de anos. Para contornar isso, os astrônomos estudam as diferentes fases da vida dessas estrelas, encontrando objetos semelhantes em diferentes idades.

Como o nosso Sol, 97% de todas as estrelas (todas menos as realmente grandes) estão destinadas a se tornarem anãs brancas. Isso é o que resta do núcleo interno da estrela, ultracompactado pela gravidade após ficar sem capacidade de geração de energia. Claro, quanto menor a estrela, menor a anã branca deixará para trás quando morrer. Mas, contra a intuição, quanto menor a estrela, mais tempo leva para começar.

Aqui está o problema: os astrônomos há muito observam algumas anãs brancas que são extremamente pequenas. Seu tamanho sugere que a estrela-mãe é tão modesta que mesmo a vida útil total do universo (13,8 bilhões de anos) não seria suficiente para completar seu ciclo de vida. Um grande mistério.

A hipótese lançada pelos cientistas há 50 anos para explicar como essas estrelas existem era que elas fariam parte de sistemas binários, nos quais uma estrela companheira próxima gravitaria para roubar parte da massa menos, tornando-o modesto “impossível”. Para confirmar a ideia, era preciso observar esse processo em andamento. Não mais agora.

Baseado em um catálogo desenvolvido pelo satélite europeu Gaia e Zwicky Transient Installation, Caltech (California Institute of Technology), com mais de um bilhão de estrelas, o grupo de Kareem El-Badry do Harvard & Smithsonian Center for Astrophysics e da University of California, Berkeley , EUA, encontrou 51 objetos promissores. Destas, 21 foram estudadas no Observatório Lick, na Califórnia, e consideradas o “elo perdido”: um par de anãs brancas em que a maior rouba a massa da menor (13 delas) ou acaba de completar a canibalização processo (8).

O resultado, Publicados nos Avisos Mensais da Royal Astronomical Society, completa um grande mistério e demonstra belamente o poder preditivo da astrofísica. Mas, para garantir, El-Badry ainda pretende investigar as outras 30 instalações que vieram da onda inicial. Surgirá algo diferente, capaz de provocar outro enigma? Na ciência, tão divertido quanto procurar respostas é encontrar novas perguntas.

Esta coluna é publicada às segundas-feiras na Folha Corrida.

Siga o Sidereal Messenger no Facebook, Twitter, Instagram e Youtube

LINK PRESENTE: Você gostou deste texto? O assinante pode postar cinco visualizações gratuitas de qualquer conexão por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero