Bolsanaro rejeita ajuda para inundações na Bahia; Líder baiano se opõe

Por Gram Slater | Reuters

RIO DE JANEIRO – O presidente brasileiro Jair Bolsanaro rejeitou na quinta-feira a ajuda argentina, dizendo que seu país não precisava de ajuda para lidar com as enchentes que devastaram partes do nordeste do país e mataram dezenas.

Seus comentários geraram rápida condenação do severamente afetado governador do estado da Bahia, que disse que as autoridades locais receberiam ajuda de qualquer país e que os estrangeiros deveriam relutar em entrar em contato diretamente com o estado.

Até agora, pelo menos 24 pessoas morreram e dezenas de milhares estão desabrigadas por causa do recorde de chuvas no Nordeste, em alguns casos causando o rompimento de represas e o aumento dos rios metros acima de seu tamanho normal. O governador da Bahia, Rui Costa, classificou-o como o “pior desastre” da história do estado e disse que grande parte da Bahia foi “bombardeada”.

Enquanto isso, Bolzano enfrentava críticas por continuar suas férias na praia no sul do estado de Santa Catarina, a milhares de quilômetros da zona afetada.

Em uma postagem no Twitter na quinta-feira, ele disse que o governo argentino se ofereceu para enviar 10 pessoas para instalar abrigos temporários, fornecer assistência psicológica e auxiliar na logística do esforço de resgate.

No entanto, fornecer assistência era “muito caro para o Brasil”, escreveu ele, acrescentando que as autoridades brasileiras já estavam prestando serviços. Ele disse que o Brasil já aceitou doações da agência de ajuda externa do Japão e pode aceitar a ajuda da Argentina se necessário.

“O governo brasileiro está aberto a ajudas e doações internacionais”, escreveu.

Desde a eleição do presidente de centro-esquerda Alberto Fernandez em 2019, o Brasil de extrema direita do Bolsanaro tem uma relação fria com a Argentina. Bolzano já havia chamado Fernandez de “bandido vermelho”.

Costa, o governador da Bahia de esquerda e comentarista político do Bolsanaro, disse em sua própria postagem no Twitter que o país aceitaria diretamente a ajuda de qualquer potência estrangeira.

“Falo para todos os países do mundo: não há necessidade de mandar nenhum tipo de ajuda por meio dos diplomatas brasileiros neste momento, a Bahia vai aceitar diretamente”, escreveu.

O Ministério das Relações Exteriores da Argentina se recusou a comentar os relatórios de Bolzano e Costa.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero