Câmara aprova o adiamento das eleições para a 1ª votação de novembro – 01.07.2020

Hoje, no primeiro turno, a Câmara aprovou a mudança das eleições municipais em 2020, devido à pandemia de novas eleições. coronavírus, As novas datas propostas são: 1º turno em 15 de novembro e 2º turno em 29 de novembro.

O PEC (Proposta de Emenda à Constituição) já foi aprovado pelo Senado em 23 de junho passado. O texto precisa de uma segunda votação no Parlamento, que deve ocorrer hoje.

Como se trata de mudar a Constituição, se for definitivamente aprovado, o projeto de lei não será sancionado por Jair Bolsonaro (sem partido), mas pela proclamação do Congresso.

O texto foi aprovado com 402 votos a favor, 90 contra e 4 abstenções. O calendário original previa o primeiro turno das eleições em 4 de outubro e o segundo turno em 25 de outubro.

Outra mudança aprovada foi o poder dos partidos políticos de realizar convenções e reuniões praticamente para selecionar candidatos e formalizar coalizões. O objetivo é evitar multidões.

O relator do projeto da Câmara, Jhonatan de Jesus (Republicanos-RR), manteve o texto votado pelos senadores. A maior parte do Congresso e o TSE (Supremo Tribunal Eleitoral) entendem que a procrastinação é benéfica à saúde pública e não prejudica a cidadania e o sufrágio.

O governo Bolsonara defendeu a legalidade do texto e divulgou um voto de mérito, assim como o PROS e os Patriots. Os partidos do centro e da esquerda defendiam a mudança, com exceção do PL e do PSC que se opunham a ela.

Membros do chamado cento, que anteriormente eram resistentes ao adiamento da eleição, começaram a apoiar a medida. A mudança de posição ocorreu após uma reunião no Congresso que foi apontada pode incluir consideração pela medida que aprovar, como até US $ 5 bilhões para autoridades municipais lidarem com a articulação pandêmica 19 e a continuação de programas partidários no rádio e na TV.

Esses tópicos estão sendo discutidos nos bastidores e não foram votados na sessão de hoje.

Qual é o calendário eleitoral, de acordo com o PIK aprovado pelo Senado e votando na Câmara:

  • Em 11 de agosto: proibição de transmissão de um programa proposto ou comentado por um pré-candidato
  • entre 31 de agosto e 16 de setembro: realização de convenções para a seleção de candidatos dos partidos e discussões da coalizão
  • Até 26 de setembro: o prazo para partidos e coalizões solicitarem o registro de seus candidatos à Justiça Eleitoral; após 26 de setembro: início da propaganda eleitoral, inclusive online
  • 26 de setembro: Justiça eleitoral convoca partidos e emissora de rádio e televisão para preparar plano de mídia
  • 27 de outubro: Os partidos políticos, coalizões e candidatos devem publicar um relatório detalhando as transferências do fundo do partido e do fundo especial para financiar a campanha, a quantidade de dinheiro recebido e as fontes estimadas de dinheiro, bem como os custos incorridos.
  • Até 15 de dezembro: encaminhamento à justiça eleitoral de todas as contas das campanhas eleitorais de candidatos e partidos políticos em conexão com o primeiro e, se necessário, o segundo turno das eleições.
  • 27 de dezembro: data limite para as eleições nos municípios mais afetados pela pandemia

Durante a redação do texto, o senador Weverton Rocha (PDT-MA) incluiu, a pedido do TSE, uma “válvula de segurança”. Nos casos em que os municípios não têm condições sanitárias e precisam adiar as eleições após novembro, existe a possibilidade de que as eleições sejam realizadas até 27 de dezembro, mas somente se o TSE tiver uma decisão a esse respeito.

“O que precisamos fazer é mostrar que a Câmara se preocupa mais com a saúde da população do que com as etapas eleitorais. A idéia central é cuidar da saúde das pessoas”, disse o líder de Pode Leo Moraes (RR).

Nos bastidores, os parlamentares contra a demora sentiram que mudar o calendário poderia aumentar os gastos dos atuais prefeitos e favorecer a renovação política. Isso ocorre porque eles entendem que haverá um maior impacto na pandemia em novembro e dezembro e menos recursos públicos em dinheiro.

“Temos que salvar vidas, como fizemos. Não estamos mudando nada, nem estamos mudando a cláusula de pedra da Constituição. É para diretrizes científicas e sanitárias. [a mudança das datas]”, disse o líder minoritário José Guimarães (PT-CE).

A congressista Bia Kicis (PSL-DF) foi contra o projeto. “Votarei contra o PEC, não se justifica. Há muito mais deficiências do que profissionais. Isso levará a gastar dinheiro e tratamento desigual entre os candidatos. De qualquer forma, entre outubro e novembro, provavelmente não haverá mudanças na questão da poluição”. , disse Bia Kicis (PSL-DF).

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero