Casa Nem, que hospeda pessoas LGBT no Rio, envia uma ordem de restituição de propriedade – 28 de julho de 2020

Ontem, moradores e apoiadores da Casa Nem, um vulnerável centro de recepção LGBT, protestaram em frente ao prédio contra a decisão da juíza Daniele Bandeira de Freitas, da 15ª Vara Cível do Rio, que aprovou a devolução do imóvel ao local. Esperava-se que a ação acontecesse na segunda-feira, mas não aconteceu. Hoje, a Casa Nem tem 60 pessoas e trabalha em um prédio movimentado em Copacabana, no lado sul do Rio.

Embora a reintegração não tenha ocorrido na segunda-feira, está prevista a realização nos próximos 30 dias, mostram dados da Coordenação Especial de Diversidade Sexual (Ceds) no Rio de Janeiro. Em novembro, um relatório da Universa visitou a Casa Nem e mostrou as histórias de quem mora lá.

Atualmente, a casa abriga principalmente transexuais e travestis e atende cerca de cem pessoas a programas sociais que promovem a profissão, como doações de cestas básicas e máscaras durante o período de quarentena. Na ação de reintegração de posse da propriedade, os inquilinos da casa foram listados como os réus.

Na decisão, o juiz confirma que o local não possui condições adequadas de moradia e que representa um risco para os próprios moradores. o prédio estava ocupado com movimento LGBT em julho de 2019, depois de passar cerca de cinco anos abandonado.

Uma ação de restituição será intentada pela Iliria Administração de Imóveis e Negócios LTDA, o gerente que representa a propriedade da propriedade em que foi ocupada. Questionado em um relatório sobre o despejo durante a pandemia, o advogado da família proprietária do prédio, Daniel Henrique Furtado, disse que não há chance de acabar com o isolamento social para que o despejo ocorra.

“De jeito nenhum. Eles invadiram o prédio quando a reforma total deveria começar. Eles estão lá há mais de um ano e ainda querem sopa? De jeito nenhum”, disse ele. Universa telefone.

Os moradores não têm para onde ir

As entidades buscaram uma solução para o impasse. A supervisora ​​de políticas LGBT do Rio de Janeiro, Caroline Caldas, disse que era necessária simpatia pelos moradores da Casa Nema durante a quarentena. “Nosso papel é conscientizar a população sobre essa causa. Estamos em uma pandemia e precisamos proteger vidas”, diz ela.

A OAB se manifestou através da nota. Quando o número de casos da Covid-19 no Rio de Janeiro começou a aumentar, a Casa Nem seguiu e segue as recomendações propostas pelos órgãos públicos, mas desde o início do isolamento “social”, a ação tem realizado fortes resultados de atendimento e assistência aos mais vulneráveis ​​afetados. -19 ”, disse a mestra em saúde pública Rebecca Faray Ferreira, representante da OAB.

Inaugurado durante a pandemia, o hotel CPA4, projetado para acomodar pessoas LGBTQ +, não pode acomodar todos os emigrantes da Casa Nem. Segundo o coordenador especial de diversidade sexual, Nélio Georgini, apenas 10% do espaço ainda é gratuito.

“Queremos garantir os direitos humanos dessas pessoas para que elas não sejam violadas. Em relação ao abrigo, o que temos é o seguinte: em 28 de junho abrimos um abrigo específico para a população LGBT. Hoje, desses 36, trabalhamos disponíveis, 40 lugares estão ocupados”, disse ele. é.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero