Novembro 25, 2020

Turno Zero

Notícias Completas mundo

Caso de violência doméstica entre jornalistas da TVI termina com condenação por crime de simples integridade física – Nacional

O processo de violência doméstica contra o jornalista da TVI André Carvalho Ramos foi encerrado com o arguido condenado a 400 dias de multa (2.800 euros) por três crimes de ofensa à simples integridade física ao jornalista de Queluz de Bass Emanuel Monteiro. André terá ainda de pagar 1.500 euros de indemnização ao ex-namorado, com quem manteve uma relação entre junho de 2015 e junho de 2017.
O caso foi divulgado no final do ano passado em texto publicado nas redes sociais de Emanuel Monteiro. Por ser considerado crime público, o MP deu seguimento às investigações contra André Carvalho Ramos. Em julho, o MP sabia que o acusado e ofendido terá mantido um “relação abusiva por dois anos”, assim, os atos violentos terão sido “mais de um, consecutivamente”.
Emanuel Monteiro pede 6 mil euros de indemnização e “pena suspensa, multa ou obrigatoriedade de comparecimento a Programa de Atentados à Violência Doméstica”.

De acordo com a frase em que FLASH! teve acesso, o Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa considerou que provava que o “casal teve discussões frequentes motivadas por ciúme” e que André agrediu fisicamente Emanuel em diversas situações com puxões, tremores e beliscões. “O réu agiu com o objetivo alcançado de causar injúrias à vítima, sabendo que sua conduta era suscetível de assediá-la em sua saúde e integridade física, fazendo enquanto era seu namorado e mesmo após o término do relacionamento”, lê-se na acusação.

.js">

“Sempre tentei lutar pela verdade. O comportamento abusivo, em qualquer circunstância, deve ter consequências. Essa frase é, de alguma forma, um reflexo disso. Estou tranquilo e esse é um capítulo encerrado da minha vida”, diz Emanuel Monteiro.

No entanto, não foi comprovado o crime de violência doméstica pretendido pela auxiliar no processo. O tribunal considerou que “várias inconsistências / inconsistências e irracionalidade no conteúdo” apresentadas pela promotoria, que “enfraquecem irreversivelmente sua versão dos eventos”.

“Eles queriam me denegrir acusando-me de violência doméstica. Esses fatos não foram provados. Emanuel Monteiro mentiu e o próprio tribunal apontou inconsistências que enfraqueceram irreversivelmente sua versão dos fatos”, disse André Carvalho Ramos.