Março 1, 2021

Turno Zero

Notícias Completas mundo

Chang’e-5. Amostras de solo lunar coletadas pela China chegaram à Terra

A missão Chang’e 5 fez uma viagem ao outro lado da Lua nas últimas três semanas. Enviou uma sonda ao solo do satélite natural da Terra que perfurou e coletou cerca de dois quilos de material e regolitos.

Mas essa parte de uma missão sem precedentes à China – já complicada em si mesma – não parou por aí.

Parte da sonda que foi enviada ao solo e agora contendo as amostras retornou à órbita da Lua e dois dias depois, de forma totalmente automática, acoplada ao módulo de serviço da missão, transferiu o depósito com o material coletado para o retorno cápsula e fez a viagem de volta à Terra.

Após uma viagem de cinco dias, a cápsula contendo o material lunar entrou na atmosfera terrestre, tendo pousado na região de Siziwang, na Mongólia Interior, na madrugada desta quinta-feira (hora local), segundo a agência de notícias estatal chinesa Xinhua.

O material foi prontamente recolhido por equipe especializada que foi implantada no local.

Embora o pouso tenha ocorrido durante a noite, as equipes de resgate não tiveram dificuldade em encontrar a cápsula, que pesa cerca de 300 quilos, devido ao sistema de identificação e localização instalado neste envelope espacial..

A China consegue, assim, mais uma vez, mostrar ao mundo que é tão ou mais capaz de realizar missões espaciais complexas como outros países com anos e anos de experiência nesta área.

Esta foi a missão mais complexa realizada pela China em termos de exploração espacial robótica.

A missão está incluída em um vasto programa espacial para exploração lunar, que envolve outras missões de pouso lunar Chang’e-7 e 8 nos próximos anos.

O objetivo será estabelecer uma “estação lunar internacional de pesquisas”, nos próximos dez anos, com um conjunto de voos tripulados.

Essa tecnologia de coleta e devolução de amostras, bem como a experiência desenvolvida com a missão Chang’e-5, devem agora ser utilizadas em futuras missões programadas pelos chineses aos asteróides que circulam perto da Terra e, posteriormente, a Marte, programados para o final da década.