Turno Zero

Notícias Completas mundo

CMVM quer que Mário Ferreira lance OPA sobre dono da TVI

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) deliberou, ainda em versão preliminar, que o empresário Mário Ferreira está obrigado a lançar uma OPA sobre o capital social da Media Capital que não lhe pertence ou da Prisa. O dono da Douro Azul ainda pode contestar.

Com esta decisão, a Cofina, que lançou uma oferta pela mesma empresa, apenas a título voluntário, pode retirar a oferta.

De onde vem a decisão

Mário Ferreira detém, através da Pluris, 30% do capital do titular da TVI. A Prisa detém também 64% da Media Capital, embora tenha um acordo com vários investidores, como o grupo Triun, Cristina Ferreira ou Pedro Abrunhosa, para vender esta posição. Cerca de 5% estão nas mãos do grupo bancário espanhol Abanca e existe uma parcela muito pequena, 0,26% do capital, dispersa entre os pequenos investidores, entre os quais Miguel Pais do Amaral (que, em declarações ao Expresso, já era muito crítico posição da CMVM).

Essa OPA obrigatória está relacionada a um processo iniciado em maio. Foi nesse mês que o proprietário da Douro Azul adquiriu 30% do capital da Media Capital à Prisa, assinando em paralelo um acordo de acionistas que decretava, por exemplo, a necessidade de um acordo conjunto para a venda de mais parcelas da capital nas mãos do grupo espanhol dono do “El País”.

Em virtude deste acordo, a Pluris, empresa de Mário Ferreira, que é acionista direto da Media Capital, teve de provar, perante o regulador do mercado, que não houve concertação de influência com a Prisa, que passaria a ser superior a 50% do capital da Media Capital.

Ora, esta prova não foi suficiente para a CMVM, que esta sexta-feira disse que a sua decisão preliminar aponta para a consulta entre os dois accionistas. Mário Ferreira tem agora dez dias úteis para responder e apresentar novas provas.

Caso a autoridade liderada por Gabriela Figueiredo Dias se mantenha, Mário Ferreira tem de lançar uma OPA sobre cerca de 5% do capital – ação que não é sua nem da Prisa.

Isso porque, caso tenha havido consulta, houve mudança de controle e, quando houver mudança de controle, os demais acionistas deverão ter a possibilidade de desligamento. A Prisa já tinha lançado uma OPA em 2007, altura em que se tornou o acionista maioritário da empresa, pelo que a imposição da OPA só é atribuída a Mário Ferreira.

.js">

É assim que a Pluris pode ser obrigada a assumir a OPA para se legitimar perante os acionistas minoritários que adquiriram o controle da empresa. A decisão final será tomada após a manifestação de Mário Ferreira.

Auditor independente decreta preço, Cofina pode retirar sua oferta pública de aquisição

O preço desta oferta, a produzir efeitos, será o determinado pelo revisor oficial de contas que foi chamado a calcular o justo valor da OPA da Cofina. Mas há um porém: o preço da OPA Pluris deve ser pelo menos 2% superior à contrapartida indicada pelo Revisor Oficial de Contas e que serve de base ao funcionamento da Cofina.

A OPA de 100% da Cofina é voluntária, portanto, se houver uma oferta obrigatória do Pluris, você tem a opção de desistir.

OPA captura empresa para venda

A obrigatoriedade dessa possível oferta pública de aquisição captura a Media Capital no processo de venda. A Prisa, dona de 64%, fechou um acordo com vários investidores para vender sua participação. Entre eles estão a empresa Triun, liderada por Paulo Gaspar (filho de Avelino Gaspar, dono do grupo Lusiaves), que tem acordo para ficar com 20%, e o grupo de empresários em que está integrado o grupo de tintas CIN, adquire 16 %. Cristina Ferreira fechou a promessa de compra de 2,5%, enquanto Pedro Abrunhosa tem uma participação de 2%. O cantor Tony Carreira terá, indiretamente, 1%.

Estas aquisições aguardam várias condições suspensivas, como o sinal verde dos credores da Prisa, mas a CMVM obrigou a sua comunicação ao mercado. No entanto, para além da autorização que deve vir de Espanha, em Lisboa estão em curso investigações que também trazem incertezas ao processo: primeiro, a questão da concertação de votos entre Prisa e Mário Ferreira, que deu origem a esta decisão preliminar da CMVM e, em seguida, a investigação da Media Regulatory Authority (ERC) sobre a suposta mudança de domínio sem sua autorização cujas audições deveriam ter terminado esta semana.

Daiana Juli

"Típico viciado em internet. Empreendedor. Leitor. Amante da web. Pensador. Futuro ídolo adolescente. Estudioso de Bacon. Aficionado por música."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Previous Post Problemas de hipertensão atrasam a saída de André Filipe do hospital – um furúnculo
Next Post Fauci diz que as alegações de Trump sobre a suposta “cura” causam confusão