Turno Zero

Notícias Completas mundo

Comissão de Trabalhadores acusa Santander Totta de ameaçar colaboradores que não aceitam demissões

João Pascoal, membro da Secretaria Executiva do Comité Nacional dos Trabalhadores do Santander Totta, acusa a administração do banco de realizar uma campanha de intimidação contra os trabalhadores que não aceitam as propostas de rescisão por mútuo acordo previstas no plano de reestruturação iniciado neste mês de outubro na instituição.

“A maioria dos trabalhadores que foram chamados para as reuniões não querem se demitir e são ilegalmente ameaçados nessas reuniões, de ter que assinar porque o banco não os quer e que depois serão demitidos sem essas indenizações”, adianta João Pascoal , denunciando que “a Administração do Banco Santander Totta iniciou um processo de despedimento de trabalhadores”.

A Comissão de Trabalhadores aqui distancia-se da terminologia utilizada pelo Santander Totta, que, segundo este membro do CT, se refere às saídas como parte de uma “reorganização permanente” e não de uma “reestruturação”, processo que, no final do No primeiro semestre deste ano, já dispensou 167 funcionários e fechou 25 agências, tendo em vista a estrutura que existia doze meses antes, segundo dados do próprio banco.

“Esse processo ocorre no momento em que o banco está contratando novos trabalhadores a um custo menor e também fechando novos contratos com terceirização”, Completa a Comissão de Trabalhadores, ressaltando que um dos critérios para a dispensa de trabalhadores é a opção pelo trabalho precário.

Negociação em clima hostil

A dar a impressão de que as negociações decorrem num clima hostil, João Pascoal explica que “as reuniões decorrem nos edifícios do Banco em Lisboa, Porto e Faro” sendo “os Recursos Humanos assessorados por uma empresa de consultoria externa que pressiona os trabalhadores e até mesmo ameaçá-los ”.

Segundo João Pascoal, o “trabalho sujo” do processo de despedimento dos trabalhadores cabe à citada consultora, que, a partir das reuniões, passa a exercer “pressões indizíveis e manifestamente ilegais” sobre os trabalhadores que não acatam os valores ou condições de rescisão.

Neste sentido, sublinha que representante dos trabalhadores, “o consultor não tem o direito legal de contactar os trabalhadores ou de lhes dizer que têm de assinar um contrato de rescisão”.

Sindicatos atentos à consultoria externa

Um comunicado desta quinta-feira dos sindicatos do sector bancário seguiu a mesma linha crítica do Comité de Trabalhadores do Santander Totta, alertando que não permitiria qualquer pressão ou ameaça aos trabalhadores.

.js">

Confirmando que “muitos trabalhadores” do Santander Totta estão a ser chamados à rescisão de comum acordo, os sindicatos do Sector Financeiro (Mais) e do Banco Central (SBC) recordam que estes trabalhadores são livres de aceitar ou recusar o que lhes é oferecido durante as reuniões.

“Muitos colaboradores do Banco Santander Totta estão a ser convocados para uma reunião com os recursos humanos, na qual também está presente um consultor externo. O objetivo é apresentar-lhes uma proposta de rescisão de comum acordo, com a contrapartida de indenização ”, diz o comunicado conjunto do Mais Sindicato e da SBC, alertando imediatamente o Santander de que não aceitarão que os trabalhadores sejam alvo de“ qualquer espécie de pressão ou ameaça ”.

O sindicato Mais e a SBC também aconselham a administração do banco a descartar qualquer cenário de extinção do emprego ou demissão coletiva; aos trabalhadores, os sindicatos reiteram sua disposição em auxiliá-los no processo e orientam, por enquanto, que recorram a amparo jurídico para que tenham certeza “das consequências de sua decisão”.

Contactado pela RTP para responder a estas denúncias, o Santander Totta não respondeu aos nossos emails até ao momento da publicação deste artigo.

167 trabalhadores a menos e 25 agências a menos

Em julho, o Santander Totta revelou os resultados semestrais segundo os quais no final do primeiro semestre contava com menos 167 trabalhadores (6.163) e 25 (491) balcões face ao mesmo período de 2019.

O lucro de 172,9 milhões de euros até junho representou uma queda de 37% em relação ao mesmo período do ano anterior. O banco, pertencente ao grupo espanhol Santander, anunciou então prejuízo recorde de quase 11 bilhões de euros no primeiro semestre, de acordo com o comunicado.

Crise bancária ameaça trabalhadores

No final do primeiro semestre, os bancos a operar em Portugal contavam com 3.965 balcões, menos 117 do que em junho de 2019, de acordo com o Resumo dos Indicadores do Setor Bancário divulgado pela Associação Portuguesa de Bancos (APB).

Quanto aos trabalhadores, na atividade doméstica, eram 46.714 no final do primeiro semestre, neste caso praticamente estável (mais 41) face ao primeiro semestre de 2019, ainda de acordo com a associação que representa os principais bancos a operar em Portugal .

Nos últimos anos tem ocorrido uma redução na estrutura dos bancos e, apesar do ligeiro ganho de trabalhadores apontado nestes dados, os analistas preveem que nos próximos meses o setor irá cortar pessoal no agregado.

No final de julho, em uma análise contextualizada pela atual pandemia covid-19, a agência de rating Fitch considerou que, diante dessa nova ameaça, uma das medidas que os bancos tomariam seria uma maior reestruturação.

Daiana Juli

"Típico viciado em internet. Empreendedor. Leitor. Amante da web. Pensador. Futuro ídolo adolescente. Estudioso de Bacon. Aficionado por música."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Previous Post Razão para mudar Seth Rollins vs Mysterios para SmackDown
Next Post França adiciona o segundo pior dia com mais 25.086 casos nas últimas 24 horas