Como o Fluminense se encaixou na estratégia da Odair e manteve Jorge Jesus o Flamengo ‘imparável’

Nelson Rodrigues disse uma vez que “a gripe Fla apareceu quarenta minutos antes do nada”. O clássico que decidiu a Copa do Rio, de fato, começou há alguns meses, em disputas nos bastidores sobre o retorno ao Carioca. E quando a diferença entre as duas equipes parecia a maior de todos os tempos em campo, o Fluminense de Odair Hellmann derrotou o Flamengo “imparável” de Jorge Jesus e conquistou o título nos arquivos.

Em um dos jogos “apocalípticos” da história dos clássicos, jogado em um Maracanã vazio e em um hospital de campanha vizinho durante a pandemia de coronavírus, a maior em 100 anos, a gripe atingiu exatamente 306 minutos sem fadiga dos pneus quando ele abriu o tabuleiro com Gilbert, sua cabeça e surpreendeu o silêncio ensurdecedor do antigo maior mundo.

A estratégia do treinador Tricolor para vencer o português Rubro-Neger, no entanto, foi repetida. Se a vitória não veio com a Internacional em 2019, o próprio Flu, na Copa da Guanabara, desta vez a equipe conseguiu encaixar as idéias de Odair e se apegar à Fla até então imparável.

Em tempos de discursos táticos complicados e contemporâneos não tão modernos, o Fluminense tomou conhecimento de suas limitações e da superioridade técnica dos rivais. Para superá-lo, ele explorou suas poucas fraquezas e se esforçou para marcar as estrelas do time que derrotou o Brasil e a América em 2019 – e foi (bem) reforçado.

Não há lugar para estrelas da Fla

Começando com a defesa, que deveria manter Éverton Ribeiro, Arrascaet, Bruno Henrique e Gabigol. E funcionou. A linha de fundo formada por Gilberto, Nino, Matheus Ferraz e Egídio começou melhor em 2020 e cancelou o melhor ataque do país, criando muito pouco. Além disso, os zagueiros também jogaram muito bem no ataque: a lateral esquerda começou a jogar o gol da lateral direita, o único do Flu no jogo.

Gilberto marcou novamente pelo título do Fluminense na Copa do Rio - Thiago Ribeiro / AGIF - Thiago Ribeiro / AGIF

Gilberto marcou novamente sobre Fla no título Fluminense na Copa do Rio

Imagem: Thiago Ribeiro / AGIF

Além do gol de Pedro, que substituiu o uruguaio, Fla ficou com medo apenas no cabeçalho da camisa número 27, “Mister Classics”, que ficou em branco na noite passada (8). Muriel, que seria um herói no final da noite, fez uma boa defesa.

Outra jogada de Odair Hellmann – e que foi altamente criticada – foi no meio do campo. Em vez de três meias atrás do centro da frente, o treinador subiu no tripé do volante. Dos clássicos contra o Botafogo, Dodi voltou para o time em Wellington Silva e fez outra boa partida, assim como Yago. Entre os dois, Hudson distribuiu bem o jogo e atuou como um “buffer” de espaço atrás do par.

“Acho que a mudança tática que fizemos também funcionou muito bem. Fortalecemos o meio-campo e depois equilibramos as fases do jogo, a fase de defesa e a ofensiva e, especialmente nesse ponto, eles deram esse importante equilíbrio para manter a equipe consistente dentro do campo e ser capaz de executar suas execuções táticas e coletivas, mas principalmente para que o jogador possa ser bom, confiante e mostrar sua qualidade em campo ”, disse Odair Hellmann em entrevista à FluTV.

Dodi começou bem como o terceiro meio-campista de Odair Hellmann no Fluminense - Lucas Merçon / Fluminense FC - Lucas Merçon / Fluminense FC

Dodi teve um bom começo como terceiro meio-campista de Odair Hellmann no Fluminense

Lucas Merçon / Fluminense FC

Embora não seja a mais maleável a vencer o jogo de futebol, a estratégia de Odair já mostrou sinais de sua eficácia em outros jogos: o Fluminense foi o único a incomodar o Flamengo em 2020, usando oito homens atrás da linha da bola.

Bola na parte de trás da ‘linha alta’ de Fla

Sabendo que a Fla de Jesus é jogada com defesa sempre com antecedência, Tricolor começou o jogo com mais posse de bola e acionou o habitual impulso inicial de Rubro-Negra. Controlando as ações e os espaços no meio, também com o experiente Nenê, faltava a bola.

E no ataque reapareceram os ataques nas costas dos defensores vermelho-preto, primeiro com Evanílson e Marcos Paul – que finalmente agiram dentro do ataque e tiveram um bom desempenho.

Evanílson e Marcos Paulo voltaram a entrar por dentro, e o Fluminense foi mais perigoso no ataque - Lucas Merçon / Fluminense FC - Lucas Merçon / Fluminense FC

Evanílson e Marcos Paulo voltaram a trabalhar juntos por dentro, e o Fluminense foi mais perigoso no ataque

Lucas Merçon / Fluminense FC

Então, junto com Fernando Pachec e Caio Paulista, armas de velocidade foram usadas em triângulos rápidos.

“Jogamos um jogo taticamente perfeito, organização defensiva impecável. Além de podermos sair da organização defensiva hoje, no momento em que recuperamos essa posse, conseguimos passar por pequenas triangulações, dentro de nossa estratégia, procurando espaço na parte de trás da linha do Flamengo, jogando com essa linha alta. E as duas formas se encaixam muito bem “, explicou o treinador após o título.

Então o Tricolor “acertou no poste” nas semifinais da Taça Guanabara: reduziu o placar para 3 a 2 e marcou mais dois gols, bem cancelados pelo VAR. Ainda havia uma sentença polêmica não marcada – um juiz de vídeo viu um obstáculo – no próprio Peru.

Mas na Fla-Flu na final da Copa do Rio, o jogo aéreo funcionou. Matheus Ferraz tornou-se a isca para a defesa, mas Gilberto foi em frente, venceu Diego Alves e marcou o gol que a gripe precisava.

A parte física é obtida no segundo semestre

Odair Hellmann

Odair Hellmann “caiu no chão” contra Jorge Jesus e o Fluminense venceu o Flamengo na Copa do Rio

Arquivo: Lucas Mercon / Fluminense FC

Com quase um mês de treinamento, o Flamengo está visivelmente à frente dos rivais no campo físico. Então Rubro-Negro, em um dia muito raro, com pouca inspiração da equipe de Jorge Jesus, tinha uma arma para marcar.

“É claro que a equipe se cansou no segundo tempo, o que é normal e aqui o discurso não será diferente porque vencemos. Seria o mesmo se algo acontecesse. Devo enfatizar que esta equipe tem oito sessões de treinamento e gostaria de salientar se o resultado foi o contrário. Por isso, insisto que seja feito aqui porque é um discurso real ”, enfatizou Odair.

Começando com um banco cheio de opções, que os portugueses tentaram mudar o jogo: Pedro, Michael, Vitinho e Diego deixaram a reserva, mas os pulmões eram aliados de Fla. Após 20 minutos do segundo tempo, o Fluminense se cansou e diminuiu ainda mais as falas.

Após erros no passe, Rubro-Negro conseguiu três pontos e Filipe Luís jogou a bola na cabeça do ex-atacante do Fluo, fazendo a lei do ex-Maracanã. O Flamengo tentou a última blitz, mas Muriel salvou a melhor chance, de Bruno Henrique, antes de ser substituído.

Muriel é prestigiado e se torna um herói

Muriel interrompeu o pênalti de Rafinha e concedeu o título da Copa do Rio ao Fluminense - Mailson Santana / Fluminense FC - Mailson Santana / Fluminense FC

Muriel parou o pênalti de Rafinha e deu ao Fluminense o título da Copa do Rio

Arquivo: Mailson Santana / Fluminense FC

Muriel 2020 está longe de ser uma repetição do 2019 que ele experimentou. Com muitas falhas e performances que não inspiram confiança, a camisa do Fluminense 39 vê a cor reserva de Marcos Felipe como uma sombra. Mas se depender da Fla-Flu, o prestígio permanecerá preservado.

Um dos líderes da equipe, ele guardava o goleiro e é o titular absoluto do Tricolor. Contra o seu maior rival, ele mostrou o motivo: além de uma performance segura e de um bom tempo quando necessário, o irmão Alisson aplicou dois pênaltis e viu Léo Pereira nocauteá-lo, revivendo seu dia heróico no maior clássico do Rio em janeiro.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero