Computadores fazem arte: como influencia digitalmente novas obras visuais – 30.06.2020

Os artistas criam com o que têm em mãos. E na era digital, alguns deles trabalham com smartphones e internet como instrumentos de produção artística, da criação à exposição. Ao mesmo tempo, refletem o papel da mídia digital na vida cotidiana e nas relações humanas.

Em Corte do Google Maps, uma instalação e performance que viralizou no início deste ano, o artista Simon Weckert puxou um carrinho pelas ruas de Berlim com 99 telefones celulares conectados ao Google Maps, incentivando o mapa virtual a acreditar que havia tráfego onde Weckert andava.

Viés, disse que a idéia é lançar luz não apenas sobre a empresa, mas também sobre os sistemas que usamos todos os dias e que não sabemos como eles funcionam.

O trabalho do artista alemão funcionou porque o Maps tem dificuldade em distinguir veículos que não sejam carros e motocicletas. Para se inscrever, os smartphones seriam pessoas em ônibus apanhados em um engarrafamento. Weckert descobriu a falha seguindo uma demonstração do Dia do Trabalho no dia de maio na Alemanha.

As multidões nas ruas eram, nos mapas, linhas vermelhas indicando tráfego. “Interrompi o sistema participando dele”, disse ele.

Giselle Beiguelman, artista e professora da FAU-USP, diz que a instalação / desempenho usa as propriedades do Google Maps para mudar a maneira como um mapa virtual funciona e mostrar como ele funciona. “Isso não é tão óbvio para a maioria das pessoas. A maioria das pessoas entende esse processo como algo natural, mágico, um serviço que a empresa presta, não importa como o forneça”, diz ele.

Google Mapas hackear parece ser jogado com a divisão real / virtual e analógica / digital. Para Sylvia Furegatti, professor do Instituto de Arte da Unicamp, professor de sensibilidade WECKERT não é para se opor aos referidos pares, mas para combiná-los. É esse encontro que guia o trabalho de artistas alemães e outros contemporâneos.

Em seu trabalho, Weckert usa suas próprias ferramentas digitais para mostrar como elas funcionam ao investigar falhas no sistema. “Hack” foi a palavra que ele usou para definir um projeto, quando “ele usa objetos de uma maneira incomum e cria algo assim”.

Um exemplo a esse respeito é a Forensic Architecture, um grupo de pesquisa da Goldsmith University no Reino Unido. Uma equipe interdisciplinar, formada por arquitetos e desenvolvedores, jornalistas e arqueólogos, investiga casos de violações de direitos humanos e violência policial com base em fotografias, vídeos, gravações de áudio e testemunhas.

Em “Triple-Chaser”, eles usaram o aprendizado de máquina para identificar o tipo de granada de gás lacrimogêneo usada nos protestos. O processo e o resultado se tornaram uma instalação de vídeo no Whitney, um museu de arte contemporânea da cidade de Nova York, cujo vice-presidente era o CEO de uma empresa que faz granadas.

Forense - Detecção - Detecção
Imagem: Detecção

As imagens abaixo mostram os modelos de granadas Triple Acher ao fundo com os vários padrões de treinamento em “visão computacional” que eles desenvolveram.

Forense 2 - Detecção - Detecção
Imagem: Detecção

Forense 3 - Detecção - Detecção
Imagem: Detecção

Forense 4 - Detecção - Detecção
Imagem: Detecção

Guiado pela prática de um sistema aberto, um sistema judicial Arquitetura coloca materiais disponíveis em seu site e cria exposições para mostrar como a investigação foi conduzida. Em 2018, o grupo foi selecionado para o Turner Prize, realizado pelo London Tate Museum e um dos mais relevantes na arte britânica contemporânea.

VOCÊ “Proxy reverso“, longa-metragem dos brasileiros Guilherme Peters e Robert Wintert, corre entre o real e o virtual durante a trama. Realiza-se em 2014 e é narrado por Davi Reis e Luís Pires, dois amigos que desejam acessar dados da Vox Popula para mostrar que o departamento apoiou as assembleias de voto com a intenção de votar na presidência naquele ano. Foi feito a partir de capturas de tela mostrando o que o personagem estava fazendo e nas páginas do site na época das filmagens.

Além dos aspectos de criação e inspiração, as tecnologias digitais são novas maneiras de um artista apresentar seu trabalho e apresentá-lo ao público. Furegatti diz que, se não fosse pelas plataformas digitais, não teríamos conhecido o trabalho desses artistas.

Entender como distribuir ou expor um trabalho pela mídia é uma maneira de explorar Rafael RozendaalFilho do Brasil, cresceu na Holanda e desde 2001 desenvolve “sites na Internet que são obras de arte que existem em muitos lugares”.

Rozendaal diz que os sites são flexíveis no sentido de que qualquer pessoa pode vê-los em qualquer dispositivo com a Internet. O que está mudando é o contexto. Ele traça um paralelo com a música, pois o relacionamento muda dependendo de onde é tocada, se o ouvinte está sozinho em casa ou com amigos em um festival.

Rafaël Rozendaal - Comunicado de imprensa - Comunicado de imprensa

Rad Rafaël Rozendaal

Imagem: Detecção

Aarea.co é um site que exibe trabalhos feitos apenas para ele. Cada trabalho é exibido individualmente e passou uma média de 20 dias no ar. Depois disso, o enredo sobe no ar e permanece seu registro básico, como título e autor, sem imagens. Criado por Livia Benedetti e Marcela Vieira em 2017, o site não possui botões ou links que não os links para assinar a newsletter ou para entrar nas redes sociais do site.

Vieira explica que a idéia é que lugar se torne trabalho e trabalho, lugar. Em “Um quilômetro quadrado”, Aarea.co tornou-se uma tela preta do tamanho de 1 km². O cursor rolou e rolou para que nada acontecesse. O trabalho foi realizado por Kenneth Goldsmith, um artista americano e teórico da arte digital, e é um dos poucos que enviou o site.

Vieira diz que Aarea.co quer pensar na internet como um meio e local para exibir uma obra de arte. O desafio é publicar arquivos de obras, porque mantê-los disponíveis é caro, requer manutenção e torna o site um repositório do que aconteceu lá. Isso interromperia a idéia de o site ser um trabalho local por um tempo.

O encontro de arte e tecnologia fornece uma gama de reflexões. Formas de atuação, formas de distribuição e locais de exibição são pontos atuais entre as obras contemporâneas. Também há espaço para examinar o que é real ou virtual e questionar os limites entre público e trabalho. Se os artistas criam com o que têm em mãos, estão no início do potencial artístico da mídia digital.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero