da fama à aposentadoria em apenas seis anos

Maracanã, 13 de julho de 2014, 23 minutos de horas extras. André Schürrle, então com 23 anos, recebe a bola perto do meio-campo, se move para a esquerda e faz um cruzamento personalizado entre os dois argentinos para Mario Götze, que mata no peito e, à esquerda e por vontade própria, separa o gol decisivo do título. Alemães em êxtase no Maracanã e na Alemanha.

Com essa assistência, Schürrle fez seu nome na história da Copa do Mundo, com dois gols marcados contra o Brasil nas semifinais e um gol contra a Argélia na 16ª rodada.

Apenas seis anos após o momento extático de glória vivido em solo brasileiro, o jogador anuncia sua aposentadoria do futebol profissional. Frase em latim Sic transit gloria mundi (Toda a glória do mundo é passageira) cai como uma luva em um garoto de 29 anos.

Seu início de carreira foi ótimo. Aos 19 anos, sob o comando do técnico Thomas Tuchel, ele se tornou o campeão alemão da equipe sub-19 do Mainz 05, derrotando o Borussia Dortmund na final, na qual ele tinha um jovem de apenas 17 anos chamado Mario Götze.

Os dois se tornariam grandes amigos e, coincidentemente ou não, depois de uma grande noite no Rio de Janeiro, suas carreiras, contrárias a todas as expectativas, não progrediram.

Existem poucos profissionais de futebol que abandonam suas carreiras mais cedo.

Em 2015, foi a vez de Marcel Jansen, de Hamburgo, também com apenas 29 anos, pendurar as botas. Antes dele, Sebastian Deisler, um talentoso meio-campista do Bayern, liderou a equipe em 2007, após numerosas lesões e graves crises de depressão. Eu tinha 27 anos

Também vale lembrar o trágico caso de Robert Enke, o goleiro do Hanover e titular da seleção alemã que sofreu anos de depressão crônica. Listado como primeiro lugar na Copa do Mundo de 2010 na África do Sul, ele acabou não resistindo a crises depressivas frequentes e cometeu suicídio em novembro de 2009, aos 32 anos.

Em um grande negócio chamado futebol profissional, os jogadores são frequentemente considerados máquinas comuns, que sempre devem funcionar.

A sociedade esquece que os atletas são seres humanos como todos nós. Eles não são porque recebem enormes salários imunes ao que lêem na mídia, ao que ouvem dos fãs e às pressões que sofrem para serem mais eficientes e eficazes.

Em uma entrevista exaustiva com o semanal Spiegel, Schürrle sugeriu as razões de sua surpreendente aposentadoria precoce.

Na história da Alemanha por 7 a 1 sobre o Brasil, o atacante alemão marcou dois gols - Marcus Brandt / Aliança de Imagens via Getty Images - Marcus Brandt / Aliança de Imagens via Getty Images

No histórico 7-1 sobre o Brasil, o atacante alemão marcou dois gols

Imagem: Marcus Brandt / Image Alliance via Getty Images

“Foi uma decisão que amadureceu gradualmente. Perdi o prazer de jogar. A pressão da opinião pública se tornou um fardo para mim durante anos. Durante o ataque, fui atacado por medo de cometer um erro. As reações da mídia eram geralmente extremas. Demais”, disse ele.

“Muitas vezes me senti sozinho, principalmente quando não consegui atingir todo o meu potencial. Depois de um desempenho ruim no jogo, tive medo de sair para a rua e ser perseguido por fãs empolgados. Preferi usar o freio de mão agora enquanto ainda posso repetir minha vida”.

Schürrle percebeu que o futebol profissional e todos os grandes bilionários de negócios do esporte o infligiam a ele e que havia outros valores na sociedade mais importantes do que objetivos, troféus e estádios lotados.

As aposentadorias precoces de Schürrle também revelam a brutalidade desse microcosmo do futebol profissional, onde não há espaço para fraquezas e sentimentos.

Quem quiser sobreviver neste mundo deve usar um escudo que os proteja dos ataques agudos e muitas vezes injustos da opinião pública.

Para muitos, a sociedade Schürrle o verá como um fracasso em uma sociedade governada por uma obsessão descontrolada por “cada vez mais”. Eles estão errados. Em vez disso, ele merece respeito pela atitude corajosa de dizer não e seguir seu próprio caminho.

E tem mais. A camiseta da seleção alemã tem quatro estrelas. A quarta estrela foi conquistada no memorável 13 de julho de 2014 no Maracanã, graças ao pé esquerdo de André Schürrle, autor da cruz mais importante da história do futebol alemão.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero