Depois de rejeitar a idéia, o Facebook está considerando proibir anúncios políticos – 12/7/2020

O Facebook está considerando proibir anúncios políticos em sua plataforma nos dias que antecederam as eleições gerais nos Estados Unidos, programadas para novembro deste ano, informou o jornal. Bloomberg.

Segundo fontes familiarizadas com o assunto, ainda não há decisão, mas a empresa está considerando uma proibição temporária desse tipo de conteúdo. A notícia vem como resultado da forte pressão que o Facebook está sofrendo para agir melhor contra esse partido propagação notícias falsas e discurso de ódio.

O fato de o Facebook estar pensando em proibir anúncios políticos dividiu opiniões. Por um lado, há uma crença de que essa restrição ajudará a conter a disseminação de notícias falsas.

Grupos de direitos civis, sociedade civil e advogados estão exigindo que a empresa forneça respostas mais concretas contra desinformação. Uma auditoria recente divulgou na semana passada um relatório mostrando que a empresa falhou em proteger os direitos civis, especialmente em relação ao conteúdo postado pelo presidente Donald Trump.

Por outro lado, há quem acredite que a restrição de publicidade pode prejudicar as campanhas de candidatos que usam seus últimos dias para fazer perguntas e apresentar novas informações. Além disso, nesta fase do processo, ainda existem tentativas recentes de incentivar os americanos a sair de casa para votar, porque a participação não é obrigatória.

Facebook x Zuckerberg

Se o Facebook realmente decidir proibir anúncios políticos, a medida seria contrária ao que o presidente e fundador Mark Zuckerberg vem defendendo há semanas. Para ele, a plataforma não deve ser usada para monitorar conteúdo político e que a liberdade de expressão é fundamental.

Outro argumento é que a possível remoção de anúncios políticos pode prejudicar candidatos menores e que não têm muito dinheiro para fazer campanha, de acordo com um relatório do New York Times.

Esse posicionamento Zuckerberg e o eco da falta de ações concretas de sua empresa ressoam negativo. Críticas afiadas à má administração do Facebook sobre discurso de ódio e notícias falsas destacaram a sociedade civil, empregados e empresas – vários já anunciaram que vão parar de anunciar dentro da plataforma em um grande boicote.

Ao mesmo tempo em que o Facebook passa por esse turbilhão de críticas, outras redes sociais se posicionam com mais firmeza. Um exemplo é o Twitter, que já classificou (com legendas nas postagens) publicações individuais do presidente Donald Trump como um possível equívoco e exaltação da violência.

Em entrevista ao New York Times, Vanita Gupta, diretora executiva da Conferência de Líderes sobre Direitos Civis e Humanos, disse que é positivo que o Facebook esteja pensando em estratégias. Mas é importante que a empresa possa ter um sistema que identifique dados falsos em tempo real.

“A supressão dos eleitores acontece todos os dias, e sua inatividade terá consequências profundas nas eleições”, afirmou.

No entanto, segundo o relatório, alguns grupos democratas não acreditam que a proibição de anúncios ou restrições políticas seja eficaz para acabar com notícias falsas. Os argumentos são:

  • O conteúdo falso pode circular facilmente em grupos fechados em uma rede social.
  • Essa restrição também afetaria as ferramentas digitais usadas nas campanhas eleitorais e poderia dificultar a aquisição de novos doadores.
  • A proibição de pagar por anúncios no Facebook deixaria a disputa desigual. Donald Trump tem uma base de mais de 28,3 milhões de seguidores. O candidato democrata Joe Biden tem cerca de 2,1 milhões. Em breve, Trump teria uma vantagem mesmo sem investir em anúncios políticos.

Como Bloomberg explicou, o Facebook ainda não decidiu nada. A única certeza é que essa possibilidade de restringir ou restringir anúncios políticos na rede social será discutida por um longo tempo.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero