Descubra as 10 gravações sonoras mais bonitas de Ennio Morricone – 07.06.2020

É quase impossível fazer uma lista das melhores músicas criadas pelo maestro italiano Ennio Morricone, que morreu hoje, aos 91 anos. Em seus quase 70 anos de carreira, ele criou mais de 500 músicas para filmes, programas de televisão e rádio.

Mas selecionamos as 10 mais importantes – e mais bonitas – que fazem parte de uma imaginação e herança coletivas que não são possíveis até hoje:

“Era uma vez na América” ​​(1984)

Dirigida por Sergio Leone, as músicas de Morricone são sonhadas e acompanhadas por imagens de memórias na tela. Uma partitura que nunca perderá sua “beleza mística”, em uma das composições mais desafiadoras, complexas e importantes de sua carreira.

“Kino Paradiso” (1988)

Com uma trilha sonora inesquecível, que ajudou Giuseppe Tornatore a ganhar um Oscar de Melhor Filme em Língua Estrangeira, a criação dos italianos é cheia de iguarias e usa nostalgia. É a antítese entre o tempo gasto na pureza da infância e a consciência da idade adulta. A música é um tipo de abraço caloroso que envolve o espectador em uma melodia mais parecida com a poesia.

“Por um punhado de dólares” (1964)

O apito por excelência torna-se inconfundível, icônico e igualmente conhecido como o trabalho de Sergio Leone. A capacidade de saber trabalhar sem uma orquestra, com pouco dinheiro, transformando um apito, trompete e revólver na síntese mais madura do cinema ocidental. Um tópico que entrou na história e que, no início de sua carreira, foi assinado sob o pseudônimo de Dan Savio.

“Intocáveis” (1987)

Ainda na atmosfera de gângster dos Estados Unidos na época da proibição, desta vez Brian De Palma confiou seu trabalho a Morricone. O som de uma música que vai do suspense tradicional ao jazz, fazendo com que o público seja transportado para a atmosfera sombria do escuro Chicago nos anos 30.

“Quando a vingança explode” (1971)

É aqui que toda a arte do maestro italiano aparece: um tema lírico tocante baseado no som de piano do americano Burt Bacharach.

“1900” (1976)

Clarinetes que contam histórias: amor, guerra, amizade ou oposição, e depois explodem no caos de uma orquestra. Tons que podem ser mostrados através de uma odisséia e uma mudança de tempo através do som.

“Oito Odiado” (2015)

O primeiro Oscar depois de cinco derrotas no prêmio de cinema mais famoso do mundo. Nomeado Quentin Tarantino, depois de filmar a trilha sonora do segundo filme do diretor Django Livre, ele está cheio de sons habilidosos. Oboé e piano, acompanhados por sons da caixa de música, ficam no ar sombrio acompanhado ansiedade, o terror e a frieza criados pelo diretor. Foi o retorno de Morricone ao gênero ocidental depois de 35 anos, e ele mistura – e ao mesmo tempo se opõe – à modernidade de Tarantino com o tom clássico de suas criações.

“Três homens em conflito” (1966)

Talvez a música mais famosa de Morricone seja para o último capítulo da “trilogia do dólar”. Apitos inconfundíveis estão voltando, entre os trompetistas que enfatizam andar nas pradarias desoladas do Oeste Selvagem. Daí “The Ecstasy of Gold”, usado nos shows da banda Metallica.

“Missão” (1986)

Morricone também registra uma pista neste filme de Roland Joffé. Entre religiosos e missionários na América do Sul do século XVIII, o maestro libera suas veias para concertos e sinfonias, incluindo filmes com sua música e com insistência calculada.

“Investigação cidadã dos suspeitos” (1970)

O Cinema Dennounce, assinado por Elio Petri, tem outra trilha sonora inesquecível. A música de Morricone se funde com a inspiração acusadora da diretora e protagonista Gian Maria Maria Volontè.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero