Março 9, 2021

Turno Zero

Notícias Completas mundo

Doença misteriosa na Índia afetou mais de 500 pessoas

Metais pesados ​​como chumbo e níquel foram descobertos no sangue de vítimas de uma doença misteriosa detectada no sábado em uma cidade do sul da Índia, que afetou mais de 500 pessoas.

O governo indiano enviou uma equipe médica de especialistas do Instituto Nacional de Virologia, do Centro Nacional de Controle de Doenças e do Instituto Indiano de Ciências Médicas a Eluru, no estado de Andhra Pradesh, para investigar a doença que apareceu no último sábado, causando convulsões, náuseas e dores crônicas.

Em tudo, 555 pessoas foram internadas em hospitais desde sábado, incluindo 80 nesta terça, segundo fontes do hospital, e embora a maioria dos pacientes tenha conseguido voltar para casa, um homem de 45 anos morreu não domingo.

Amostras de sangue coletadas de 10 pessoas mostraram altos níveis de chumbo e níquel, de acordo com o diretor do hospital Eluru, AV Mohan.

Autoridades do estado de Andhra Pradesh ordenaram uma investigação sobre a origem dos metais pesados ​​nos corpos dos pacientes, mas, de acordo com Mohan, as amostras são muito poucas para dizer com certeza que chumbo e níquel causaram a doença, que se espalhou em uma cidade de 200 mil habitantes .

Água e bebidas lácteas foram testadas e os especialistas também colheram amostras de arroz e óleo de cozinha, bem como urina para análise.

Algumas autoridades locais levantaram a hipótese de que a doença misteriosa está associada a aditivos químicos em pesticidas.

“Algumas pessoas pensam que é histeria em massa, mas não é”, disse AS Ram, médico-chefe do hospital Eluru, afirmando que a maioria das pessoas no hospital apresentou sintomas reais.

“A maioria dos pacientes chega com ferimentos leves na cabeça ou um olho roxo depois de desmaiar repentinamente. Mas em uma ou duas horas, a maioria deles melhora”, disse ele.

“No entanto, não podemos diagnosticar o que está causando esses sintomas”, acrescentou.

Ao mesmo tempo, a Índia, diante da pandemia covid-19, ocupa o segundo lugar no mundo em termos de contaminação, com quase 10 milhões de casos.