Enfermeiras do Rio em greve estão em greve por atraso – 23/7/2020

Enfermeiras e técnicos de assistência de outros fabricantes do estado do Rio de Janeiro anunciaram hoje que estão em greve após meses de atraso. Durante a manhã, profissionais da categoria protestaram em frente à sede da SES (Secretaria de Estado da Saúde).

Casos de até quatro meses sem pagamento foram relatados no protesto. Em uma nota, a SES confirmou o atraso e disse que estava “em solidariedade com os trabalhadores que não recebem pagamentos” e que “trata isso como uma prioridade”.

Durante a manhã, a enfermeira Mônica Armada, representante do sindicato das enfermeiras, conversou com o RJ1, do Red Globo, sobre o movimento. Ele trata a greve como último recurso, dizendo que nem o governador Wilson Witzel (PSC) nem o ministro da Saúde Alex Bousquet são “sensíveis à luta dos trabalhadores”.

“O ministro da saúde não se preocupou em resolver a questão dos salários, dos pagamentos desses trabalhadores, então não há outra opção senão atacar. O último refúgio foi encontrado.”

“Estamos iniciando uma greve com 50% dos trabalhadores trabalhando. Outros 50% da greve, com o grau de transferência e essa greve é ​​indefinida, retornamos apenas quando todos os salários dos trabalhadores são pagos”, concluiu Mônica.

Os funcionários em greve são o Hospital Mulher, o Hospital Mãe em Saracurun, o Hospital Anchieta (HTO), o Hospital Carlos Chagas, a UPA São Pedro da Aldeia, Samu e os hospitais do Rio.

O que a Secretaria de Saúde diz

Questionada sobre o atraso no pagamento, a SES afirmou que, após um “grande processo de regulamentação de contratos”, a maioria das transferências para organizações sociais (OS) já foi realizada. Das 41 unidades de saúde gerenciadas pelo sistema operacional, 37 já regulamentaram sua condição e seus pagamentos foram totalmente atualizados.

A Secretaria enfatizou que os órgãos operacionais são responsáveis ​​pelo pagamento de seus funcionários e subcontratados. Quanto aos contratos de unidades, o SES diz que a OS Gnosis já recebeu financiamento referente a hospitais em Mãe, durante a transferência 7/3, e mulheres, 7/17.

Com relação ao pagamento de funcionários do Hospital Estadual Adão Pereira Nunes (HEAPN), o secretário afirma que a unidade não possui contrato a partir de 22/05, mas que busca a aprovação do TRT (Tribunal Regional do Trabalho) para pagar funcionários diretamente nas contas, como já aprovado funcionários dos hospitais de campo de Maracanã e São Gonçalo.

Dado os hospitais estaduais de traumatologia e ortopedia (HTO) Baixada e Linda, a SES diz que o pagamento dos atrasados ​​chegará ao banco amanhã.

“Os contratos expiraram. Portanto, um novo contrato está sendo assinado com o mesmo sistema operacional, Mahatma Gandhi”.

Segundo a secretaria, o pagamento para maio da UPA São Pedro da Aldeia foi realizado em 07.08.

“Devido à falta de contrato, o pagamento para junho não pode ser encaminhado, mas um novo contrato já está sendo assinado com o Lagos Rio para resolver essa situação. Um adiantamento da primeira parcela será pago na próxima semana”.

Finalmente, no Hospital Estadual Carlos Chagas (HECC), a SES diz que o pagamento de 3,6 milhões de RAGs a Lagos Riu foi feito em 07/03.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero