Janeiro 23, 2021

Turno Zero

Notícias Completas mundo

“Eu até gostaria de desafiar o Moro”

"Eu até gostaria de desafiar o Moro"

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) evitou falar hoje sobre uma possível candidatura à presidência da República nas eleições de 2022. No entanto, em entrevista a emissoras de rádio na cidade de Baira, na Bahia, Lula disse que, ao contrário do presidente Jair Bolsonar (sem partido), ele não teria medo de enfrentar Sergio Mora em uma possível disputa eleitoral.

“Se eles querem administrar Moro, deixe-os correr; não estou preocupado. Bolsonaro deveria estar”, acrescentou, exortando o ex-juiz Leo Jato a “escrever no papel” o motivo de sua crença. Ele também cita o advogado do grupo de trabalho Delta Dallagnol por indiciamento sem provas em “uma hora e meia do PowerPoint”.

“Eu até gostaria de discutir com Mora. Realizar um debate eleitoral cara a cara para chamá-lo de mentiroso na TV sem a proteção de uma túnica. Ele age assim – ele fez isso no meu processo, você sabe que ele mentiu e fez parte disso jogos história suja da história do judiciário brasileiro “, afirmou.

“Foram mais de 300 horas, o Jornal Nacional disse que roubei sem direito de resposta. Até hoje, estou esperando para saber por que fui condenado”, continuou ele. “Há dois meses, o judiciário federal absolveu o acusado de quatro milhões.

Apesar de estar disposto a participar do debate com Mora, Lula disse que o PT, não ele, decidirá quem concorrerá nas eleições de 2022.

“É muito difícil falar de mim mesma. Estarei com mais de 70 anos em 2022. Eu me cuido porque quero viver muito. Quem decide quem é o candidato presidencial, o PT e os aliados que irão construir. Hoje existem muitos nomes, mas houve tempo só para mim. O partido decide. Nunca direi que serei candidato. Não posso liderar se as pessoas não quiserem me liderar “, disse ele, demonstrando gratidão ao partido.

“Honestamente, acho que o PT já me deu muito. Deixe Caetés (PE) e chegue onde estou porque Deus, o PT e os brasileiros têm sido muito generosos comigo. Se olharmos, não preciso mais ser candidato. Mas fora do governo, vejo que é preciso muito e que eu não o fiz. Tenho certeza de que sou o presidente que mais fez pela inclusão social deste país.

Lula proibiu sua candidatura nas eleições de 2018, quando o PT demitiu Fernando Haddad e Manuel d’Ávil (PCdoB) como vice. O ex-presidente disse que uma vitória na época poderia iniciar uma revolução silenciosa no Brasil. A declaração foi uma crítica ao presidente Jair Bolsonar (sem partido).

“Se eu vencesse em 2018, faria uma revolução – sem um único tiro, silenciosamente. As pessoas não precisam de uma arma, precisam de educação. Temos que acabar com o ódio espalhado por Bolsonaro e pela polícia. Queria ser candidato em 2018 para fazer isso: mais jovem nas faculdades, menos crimes, mais jovens com comida na mesa, menos crimes ”, afirmou.

Bolsonaro e covid-19

Lula também criticou as ações do governo federal no combate a uma nova pandemia coronavírusCom várias declarações dirigidas a Bolsonar, o ex-presidente criticou a falta de diálogo com outros políticos e a insistência em um debate envolvendo a hidroxicloroquina contra a covid-19.

“Não conseguiremos resolver isso até que tenhamos a vacina e não poderemos experimentá-la até o próximo ano. Quando você tem um presidente que, em vez de encorajá-lo a se cuidar, incentiva você a ir às ruas, abrir uma loja e não se cuidar.” … Quando não há cura, o melhor remédio é tomar precauções e permanecer isolado ”, afirmou.

“Se você precisa trabalhar, precisa de um gel de álcool, uma máscara. O presidente incentiva a desobediência porque ele pensa que é dono de uma empresa que é cloroquina. A ciência mundial diz que não serve para curar o coronavírus”, acrescentou Lula, que disse não acreditar que fosse. Bolsonaru foi diagnosticado com covid-19.

Elogio à PT Bahia

O ex-presidente usou a entrevista coletiva para elogiar o governo do PT na Bahia. Desde 2015, os predicados são dedicados não apenas à administração de Rui Costa, mas também a seu antecessor, valetes Wagner.

Ex-ministro do governo Lull, Wagner foi eleito governador em 2006, permanecendo no poder entre 2007 e 2015. Esse partido ainda não definiu um candidato para o cargo até 2022.

“Eu não quero isso valetes era candidato a governador, deixando o Ministério do Trabalho. E ele venceu a primeira rodada. E então Rui. Vou à Bahia para um curso sobre como vencer no primeiro turno. O galego fez o bem pela história da Bahia. E Rui Costa é uma criação de Wagner – um gênio, com capacidades políticas excepcionais. Não sei quem será o candidato a governador, mas quem decidir, eu o seguirei “, afirmou Lula.

“Rui não é apenas o governador da Bahia. Ele é o grande governador da Bahia. Um cidadão que é o governador. a administração que você faz, você tem tudo para ser candidato a presidente. Ele tem muita força e muita respeitabilidade. O PT tem um legado. Duvido que o Brasil tenha um partido e um governo que, ao longo da história da Bahia, tenham levado mais dinheiro para a Bahia do que o meu e para Dilma (Dilma). Foi uma coisa muito grande “, acrescentou.

Para Lulu, no entanto, o estado da Bahia ainda carece de mais progresso. “Obviamente, não importa quanto trabalhemos, sentiremos falta, porque faz muitos anos que nada foi feito.”