Turno Zero

Notícias Completas mundo

EUA. Campanha de Trump é acusada de desencorajar afro-americanos a votarem |

Repórteres de canais britânicos afirmam ter obtido um arquivo, usado há quatro anos pela equipe de campanha, que cobre quase 200 milhões de eleitores americanos, catalogado em diferentes categorias para que pudessem enviar-lhes anúncios direcionados nas redes sociais.

Entre esses eleitores estavam mais de 3,5 milhões de afro-americanos em uma categoria chamada “dissuasão”, com o objetivo de fazê-los se abster de votar, de acordo com o Channel 4 News.

De acordo com jornalistas, os afro-americanos tinham muito mais probabilidade do que outras comunidades de serem atingidos por essa estratégia. Na Geórgia, por exemplo, embora os negros representem 32% da população, eles representavam 61% da categoria de eleitores a serem dissuadidos.

“Essa estratégia precedeu o colapso do voto negro em estados-chave como Wisconsin”, antes da vitória final de Donald Trump, disse um dos jornalistas investigadores.

A campanha digital do candidato republicano em 2016 incluiu uma equipe da empresa britânica Cambridge Analytica, que havia sido acusada pelo Canal 4 e outras mídias de coletar e explorar dados pessoais de usuários do Facebook para fins políticos sem seu consentimento.

.js">

O diretor da campanha digital de Trump em 2016, Brad Parscale, disse que sua equipe não tinha como alvo os eleitores negros.

“Eu diria que tenho quase 100% de certeza de que não realizamos nenhuma campanha visando afro-americanos”, disse ele a repórteres na PBS Frontline, mas os investigadores do Channel 4 News revelaram que viram um documento confidencial no qual Cambridge Analytica admitiu ter mirado em africanos Americanos.

O Channel 4 News também menciona anúncios negativos destinados a desestimular a votação de Hillary Clinton, candidata derrotada em 2016, como vídeos, vistos milhões de vezes no Facebook, nos quais o candidato democrata chama de “superpredadores” jovens negros.

Citado pelo Channel 4 News, o vice-presidente da principal organização afro-americana de direitos civis, NAACP (Associação Nacional para o Progresso das Pessoas de Cor), Jamal Watkins, disse que ficou “chocado” e “perturbado” pelas revelações feitas.

Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Previous Post Este é o carro mais estranho (e mais bonito) do mundo – Observer
Next Post Seu carro vai adorar a novidade que o Google Maps terá em breve