Novembro 30, 2020

Turno Zero

Notícias Completas mundo

EUA. Trump tenta impedir a certificação de resultados eleitorais para impedir a entrada de Biden na Casa Branca

Donald Trump não parece disposto a desistir da tática de guerrilha. As pesquisas deram a ele a derrota na corrida presidencial, mas o ainda chefe de Estado parece pronto para use todas as estratégias possíveis para fazer a transição um processo muito turbulento. Mesmo sendo despejado da Casa Branca, Trump não admite ser nocaute e quer permanecer politicamente vivo para a corrida presidencial de 2024.

Depois de apostar primeiro na tentativa de anulação dos votos enviados pelo correio em vários estados, principalmente nos campos de batalha mais decisivos, mesmo esta estratégia mostrou-se inconsistente para sustentar a retórica do suposto vencedor. Em seguida, ele aposta em denúncias de supostas fraudes, sem reunir quaisquer provas, o que o levou a uma derrota generalizada nos tribunais de todo o país. Enquanto isso, no Twitter, ele faz o que sempre faz: atirando em todas as direções, contra e contra todos.

Mas, apesar do desespero, o presidente dos Estados Unidos ainda no cargo até 20 de janeiro tem um plano para impedir que o sucessor Joe Biden entre na Casa Branca: ele agora está atrasando a certificação dos resultados, escreve “The Washington Post”.

.js">

Nesta quarta-feira, a campanha de Trump pagou US $ 3 milhões para iniciar uma recontagem nos dois maiores condados de Wisconsin, território que os democratas conquistaram os republicanos.

Ó mentor Giuliani

Também na Pensilvânia, o estado que confirmou a vitória de Biden, Trump tentativas de impedir judicialmente a certificação de resultados que conferem ao Presidente eleito Joe Biden os 20 votos do Colégio Eleitoral daquele estado, alegando que os processos eleitorais não foram uniformes em todo o território e estão feridos por várias irregularidades.

Outra das frentes que Trump quer manter é em Michigan, onde exige uma auditoria dos votos antes de os resultados serem certificados.

O grande arquiteto para construir essa cortina de fumaça em torno dos resultados é o advogado de Donald Trump, Rudolph Giuliani, que exorta os legisladores republicanos a atrasar a consolidação dos resultados e, ao mesmo tempo, escolher delegados que possam embaralhar as contas do Colégio Eleitoral.

Só há um problema: a lei. Tanto a Pensilvânia quanto o Wisconsin não atribuem nenhum papel aos legisladores na escolha de grandes eleitores presidenciais. Até Giuliani admite que o caminho será árduo, mas pode pelo menos servir para atrapalhar o caminho de Joe Biden até o Salão Oval.