Fábricas foram fechadas, e o acúmulo explica a queda na vacinação de crianças – 22.9.2020

Embora todos os focos sejam no desenvolvimento das vacinas covid-19, outra questão relacionada à imunização está ameaçando a saúde do país: o declínio histórico no número de crianças brasileiras vacinadas.

Com as duas fábricas antigas interditadas, houve queda na produção nacional, o que prejudicou o estoque de doses contra difteria, tétano, coqueluche e tuberculose – vacinas que hoje acumulam as maiores quedas na cobertura vacinal infantil, segundo o Programa Nacional de Imunizações (PNI). .

Da queda desde 2015, a vacinação das crianças teve o pior resultado no ano passado, quando pela primeira vez em 20 anos nenhuma meta foi atingida. Entre as principais vacinas utilizadas para bebês de até um ano, a menor taxa era a pentavalente, que chegava a 95% das crianças há cinco anos, mas caiu para 70% em 2019. Essa vacina protege contra difteria, tétano, coqueluche e outras infecções.

O declínio foi ainda maior para a primeira dose de DTP (difteria, tétano e coqueluche), que aumenta a proteção aos 15 meses de idade. Foi aplicado a 86% das crianças em 2014, mas caiu para 56% no ano passado.

Além da falta de postos de saúde durante boa parte de 2019, as duas vacinas têm em comum o fato de poderem ser produzidas no Brasil quando a fábrica do Instituto Butantan, em São Paulo, for reformada. Após dez anos de promessas do governo de São Paulo e do Ministério da Saúde, as obras não começaram. E não há prazo para que isso aconteça.

Situação semelhante afeta o BCG aplicado contra a tuberculose. Essa vacina busca registrar as melhores taxas de cobertura no calendário infantil, mas tem recuado nos últimos cinco anos, quando a produção nacional caiu e surgiram problemas de estoque. Em 2014, a aplicação ficou acima da previsão do governo, mas caiu para 85% em 2019.

BCG tropeça

O BCG é produzido no Brasil há 90 anos pela Fundação Ataulpho de Paiva, entidade privada sem fins lucrativos do Rio de Janeiro. Trabalhando com um maquinário da década de 1970, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), segundo a fundação, paralisou a linha de produção pelo menos três vezes por não cumprimento das normas de produção. A última proibição durou um ano e meio e a produção foi retomada apenas em julho passado.

As obras de construção da nova fábrica começaram em 1989, mas mais de 30 anos depois ainda não foram concluídas devido a mudanças no projeto e falta de fundos. Além de afetar os estoques de vacinas, a baixa produção de BCG deixou os pacientes com câncer sem tratamento em 2019, de acordo com a BBC Brasil.

Com fábricas desatualizadas e reformas sem papel, o país está recorrendo à importação de imunizantes. A estratégia se explica em parte pelo fato de vacinas como DTP e BCG no mercado internacional custarem menos de US $ 1 por dose: é mais barato comprar do exterior do que produzir no Brasil.

Mas a economia pode ficar cara porque poucas empresas no mundo têm interesse em produzi-los, devido à baixa lucratividade. “Os grandes laboratórios estão deixando as linhas de produção para vacinas de baixo retorno e se concentrando nas de maior rentabilidade. E falta vacinas no mercado”, afirma Artur Couto, presidente da Associação Nacional dos Laboratórios Públicos (Alfob).

Brasil: mercado de 300 milhões de doses por ano

Com a escassez de fabricantes, fica mais difícil resolver os problemas de abastecimento. Aconteceu em 2019 com o pentavalente. Cerca de 3 milhões de doses importadas foram descartadas por apresentarem defeito. A substituição não foi imediata e só foi regulamentada em meados deste ano.

O primeiro gargalo é que o mundo está consumindo mais vacinas, como países asiáticos e africanos, mas o mercado mundial não está pronto para abastecer. O segundo é o problema de qualidade. Quando o governo rejeita uma série, é difícil encontrar outra. Não existe vacina disponível no mercado.
Renato Kfouri, infectologista da Sociedade Brasileira de Pediatria

“A escassez de vacinas é uma crise no mundo todo, até na rede privada”, conclui a Dra. Eliane de Oliveira Morais, do Centro de Referência em Imunizações do Hospital de Clínicas da Unicamp.

Os especialistas destacam ainda que fornecer imunizantes para o Brasil é um desafio para qualquer gestor, devido ao tamanho da população e à grande variedade de soros e vacinas: são 300 milhões de doses por ano. “Nosso programa de imunização é um dos melhores do mundo, com ampla cobertura. O volume de compras é muito grande. Mesmo que produzamos no Brasil, ainda dependeremos de produtos importados”, diz Morais.

Dados obtidos de Repórter do brasil com o Ministério da Saúde e por meio da Lei de Acesso à Informação, eles estão descobrindo uma dependência crescente das importações. Entre 2014 e 2019, a compra de ampolas estrangeiras para vacinação infantil aumentou de 33% para 47% nas doses totais. O estudo leva em consideração 12 das 13 vacinas indicadas para crianças até 15 meses (com exceção da febre amarela).

Butanthane estuda reativação da produção de DTP na nova planta

A planta Butantan DTP permaneceu sem investimentos por 10 anos, devido à baixa lucratividade da vacina e aos altos custos de mão de obra. “Se a produção for inferior a 50 milhões de doses por ano, essa planta perderá dinheiro”, diz o imunologista Jorge Kalil, diretor do laboratório entre 2011 e 2017. O Butantan produziu DTP do início dos anos 1990 a 2010.

Desde então, três projetos foram anunciados para iniciar a produção. O primeiro investiu R $ 40 milhões do Ministério da Saúde e Governo de São Paulo, mas “não era sustentável”, segundo Kalil. O ex-diretor conta que o instituto deu um passo no vermelho ao assumir a gestão, por isso resolveu investir o dinheiro em projetos mais rentáveis, como uma fábrica de vacinas de objeção.

Um novo projeto para a planta de DTP foi anunciado em fevereiro de 2017. Com orçamento de R $ 150 milhões, seria financiado por R $ 54 milhões do governo federal e o restante pelo Butão. Mas o projeto foi adiado por duas semanas depois que Kalil foi demitido e o governo estadual o acusou de “sérios problemas de gestão”. O ex-diretor diz que foi alvo de injustiças. “As reclamações não foram comprovadas e foram protocoladas”, afirma. “O Butantan se saiu muito bem. Teve R $ 1,5 bilhão em caixa e R $ 2 bilhões em receita”, acrescentou.

No ano passado, um novo projeto foi anunciado: o Centro de Produção de Vacinas. O orçamento prevê R $ 2,3 bilhões, o centro fornece sete vacinas diferentes, incluindo vacinas DTP, mas o Butantan ainda busca recursos. O valor da nova planta supera o investimento de R $ 1,9 bilhão previsto para a produção do Coronavac, vacina covid-19 que o laboratório desenvolverá em parceria com a China.

O ministério tem contrato com o Butão no valor de US $ 90 milhões, mas transferiu US $ 36 milhões

O Ministério da Saúde disse para Repórter do brasil, por meio de nota, firma três convênios com o Instituto Butantan desde 2012, no valor total de US $ 90 milhões, para reforma de diversas linhas de produção de vacinas, entre elas a DTP. Desse total, R $ 36 milhões foram efetivamente repassados. O mapa afirma que pretende exportar a produção pentavalente no Brasil, mas que o plano depende de reformas no Butão.

Questionado, o Ministério da Saúde do Estado de São Paulo não se pronunciou.

O Butantan disse que está discutindo com o Ministério da Saúde o que fazer com os R $ 20 milhões repassados ​​ao DTP em 2012 e que pode até reembolsar os valores. Outros R $ 54 milhões, que ainda não foram repassados ​​pelo governo federal, têm destinação incerta e estão em discussão. O laboratório disse que estava buscando recursos privados para “construção e equipamentos” do Centro de Produção de Vacinas. O instituto não se pronunciou sobre as declarações do ex-diretor.

A Fundação Ataulpho de Paiva, por outro lado, disse que a fiscalização e uma eventual interdição da Anvisina são um procedimento industrial comum. A produção de BCG na nova fábrica está prevista para 2022.

Embora o país sonhe com uma solução para o covid-19, as antigas fábricas de vacinas ficarão mais tempo em quarentena.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero