Fãs de acrílico e som via app: público sobre o retorno do futebol brasileiro – 13.07.2020

futebol O Brasil está gradualmente retornando às pastagens. Ontem, Flamengo e Fluminense jogaram seu primeiro jogo pela final do campeonato carioca. O torneio em Santa Catarina já voltou com algumas partidas. Os campeonatos em São Paulo e Gauchou retornam na próxima semana.

Mas pelo menos aqui, os estádios continuarão sem publicidade. Como as equipes pretendem envolver os torcedores de maneira virtual, nas arquibancadas ou levar a emoção dos jogos para dentro das casas dos torcedores? Como os clubes resolverão a questão do “silêncio” nos estádios?

Por enquanto, eles incluem alternativas usadas pelo mundo sons gravados, figuras de papelão e até “drive-in”, Por exemplo, na liga dinamarquesa, o FC Midtjylland montou telas no estacionamento de seu estádio para que os torcedores pudessem assistir aos jogos do carro.

Na Alemanha, o Borussia Mönchengladbach foi um dos clubes que divulgou fotos de fãs de papelão em cadeiras para fazê-los aparecer na televisão – reduzindo assim a sensação de um estádio “vazio”.

Decidido pela Sky, responsável pela geração de imagem e áudio dos jogos do Campeonato Alemão e que são distribuídos em todo o mundo incluir sons gravados em programas em jogos passados ​​de torcedores de times que se enfrentam.

Ventilador de sofá via app

No Japão, o programa “Remote Cheerer” da Yamaha (ou “Suporte remoto”, em tradução gratuita) é programado para dar aos fãs a capacidade de transmitir músicas, vaias e comemorar gols em casa no estádio.

“O que foi feito até agora é mais sobre consertar rapidamente, tentar replicar uma experiência tradicional, imitar o som dos fãs ou encher as arquibancadas com algo que lembra os fãs. As marcas que realmente olham para o futuro devem se envolver de uma nova maneira”, disse Nora Henriksson. Diretor da MediaMonks Stockholm, Suécia.

“Nada substituirá a experiência ao vivo, nem para os fãs nem para o jogador. A emoção e a vibração no local nunca podem ser substituídas. No entanto, há uma oportunidade clara de ligar e assistir o copo meio cheio, minimizando o impacto desse intervalo e trazendo elementos relevantes do jogo para os fãs”. disse Eduardo Baraldi, diretor executivo da agência Octagon Brasil.

Suporte de acrílico no estádio

Por enquanto apenas no Brasil Corinthians anunciou um projeto nesse sentido. No projeto “Timão é sua casa”, lançado no início deste mês, o clube decidiu vender espaços “virtuais” nos estandes da Arena Corinthians para os fãs.

O público pode optar por estar em um pedaço de material acrílico, em cadeiras numeradas no estádio ou em pequenas fotografias, em tiras que simulam uma bandeira nas arquibancadas do estádio. Os preços variam entre US $ 37,90 e US $ 299,90

“A ação foi inspirada em um projeto antigo de 2008, onde colocamos fotos dos torcedores nas camisas dos jogadores”, explicou Caio Campos, gerente de marketing do Corinthians. Naquela época, a ação “O Timão É Sua Cara” vendia 4.900 vagas em uniformes, mil reais cada. O clube finalmente conseguiu concordar com apenas 1.000 chances.

“Também estamos pensando em lançar um projeto de direção para os jogos no estacionamento do Arena Corinthians. Mas, no momento, achamos melhor esperar. Tudo ainda é incerto”, afirmou o CEO. Caio acredita que o público não voltará aos estádios até 2021.

Ruído da sala para o estádio

Caio também diz que o clube deve anunciar outra notícia esta semana. “No jogo que jogamos com as portas fechadas em março, colocamos o som da platéia nos alto-falantes. Mas é uma coisa gravada, fica entediante. A idéia é transmitir o som da platéia em tempo real para o estádio”, disse ele. executivo.

“É errado pensar que apenas o sistema de som usual do estádio ajudará a criar a atmosfera certa. Você precisa ter cuidado onde coloca os alto-falantes e quando usá-los. Mas a parte realmente emocionante disso é ligar os fãs digitalmente, onde um fã pode usar outra tela para interagir. criar barulho no estádio. Dessa forma, os fãs podem influenciar a atmosfera dentro do campo e se conectar com os jogadores de uma maneira única “, disse Nora do MediaMonks,

Para Baraldi, do Octagon, os patrocinadores têm uma grande oportunidade de explorar, de estar com o público.

“Na minha opinião, o potencial está em patrocinar clubes e montar layouts de estádios para levar essa experiência aos fãs em uma escala muito maior. Som, comida, interação entre os fãs, comprar mercadorias e até, em grupos menores, visitar o jogo nos bastidores”. , disse o CEO.

Ações herdadas

O assunto também foi objeto de um dos painéis “WFS Live alimentado por Ronaldo”, um congresso on-line realizado na semana passada que reuniu alguns dos principais nomes da indústria mundial do futebol.

Samuel Lloyd, gerente geral do Mineirão Stadium, foi um dos participantes do painel “O que o futebol pode aprender com a indústria do entretenimento no pós-covid?”. Para o executivo, a ação será palco de uma disputa entre os clubes. “Acredito que teremos tudo. Precisamos beber de fontes européias e encontrar diferentes iniciativas no Brasil, como se fosse uma competição separada”, disse Samuel.

Quanto ao legado que as ações podem deixar para o público no mundo pós-pandemia, o diretor do Mineiro Stadium é um pouco mais contido.

“Gostaria de ser otimista para imaginar o que pode ser deixado para os fãs, mas é difícil para mim. Olhando para os interlúdios, o mundo do futebol quer resolver o problema de hoje. Por exemplo, o debate sobre o investimento digital não é de longo prazo. O mundo do futebol não tem essa visão”, disse ele.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero