Flávio confirma encontro com Marinha e nega ter conhecimento do fracasso da PF – 20.07.2020

Em comunicado ao MPF (Ministério Público Federal) nesta tarde, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) confirmou sua participação em uma reunião entre o empresário Paul Marinho e um advogado e negou ter conhecimento de supostas vazamentos de dados investigativos contra seu ex-assessor, Fabrício Queiroz.

O senador testemunhou em seu gabinete, no Senado, com o procurador-geral Eduardo Benones. Segundo o MPF, devido à prerrogativa do cargo que ocupa, o local, a data e a hora em que ele quer ser ouvido foram determinados pelo próprio Flávio.

O MEF está investigando se os membros da polícia federal previram as fases da investigação que levou à Operação Furna da Onça, lançada em novembro de 2018, de acordo com reportou o empresário Paulo Marinho em entrevista à Folha de S.Paulo. O senador, o filho mais velho do presidente Jair Bolsonar (sem partido), não estava entre os alvos da ação.

Marinho disse que ouviu do senador que recebeu informações sobre a investigação do delegado da polícia federal. Segundo Marinho, a conversa ocorreu durante uma reunião na casa do empresário no Rio de Janeiro, no final de 2018.

O empresário substitui Flávi no Senado e deixou sua casa no Rio para ser a “sede” da campanha de Bolsonar pela presidência.

Deixando seu testemunho, o senador disse acreditar que as acusações do empresário contra ele visam à desestabilização política. “Pelo que parece [Paulo Marinho] ele está mais interessado em meu lugar no Senado do que em cuidar de sua própria vida ”, disse o senador.

“As pessoas precisam entender que, para construir sua vida política, precisam ter seus méritos, não querendo atirar pedras nos outros”, disse Flávio.

O senador disse que considerou “invertidas” as suspeitas de Marin e expressou esperança de que a PF e o Ministério Público da Bósnia-Herzegovina tomem medidas contra o que ele chamou de “mentiras”.

“Vou continuar trabalhando duro para o Rio de Janeiro e esse é um momento decisivo. Espero que o Ministério Público do Rio e a Polícia Federal tomem medidas contra a mentira que ele inventou”, afirmou o senador.

Como foi com o testemunho

Segundo o promotor Eduardo Benones, responsável pela investigação do MPF, o senador confirmou que havia se encontrado com Marinha, mas negou acesso a informações privilegiadas.

“Nesse sentido, ele está em desacordo com esta parte [depoimento] Sr. Paulo Marinho “, disse o promotor.

A advogada de Flávio, Luciana Pires, que acompanhou a delegação, confirmou que o senador disse que havia participado de uma reunião com o empresário, mas negou ter recebido informações sobre as investigações.

“Ele não se lembra da data, porque tem um ano e meio de idade. Mas lembra-se de ter uma reunião na casa de Paul Marinho, junto com seu advogado, para pedir um advogado para ele. a imprensa estava especulando sobre várias coisas e ele precisava de um advogado para se defender. Não foi por causa do vazamento de Furna da Onça, nem de Queiroz, nada nesse sentido “, disse Luciana Pires.

“Nunca houve vazamentos, o senador nunca recebeu informações sobre a Furna da Onçi. Ele explicou ao advogado do estado que até apoiava o deputado André Corre na época até a presidência de Aller. [Assembleia Legislativa do Rio] e que, se soubesse do vazamento da Furna da Onça, obviamente não teria apoiado o objetivo [da operação]disse o advogado.

Embora Flávio não seja um alvo direto da Furna da Onça, os relatórios do Conselho de Supervisão Financeira (Coaf) envolvidos na investigação indicaram desenvolvimentos incomuns nas contas de Fabrício Queiroz, ex-assessor do então vice-deputado estadual em seu escritório em Aller. Flávio foi representante estadual no Rio de 2003 a 2018.

Os relatos estimularam uma investigação do Ministério Público do Rio de Janeiro contra o escritório de Flávio. Os promotores alegam que os chamados “crackers” (quando funcionários do governo devolvem parte do salário a um parlamentar) eram constantes no mandato do então deputado e que Queiroz liderava as operações. Ele foi preso em Atibaia em 18 de junho e está em prisão domiciliar após decisão do STJ (Supremo Tribunal de Justiça).

No último dia, Queiroz testemunhou ao MPF sobre os supostos vazamentos e afirmou que não havia recebido anteriormente informações sobre a Furna da Onçi. “Ele não disse que sabia sobre a Furna da Onça. Ele não sabe se os outros sabiam. Ele não sabe se houve um vazamento ou não”, disse o advogado Eduardo Benones, como informou a Folha no dia do despejo.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero