Joe Biden garante às Nações Unidas que não haverá “Guerra Fria” com a China

Joe Biden defendeu terça-feira no pódio da Assembleia Geral das Nações Unidas que a retirada dos EUA do Afeganistão foi um passo necessário para fechar o capítulo sobre “guerras implacáveis” e abrir uma ofensiva diplomática. Os democratas disseram que os Estados Unidos “não estavam procurando uma nova Guerra Fria”.

Em seu discurso inaugural na Assembleia Geral das Nações Unidas, o presidente dos Estados Unidos disse: “Não queremos uma nova Guerra Fria ou um mundo dividido em blocos rígidos”.

No entanto, ele reconheceu que o número deles não foi suficiente para derrotar a tentativa de independência de Obama. “Com nossos valores e forças, protegeremos nossos aliados e amigos e nos oporemos aos esforços das nações fortes para dominar as nações fracas”, enfatizou.

O presidente Biden estava envolvido na luta contra o “autoritarismo” e prometeu “defender a democracia”.

Seu discurso no famoso New York Tribune da ONU, durante o dia, foi acompanhado por um vídeo pré-gravado do presidente chinês Xi Jinping se envolvendo em um confronto cada vez mais acirrado entre as duas grandes potências.

Na preparação para a troca, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, alertou Washington e Pequim que a devastação da crise global poderia ser “muito menos previsível do que a Guerra Fria” e pediu às duas potências que “conversassem” e entendessem.

Pequim também rejeita a noção de uma nova Guerra Fria entre os Estados Unidos e a União Soviética na segunda metade do século XX. Mas este é o único ponto de solidariedade entre os dois países, e suas relações estão se deteriorando cada vez mais.

A era pós-Trump

Para os democratas americanos, o discurso multipartidário do Templo foi uma oportunidade de destacar o “retorno” dos Estados Unidos como um aliado de confiança de seus aliados nos quatro anos do mandato de Donald Trump.

“Nos últimos oito meses, tornei uma prioridade reconstruir nossas alianças, rejuvenescer nossas parcerias e reconhecer que elas são essenciais para a segurança e prosperidade duradouras dos Estados Unidos”, defendeu.

Joe Biden disse que estava anunciando “novos compromissos” contra a epidemia – pelo menos nos países desenvolvidos, incluindo o aumento da vacinação – e prometeu “dobrar” os esforços financeiros internacionais de Washington contra a mudança climática, sem uma medida específica.

A aparente crise com a França

Afinal, ele prometeu abrir uma “era diplomática” após o fim da guerra do Afeganistão, garantindo que os Estados Unidos usariam a força militar apenas como “último recurso”.

Os Estados Unidos anunciaram em 15 de setembro uma parceria de segurança com a Austrália e o Reino Unido na região Indo-Pacífico. [Mick Tsikas – EPA/Keystone]Criticando a situação caótica para a saída da equipe dos EUA do Afeganistão, Joe Biden disse que estava comprometido com a defesa dos principais interesses nacionais dos EUA, mas ressaltou que “a tarefa deve ser clara e realizável”. Não deve ser usado como um substituto para todos os problemas que vemos no mundo. “

Mas a retirada do Afeganistão terminou em caos em vários países europeus no final de agosto, e então a aparente crise com a França sobre a questão dos submarinos que irrompeu na semana passada destruiu completamente sua mensagem.

>> Leia: Austrália se recusa a esconder da França seu desejo de abandonar seus submarinos

Agente / sjaq

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero