Novembro 25, 2020

Turno Zero

Notícias Completas mundo

Lidar com situações negativas pode levar à doença Rádio Tucunaré

O enfrentamento negativo de situações, incluindo sentimentos de raiva, perdão e sobrevivência, pode levar ao adoecimento, na avaliação do cardiologista Álvaro Avezum, diretor da Socespa (Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo). A recomendação da Socesp é que os cardiologistas abordem com seus pacientes o que eles definem como espiritualidade. No entanto, orientação nada tem a ver com religião, como apontou Avezum.

Segundo ele, a definição “afirma que espiritualidade é um conjunto de valores morais, mentais e emocionais que norteiam nossos pensamentos, nossos comportamentos e nossas atitudes, na vida das relações conosco e com os outros. Mas acrescentamos: o tema da observação e da medição científica ”. Ele acrescenta que os padrões de comportamento, pensamentos e sentimentos devem ser levados em consideração no tratamento e prevenção das doenças cardiovasculares.

O tema espiritualidade e cardiologia comportamental e social pode ser consultado no último número da revista Socesp, que iniciou uma discussão sobre a integração desses elementos na prática clínica. “Esse é um assunto que envolve ciência e precisa ser cada vez mais envolvido, porque é uma forma de avaliar o paciente como um todo, não apenas um órgão isolado”, disse o cardiologista.

As diretrizes para avaliação de médicos envolvendo fatores espirituais são baseadas nas Diretrizes de Prevenção Cardiovascular da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Avezum reforça que há indícios de que esses problemas devem ser resolvidos para os pacientes considerados estáveis. “Se o paciente está em situação clínica instável, na UTI, não se deve avaliar. Porém, um paciente estável, em ambulatório ou consultório, deve ter sua espiritualidade avaliada. “

“[Infarto e acidente vascular cerebral] constituem a primeira e a segunda causa de morte no Brasil, sendo o AVC a primeira causa de invalidez. Dentro de outros fatores de risco além de hipertensão, diabetes, tabagismo, obesidade, colesterol alterado, dieta pouco saudável e sedentarismo, já tivemos a confirmação de que o estresse e a depressão são preditores independentes de ataque cardíaco, bem como acidentes de derrame ”, disse ele. O termo preditores independentes significa que a presença desse fator aumenta significativamente a possibilidade de ocorrência de eventos, neste caso, infarto e acidente vascular cerebral.

.js">

O médico avalia que a conexão é significativa. Segundo ele, prevenir e controlar o estresse previne cerca de um terço de todos os casos de ataque cardíaco. “O enfrentamento negativo de situações adversas – raiva, hostilidade, não perdão, lesão, sobrevivência, este é enfrentamento negativo – está associado à liberação e produção de certos hormônios [adrenalina e cortisol], aumentando a atividade inflamatória e pró-coagulante, associada a doenças cardiovasculares ”, disse Avezum, explicando que a atividade inflamatória é prejudicial ao paciente.

Segundo ele, o coping positivo – quando o indivíduo tem vontade de perdoar, altruísmo, gratidão – está associado a uma melhor saúde cardiovascular. “Há estudos que mostram uma associação entre o enfrentamento negativo de sentimentos ineficazes com as doenças cardiovasculares. Se for relacionado a uma doença, preciso avaliar durante minha consulta se a pessoa tem problemas de estresse, depressão ou enfrentamento negativo de situações negativas, sejam conjugais, profissionais ou mesmo sociais. “

Estudos

O cardiologista citou dois estudos norte-americanos que avaliaram se um fator de risco estava associado à doença. Em ambos, foi observada uma associação entre raiva e doença. “Quando falamos pela primeira vez sobre diabetes, este estudo chamado MESA estimou quase 5.600 pessoas e o acompanhou por 11 anos. Ele mostrou que as pessoas que tinham o traço da raiva, a pessoa mais explosiva, aumentavam o risco de desenvolver diabetes em 50%. “

Outro estudo, chamado Aric, envolveu cerca de 13.000 pessoas e acompanhou por 18 anos, de acordo com Avezum. “[O estudo] mostrou que as pessoas que estavam prontas para a raiva aumentaram sua chance de desenvolver insuficiência cardíaca em 44%. Portanto, não são apenas os fatores comuns que conhecemos sobre eles que aumentam o risco de diabetes ou insuficiência cardíaca. Além disso, existem fatores associados à espiritualidade que mostram uma ligação com a doença ”, disse ele.

“Hoje estamos tratando a hipertensão arterial porque está comprovado que é um fator de risco para infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral, e que o tratamento anti-hipertensivo possibilita a redução desses eventos cardiovasculares. Os estudos clínicos sobre espiritualidade são preliminares e promissores, sendo necessários estudos maiores para definir se as intervenções baseadas no perdão ou na gratidão podem reduzir a incidência de infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral e morte cardiovascular ”, acrescentou o especialista.