Janeiro 15, 2021

Turno Zero

Notícias Completas mundo

Líder da Altice Portugal acusa presidente da Anacom de encorajar “operadores parasitas” a entrar no mercado português de telecomunicações – Telecomunicações

Alexandre Fonseca, CEO da Altice Portugal, durante a sua intervenção no webinar promovido pela CIP (Confederação Empresarial de Portugal) no âmbito 5G, destaca o “novo normal” que Portugal vive devido à pandemia e atribuiu “notas máximas” ao os meios de comunicação e os esforços das operadoras de telecomunicações para oferecer a possibilidade de teletrabalho e ensino em casa, além de serviços de saúde. “Se as telecomunicações já eram importantes, tornaram-se parte da pandemia, sendo um bem essencial, pois era importante levar trabalho, educação e cultura para a casa dos portugueses”, dando como exemplo este remoto evento CIP.

E frisa que as telecomunicações nas últimas décadas sempre foram uma estratégia em Portugal, mas isso se deve ao investimento, principalmente da Altice Portugal, de norte a sul do país, incluindo regiões autónomas, capazes de levar fibra óptica a todos, sem discriminação. Destaca o investimento privado total, de 500 milhões de euros por ano, nos últimos quatro anos. O investimento foi exponencial para lidar com a pandemia e os picos de tráfego durante semanas.

E acredita que o desafio foi vencido e esse foi o segredo do sucesso de quem vai para casa trabalhar e estudar: a resiliência das redes de telecomunicações. E destaca os técnicos que percorreram as ruas durante a pandemia, para garantir que os serviços continuassem funcionando, tanto nas escolas quanto nos hospitais.

Ele assume a estratégia de telecomunicações, não apenas na pandemia, mas no futuro. Mas frisa que a sua estratégia está ameaçada, não só pela Altice Portugal, mas também pelo setor. “Não confunda a Anacom como instituição, mas sim o seu presidente como uma ameaça ao futuro do sector, o que pode ter consequências irreversíveis”. Salienta que Portugal é um dos países da Europa mais bem preparados para fazer face a crises como a actual pandemia, graças às suas infraestruturas. E mesmo com estes atributos encontra-se sob “forte ameaça” do regulador e por isso está a repensar o seu futuro em Portugal.

A propósito do 5G, a sua posição é que este projecto 5G não é aquele que acredita que Portugal precisa. “A regulamentação chega tarde e alertamos para decisões erradas, como a migração da TDT que nos empurraria para o rabo da Europa. Um regulamento que só está na cabeça do dirigente da Anacom ”, e reforça que o regulamento é ilegal, segundo várias entidades que o analisaram. “A regulamentação é um verdadeiro revés para o setor e para o país, que destrói valor”.

Ele dá como exemplo o roaming nacional, como a principal solução para levar a internet a todo o país. Mas para Alexandre Fonseca serve apenas para apoiar novos operadores “parasitas” que pretendem entrar no negócio à força e por conta de quem já investiu. “Os locais onde não houver rede, continuarão sem rede”, frisa. Mas ele ressalta que o que deve ser feito é o esforço de todas as operadoras que investiram. “Existem apenas três países onde existe roaming que a Anacom quer introduzir. Dois resultaram de medidas de fusão. E a outra é na França, que está prestes a ser fechada devido ao seu fracasso ”, frisa.

.js">

Alexandre Fonseca aponta a falta de diálogo e as costas viradas entre os jogadores. Ele afirma ter sido informado pela mídia de que a Comissão Europeia questionou o regulador, informações que não foram repassadas às operadoras, acusando a Anacom de falta de transparência. Ele afirma que a informação foi omitida, inclusive as respostas do regulador à Comissão Europeia. “Não há ninguém que possa votar e deixar o regulador impune?”, Ele fez a pergunta.

As condições dadas aos novos operadores, que não têm plano de investimento para Portugal, nem emprego, acusam os operadores de quererem entrar no país de forma parasitária. “Em meio a tudo isso, a realidade dos pecados de que o regulador nos acusa, esquece de olhar para outro pecado, mas pecado do outro lado, do nosso regulador: um regulador que rejeitou seus deveres de neutralidade e imparcialidade, que tem falado sucessivamente de novos entrantes, e quando fala de novos entrantes fala em particular de um novo entrante e de uma empresa que já está em Portugal e que na verdade provoca este mau ambiente à volta do 5G, porque é a única empresa em Portugal que tem uma licença 5G Sim, existe hoje em Portugal uma empresa que tem uma licença 5G e que tem serviços 5G activos Os restantes operadores históricos do país aguardam que esta novidade seja resolvida do ponto de vista do leilão 5G. uma operadora em Portugal já tem 5G. Mas estes novos entrantes que têm sido transportados pelo nosso regulador e estes operadores que já têm 5G vieram mais, espanta-se, promovidos pelo nosso regulador ”, transformando-se em baterias para Nowo, isso foi s alie nando-se no relatório trimestral da Anacom, como o que mais cresceu no mercado, por ter apresentado os preços mais baixos do setor neste trimestre. Acusa a Anacom de seu dever de neutralidade em anunciar uma operadora do nosso setor. “Mais do que uma reflexão, merece uma investigação”, reforça.

Por fim, acusa muitos membros do governo e do regulador de não terem pronunciado uma palavra de agradecimento pelo esforço que as operadoras de telecomunicações fizeram durante a pandemia, para o trabalho de manutenção das comunicações quando eram mais necessárias. Ele acusa o regulador de mentir, de fugir do diálogo nos últimos meses. Diz que não há concorrência, mas a Altice Portugal lembra que o MEO foi lançado há 11 anos com zero clientes e hoje detém a maior quota de mercado, destacando-se os dados da própria Anacom.

Para Alexandre Fonseca, a posição do regulador põe em causa inovação, investimento, “mas acima de tudo emprego”. Todas as denúncias que o regulador fez sem apresentar um único estudo de mercado nos últimos três anos, diz o dirigente da Altice, ou qualquer análise do impacto regulatório de suas medidas até o momento, algo que afirma ser obrigatório por seus estatutos.

Mas frisa que “felizmente esta não é a visão dos portugueses e dos seus clientes”, que consideram que o MEO tem serviços inovadores de primeira linha, as maiores taxas de cobertura para redes de próxima geração, as maiores taxas de banda larga e as maiores competências de comunicação de Portugal . E acredita que há governantes que partilham esta visão dos portugueses e se preocupam com o estado atual, mas destaca que agora é a hora de agir. O 5G é uma mais-valia para o país, para o Estado português, por isso é tempo de agir “porque se não agirmos agora seremos cúmplices de toda a destruição e temos de assumir as consequências das decisões tomadas”.

Nota escrita: notícias atualizadas com mais informações. Última atualização: 11h19.