Mais seco, mais quente e mais barato: assim será Portugal em 2050. – Iniciativas empresariais

Portugal experimentará mais secas, secas e um aumento do risco de incêndio nas próximas décadas. A conclusão é o relatório do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas (IPCC), publicado em agosto do ano passado, que inclui Portugal numa parte do Mediterrâneo, juntamente com Espanha, Itália, Grécia, Turquia, Norte de Marrocos.

O IPCC conclui nesta análise que por volta de 2050 a região será afetada por uma combinação de altos impactos climáticos, como aquecimento, temperaturas extremas, aumento da seca e da seca, redução das chuvas, aumento do clima favorável ao fogo, mudanças nos níveis do mar e redução da neve cobertura e velocidade do vento.

O solo será particularmente sensível a grandes secas, secas no território e a ocorrência de incêndios, devido à grande probabilidade de uma subida de temperatura igual ou superior a 2 ° C.

O IPCC também afirma que o nível do mar aumentará em todas as áreas europeias, exceto no Mar Báltico. Como um país costeiro, Portugal será particularmente vulnerável, uma vez que eventos extremos mais frequentes podem resultar em grandes inundações costeiras. Portanto, espera-se que linhas ao longo de praias arenosas sejam traçadas durante o século XXI.

País sensível ao clima
Em 2021, a 13 de maio, Portugal esgotou os recursos naturais disponíveis durante todo o ano, de acordo com relatórios da associação ambiental ZERO, em parceria com a Global Footprint Network. Isso significa que o país convive com empréstimos climáticos há mais de meio ano, com consequências se acumulando em termos de pegada ecológica.

Com base neste relatório do IPCC, ZERO descreveu em pormenor as principais consequências das alterações climáticas em Portugal. Ele enfatiza especialmente a maior exposição à seca, desertificação e ocorrência de incêndios florestais. Devido à grande linha costeira, o país está exposto à erosão nesta linha devido ao aumento do nível médio do mar e ao aumento das tempestades. Essas mudanças também interferem na saúde humana e nas próprias atividades agrícolas. Nesse caso, aumenta a dificuldade de manutenção de sistemas agrícolas mais sensíveis às restrições hídricas ou à produção tradicional, principalmente no sul do país. “Em Portugal, as alterações climáticas devem ser cada vez mais uma prioridade nacional, pois a região do Mediterrâneo (e a sua intersecção com o Atlântico) apresenta-se como um hotspot, ou seja, uma área geográfica de maior sensibilidade aos efeitos nocivos das alterações climáticas”, frisou ZERO.

Aumento de riscos para a saúde
Com um aumento de temperatura de 2 ° C ou mais, os limites críticos para os ecossistemas e humanos serão alcançados. De acordo com a Agência Europeia do Meio Ambiente (EEA), até 2050, as ondas de calor devem causar mais 120.000 mortes por ano na União Europeia e ter custos econômicos de € 150 bilhões se nenhuma nova medida for tomada. Estas ondas de calor extremas afetam principalmente os países do sul da Europa e do Mediterrâneo, onde Portugal também está envolvido. De acordo com a AEA, esta estimativa não se deve apenas a temperaturas mais elevadas, nem à sua frequência mais elevada, mas também a alterações demográficas. Atualmente, cerca de 20% dos cidadãos da UE têm mais de 65 anos e prevê-se que a percentagem aumente para cerca de 30% até 2050.

Mas os riscos à saúde vêm de muitas fontes. Além do calor, o aumento dos incêndios florestais também libera mais partículas insalubres no ar, causando problemas respiratórios. A AEA também aponta que, com invernos mais amenos e verões mais úmidos, alguns insetos transmissores de doenças estão expandindo seu alcance de sobrevivência. Esses insetos podem transmitir doenças como doença de Lyme, dengue e malária para novas áreas onde o clima não era favorável a eles. Também é importante notar o aumento das alergias sazonais devido às variações climáticas. Tudo isso irá expor especialmente os mais ameaçados a um risco aumentado de doença.

Esta projeção não é única. Um estudo recente da revista científica The Lancet Planetary Health analisou o impacto do aumento das temperaturas na mortalidade na Europa, observando que o aumento das temperaturas aqui está acontecendo em um ritmo mais rápido do que em qualquer outro continente nas últimas décadas. A publicação destaca um verão especial de 2003, quando o calor causou mais de 70.000 mortes prematuras na Europa, com o maior excesso de mortalidade relativo ocorrendo na vizinha Espanha. Com um aumento gradual da temperatura, cenários semelhantes são previstos nos próximos anos.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero