Mamografia de câncer de mama – Internacional

O uso generalizado da mamografia na detecção do câncer de mama provoca um debate médico entre os defensores dessa técnica e os críticos que condenam tratamentos que não seriam necessários.

“É absolutamente importante (…) sensibilizar as mulheres sobre a importância de detectar o câncer de mama”, insistiu o ministro da Saúde da França, Olivier Veran, em meados de outubro.

Declarações que seguem a linha traçada pelos órgãos de muitos países desenvolvidos. Na França, por exemplo, mulheres entre 50 e 70 anos são encaminhadas para uma mamografia a cada dois anos (e cerca da metade o faz).

Esta é também a mensagem da campanha anual internacional Outubro Rosa, porque nesta faixa etária aumenta o risco de doenças.

No entanto, algumas equipes médicas relutam em encorajar essa descoberta em massa.

Eles temem especialmente o risco de “sobrediagnóstico” porque uma mamografia pode detectar um tumor que não necessariamente se transforma em câncer de mama.

Mas como isso não é possível saber com antecedência, haverá pacientes que, por precaução, farão um tratamento inútil e poderão até fazer a retirada da mama.

A polêmica teve grande visibilidade em 2010, mas desde então o debate médico pouco avançou.

“Nos últimos anos, não houve elementos para esclarecer o debate”, explica AFP, oncologista britânico Paul Pharoah, que defende uma visão “matizada” em relação a essa técnica.

Para ele, propôs um programa geral de detecção “nem bom nem mau” porque se baseia tanto em “suposições” como em “evidências sólidas”.

O principal obstáculo nessa discussão é se o risco de sobrediagnóstico supera os benefícios que ele traz na redução da mortalidade por esse tipo de câncer.

“Se fosse fácil de saber, todos concordaríamos”, diz a epidemiologista francesa Catherine Hill.

Os estudos são muitos, mas suas conclusões costumam ser muito confusas: alguns indicam risco quase zero de sobrediagnóstico, enquanto outros o classificam em um terço (ou até metade) dos casos.

Para Hill, a maioria dos estudos alarmantes é tendenciosa porque parte de bancos de dados de saúde pública que não vão para a individualização dos casos.

Por exemplo, foi estudada a proporção de câncer de mama na faixa etária de 50 a 70 anos, mas sem distinguir se as pacientes eram de fato reconhecidas.

Isso leva a uma série de imprecisões quando se trata de estudar os efeitos dessa detecção precoce ao longo de vários anos.

O paradoxo é que no período analisado há mulheres que saíram da faixa etária pesquisada. Por esse motivo, esse tipo de análise tende a superestimar o risco de sobrediagnóstico, enquanto estudos baseados em dados individuais (com menor frequência) o colocam em um nível baixo.

“É muito provável que um sobrediagnóstico esteja abaixo de 10% dos casos”, acredita Hill, que lamenta que os céticos desse debate achem alarmantes os resultados mais convincentes, mesmo quando são (a priori) mais críveis.

Mas o epidemiologista não confirma totalmente a promoção da mamografia.

“A técnica é apresentada às mulheres”, especialmente durante o mês de outubro rosa, diz Hill.

“Isso reduz a mortalidade por câncer de mama em 20%, mas a mortalidade por esse câncer não tem sido muito alta desde o início.”

E “20% aos poucos”, insiste.

Segundo Hill, é melhor insistir para que as mulheres reduzam o consumo de álcool, um dos principais fatores de risco para esse câncer.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero