Marcelo Rebelo de Sousa anuncia reapresentação para Belém. “Não vou sair no meio”.

“Minha primeira palavra é para te dizer que Sou candidato à Presidência da República“, disse Marcelo,” porque há uma pandemia a enfrentar e uma crise a superar “.

“Não vou sair no meio de uma caminhada exigente”, prometeu. “Não vou fugir das minhas responsabilidades, não vou trocar o que todos sabemos que serão as adversidades e impopularidades de amanhã pelo conforto pessoal ou familiar de hoje. Porque, como há cinco anos, estou cumprindo um dever de consciência.”

Sobre o momento de anunciar sua decisão, Marcelo explicou que “queria tomar decisões essenciais como presidente e não como candidato” em relação às restrições causadas pela pandemia Covid-19.


“Quem avança para esta eleição é exatamente igual a cinco anos atrás”, garantiu também Marcelo, assumindo-se como um “presidente independente”, que vai desempenhar o papel “com proximidade, com desrespeito, com pluralismo democrático, mas diálogo e convergência no essencial, com um Presidente independente, que não instale, antes estabiliza, que não divide, antes une os portugueses, e que sempre puxa pelo que existe de melhor ”.

Marcelo ressaltou que o país precisa de um presidente “que se estabilize”. Nas suas palavras, está prevista a vontade de continuar o mesmo estilo e programa dos últimos cinco anos, embora a realidade política seja radicalmente diferente da de 2016.

“Sempre procurei fazer o melhor que sabia e podia, a pensar no público e não no interesse pessoal”, disse, num breve balanço dos últimos cinco anos e assumindo-se com orgulho português, universalista, social-democrata, católico e republicano .

“Portugueses, portugueses, a escolha é sua”, desafiou o candidato. “Aguardo humildemente o seu veredicto”.

Marcelo Rebelo de Sousa escolheu a pastelaria Versailles de Belém para fazer o anúncio, transmitido em directo, a partir das 18 horas, na televisão e no YouTube e sem perguntas ou respostas.

Devido às atuais limitações impostas pelo controle da pandemia Covid-19, a declaração foi acompanhada apenas por dois repórteres de imagens de vídeo.

O espaço onde hoje se encontra Versalhes, na esquina da Rua da Junqueira com a Calçada da Ajuda, mesmo ao lado do Palácio de Belém, funcionou como sede de campanha de Marcelo Rebelo de Sousa para as eleições presidenciais de 2016.

Prestes a completar 72 anos, no dia 12 de dezembro, Marcelo Rebelo de Sousa foi eleito Presidente da República em primeiro turno nas eleições de 24 de janeiro de 2016, com 52 por cento dos votos expressos.

Para essas novas eleições, Marcelo, que ficou conhecido como “presidente do afeto”, lidera todas as pesquisas com ampla margem.

O que se segue

Em 24 de novembro, o Presidente da República marcou as eleições presidenciais para 24 de janeiro de 2021.

Os candidatos à Presidência devem, portanto, ser apresentados formalmente ao Tribunal Constitucional o mais tardar 30 dias antes das eleições, 24 de dezembro, propostos por um mínimo de 7.500 e um máximo de 15.000 eleitores, e a campanha eleitoral decorrerá de 10 a 22 de janeiro.

Abaixo da lei, se nenhum dos candidatos obtiver mais da metade dos votos validamente expressos, excluídos os votos em branco, haverá um segundo sufrágio, 21 dias após o primeiro, entre os dois candidatos mais votados – no caso, será no dia 14 de fevereiro.


O próximo Presidente da República tomará posse perante a Assembleia da República a 9 de março de 2021, último dia do atual quinquênio de Marcelo Rebelo de Sousa.

Pressões

Professor titular de direito aposentado, ex-presidente do PSD e comentarista político da televisão, assumiu a liderança do Estado em 9 de março de 2016.

Semana Anterior, a par de uma cerimónia comemorativa do dia 1 de Dezembro, Marcelo Rebelo de Sousa declarou aos jornalistas ter recebido “pressões diversas, de natureza diversa, e nas últimas semanas até quem manda assinaturas, recolhe assinaturas, manda cartas ”, para se candidatarem.

“Mas a decisão é minha. A decisão obedece a um objectivo: é aguardar um momento em que ainda devo intervir como Presidente da República no quadro do estado de emergência, só depois é que sinto que devo tomar a decisão e comunicá-la aos portugueses , “ele adicionou.

No dia 26 de setembro deste ano, o Conselho Nacional do PSD aprovou uma moção de apoio à possível reeleição presidencial de Marcelo Rebelo de Sousa, proposta pela direção do partido, com 87% dos votos a favor.

Por sua vez, o PS decidiu que a orientação para as eleições presidenciais será a liberdade de voto, sem indicação de candidato preferencial.

No entanto, a moção aprovada a 7 de novembro pela Comissão Nacional do PS, órgão máximo entre os Congressos, faz referência a uma “avaliação positiva” do mandato do atual Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa, embora também se congratule com a candidatura de socialista Ana Gomes.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero