Turno Zero

Notícias Completas mundo

Marco Aurélio nega recurso da Câmara contra a busca no escritório de Paulinho da Força – 29.07.2020. – Poder

Marco Aurélio nega recurso da Câmara contra a busca no escritório de Paulinho da Força – 29.07.2020. – Poder

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Marco Aurélio Mello, negou nesta quarta-feira (29) um pedido da Câmara dos Deputados para anular a busca realizada no gabinete do deputado Paul Pereira da Silva (SD-SP), Paulinho da Força, no dia 14 de julho.

A ação policial foi aprovada pelo Tribunal Eleitoral de São Paulo. O painel apelou porque percebeu que o juiz de primeira instância não tinha autoridade para determinar ações policiais nos escritórios de parlamentares federais, exigindo a aprovação do Supremo Tribunal Federal.

Para o ministro, as audiências contra Paulinho da Força não estão vinculadas ao mandato atual e, portanto, estão fora do escopo do fórum especial ao qual ele tem direito.

O debate sobre a prerrogativa especial dada pela Constituição aos parlamentares foi re-discutido após as recentes operações da polícia federal contra os deputados Paulinho da Força e Reyana Dias (PT-PI) e contra o senador José Serra (PSDB).

No caso Paulinho, o ministro se opôs aos argumentos do Conselho de Governadores da Câmara e argumentou que o Supremo Tribunal não tinha o papel de garante das decisões de primeira instância.

Mello mencionou o julgamento do STF de 2018 que deu uma nova interpretação da Constituição no fórum. Foi então que os ministros perceberam que o instituto jurídico pressupunha um crime cometido durante seu mandato, o que não é o caso da investigação destinada ao presidente nacional do Solidariedade.

“Ou você é competente para agir no processo, pratica atos que julga apropriados ou não os pratica”, disse o ministro.

.js">

“Não é apropriado considerar a existência de uma terceira opção na qual isso afeta a determinação nos procedimentos da jurisdição do tribunal de origem, dando ao Supremo Tribunal um papel de incentivo”.

Na semana passada, a pedido do Senado, o presidente do STF, Dias Toffoli, teve um entendimento diferente e suspendeu a execução de um mandado de busca no escritório de Serra, investigado na primeira instância do Tribunal Eleitoral de São Paulo por suposta estrutura de 2014 2.

O Conselho Diretor do Senado, liderado por Davy Alcolumbre (DEM-AP), argumentou que uma busca por informações relacionadas a eventos passados ​​causaria divulgação ilegal de dados relacionados ao termo atual.

A discussão da decisão de Dias Toffoli dividiu o STF, como mostra FolhaAlguns ministros apoiaram a determinação do presidente do tribunal.

Membros do PGR (Ministério Público do Estado) também avaliaram a ordem de Toffoli como bem fundamentada.

Em um despacho sobre Paulinho da Forço, Mello reproduziu o entendimento da ministra Rosa Weber, que confirmou uma operação policial no gabinete do deputado Rejane Dias, do PT, segundo o qual o local de busca não é o que determina o fórum, mas o que ele investigou.

Paulinho da Força é explorado na chamada Eleição Lava Jato.

O deputado é acusado de receber doações eleitorais que não contam nas eleições de 2010 e 2012, no valor de US $ 1,7 milhão.

Mandados de busca e apreensão foram realizados em Brasília e São Paulo, incluindo um escritório na Câmara, um apartamento funcional em Brasília e a sede da Força Sindical na capital do país.

Daiana Juli

"Típico viciado em internet. Empreendedor. Leitor. Amante da web. Pensador. Futuro ídolo adolescente. Estudioso de Bacon. Aficionado por música."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Netflix revela imagens anteriores de Shark Stone com Sharon Stone
Previous Post Netflix revela imagens anteriores de Shark Stone com Sharon Stone
O WhatsApp faz um novo teste com mensagens que são automaticamente excluídas – 29.07.2020
Next Post O WhatsApp faz um novo teste com mensagens que são automaticamente excluídas – 29.07.2020