Janeiro 17, 2021

Turno Zero

Notícias Completas mundo

“Maria” tem 17 anos e está infectada simultaneamente com duas estirpes de SARS-CoV-2 | Coronavírus

Uma equipa de cientistas e médicos que analisou um caso raro de uma rapariga portuguesa de 17 anos infectada com duas estirpes do SARS-CoV-2 ao mesmo tempo não sabe classificar esta situação sem precedentes. “Pode ser reinfecção, infecção excessiva ou coinfecção”, diz a especialista em doenças infecciosas Margarida Tavares do Hospital de S. João, no Porto. Ele foi vítima de duas infecções ao mesmo tempo ou uma após a outra, o paciente foi infectado duas vezes por duas cepas diferentes coronavírus recente. “Em qualquer caso, a coinfecção ou reinfecção – dada a possibilidade de que a imunidade desencadeada por uma determinada cepa de SARS-CoV-2 não protege contra outra cepa, mas pode levar a um padrão de doença mais grave – é extremamente importante na saúde pública”, concluíram os pesquisadores. Investigação e Inovação em Saúde (I3S) da Universidade do Porto na pré-publicação de um artigo publicado na plataforma medRxiv.

Os médicos do Hospital de S. João trataram uma jovem com a sua primeira infecção e viram-na regressar ao hospital ainda doente, que suspeitaram que o caso pudesse ser invulgar. Eles estavam certos. Raro será o caso de um adolescente de 17 anos da região do Porto que foi tratado num hospital do Porto. Por enquanto, o caso estudado pela equipe de pesquisa do I3S é um caso único na literatura científica. As conclusões da análise e do sequenciamento do vírus (neste caso, duas cepas de cepas diferentes) são descritas em um artigo que está sendo revisado para publicação, mas já está na plataforma medRxiv.

Já existem vários casos relatados de suspeitos Reinfecção com SARS-CoV-2 em todo o mundo. No entanto, existem muito menos que são comprovados molecularmente. Ou seja, entre as muitas suspeitas, poucos são os casos confirmados com sequenciamento genético vírus, que é a única maneira de provar que uma determinada pessoa está infectada com o mesmo vírus (embora de cepas diferentes) em dois momentos diferentes. Dessa pequena amostra, todos os conhecidos do público relatam situações em que um paciente está infectado, se recuperou e será reinfectado. Entre outras áreas de trabalho, pesquisadores do I3S também têm casos desses casos, mesmo os relativamente recentes.

No entanto, o caso estudado pela I3S e relatado na pré-publicação publicada difere de todos os outros casos de reinfecção relatados até agora. O paciente, um adolescente de 17 anos que vivia no norte do país, ficou infectado (com resultado positivo) por 97 dias e a certa altura as duas cepas estavam presentes no corpo, com uma infecção em desenvolvimento e uma cepa que inicialmente estava menos presente. tornou-se dominante e substituiu o outro.

Amostras nasofaríngeas de um paciente de 17 anos com resultados negativos para SARS-CoV-2 (núcleo da célula vermelha)
I3S

O caso já se arrasta há vários meses, mas só agora é conhecido. Mary, vamos chamá-la assim, foi infectada com SARS-CoV-2 no início da pandemia. Em março, a adolescente chega ao Hospital de S. João e imediatamente chama a atenção de um médico, por se tratar de uma jovem saudável e portadora de uma forma grave da doença. Não era incomum que uma menina de 17 anos, saudável, sem comorbidades, necessitasse de cuidados intensivos.

Mas havia outras peculiaridades. Cerca de dois meses após o diagnóstico da infecção e já em fase de recuperação, a jovem “repetiu os sintomas”, recorda a Dra. Margarida Tavares em declarações ao PÚBLICO. “No momento em que isso aconteceu, era necessário ter dois exames negativos para ser considerada recuperada e, como não havia acontecido até então, ficou em nosso aconselhamento”, acrescenta o infectologista. O artigo afirma que o paciente realizou um total de 19 testes de PCR.

Portanto, novamente com sintomas, embora mais leves do que os que tinha no início da infecção, Maria reaparece no hospital com certas dificuldades respiratórias e um “pico de febre”. Porém, desta vez os sintomas foram mais brandos, passaram rapidamente e o paciente “se recuperou muito bem”. No entanto, se ele já havia chamado a atenção do médico, com essa inesperada recaída dos sintomas após algum tempo assintomático, o interesse pelo seu caso aumentou e as amostras foram recolhidas para análise.

“Naquela época, já havíamos começado a estudar pessoas que tinham um curso mais longo da doença, então estudamos essa paciente em vários níveis, para verificar se ela estava produzindo anticorpos, se ela obviamente tinha imunidade celular normal, entre outras coisas. Sempre continuamos a seguir essa jovem porque ela nunca foi negativa ”, diz o médico.

Além de ser até agora o único caso conhecido de um paciente infectado com duas cepas ao mesmo tempo, o caso de “Maria” também é de particular importância porque envolve uma série de estudos genéticos amostras. Entre outras coisas, os resultados das análises realizadas mostram que em determinado momento o adolescente tinha uma determinada cepa do vírus, nove dias depois apareceu outra cepa do mesmo vírus, mas com frequência reduzida (pouco presente), e dois meses depois outra cepa era dominante e totalmente substituída o primeiro.

Quando Mary apareceu com uma recorrência dos sintomas, os médicos levantaram a possibilidade de reinfecção. Porém, o adolescente estava sempre preso, isolado de casa. Outra hipótese levantada era que a recorrência dos sintomas fosse causada por um “novo despertar” do mesmo vírus que havia causado a doença. “Não sabíamos o que estava acontecendo. Fomos sequenciar as amostras utilizadas para os testes de PCR e realmente encontramos essas duas cepas ”, diz Margarida Tavares.

.js">

“Ambos estiveram lá desde o início”?

Mesmo após os resultados do sequenciamento genético, o médico revela que ainda não há certeza absoluta sobre o que aconteceu ou sobre os detalhes dos mecanismos por trás desse caso. O leque de possibilidades é amplo: “Aqui podemos ter coinfecção ou superinfecção ou reinfecção. Veja: aqui temos alguém que adquiriu várias cepas do vírus ao mesmo tempo, então temos a coinfecção, podemos ter o primeiro vírus e, em seguida, obter imediatamente um novo vírus em cima desse vírus, e então temos uma infecção. Ou a gente tem o que se fala muito na literatura e são casos que a gente sabe agora que são reinfecções, ou seja, um paciente que está infectado, se recupera e depois se infecta novamente. “

Amostras nasofaríngeas de um paciente com resultados positivos que serviram como controle em um estudo de um paciente de 17 anos (verdes, anticorpos contra a proteína viral do pico e núcleo de hemácias)
I3S

As análises comprovam que duas cepas do vírus estavam presentes na época. No entanto, muitas dúvidas permanecem. Por exemplo, não se sabe se Mary produziu anticorpos no início da infecção. “Não temos nenhum teste sorológico, isso foi cedo e não havia nenhum teste sorológico”, diz Margarida Tavares. Há muito que permanece em aberto. “Podemos até admitir que esse vírus se espalhou porque não conseguia produzir anticorpos, não sabemos. Só sabemos que ela tinha anticorpos logo após a recorrência dos sintomas. Já vimos naquela época ”, explica. E em outubro, nos últimos exames realizados, Maria ainda tinha anticorpos no corpo.

“Pode-se supor que o episódio que levou à segunda internação corresponda ao momento em que a cepa 20B se tornou dominante. Infelizmente, não temos amostras desse período que nos permitam confirmar essa especulação. O fato é que a carga viral foi maior (10-25 vezes) nas amostras após esse episódio em comparação com a data da primeira alta “, diz o artigo no medRxiv, que conclui que,” porém, nenhuma evidência foi encontrada em vitro que indicam que o paciente era contagioso na época ”.

Margarida Tavares lembra ainda que circulam entre nós duas estirpes do vírus que infectou um adolescente e, portanto, se os anticorpos de uma estirpe não servissem à outra, teríamos um número muito superior de reinfecções. Então, o que aconteceu com Mary? “Nossa hipótese é que os dois vírus estão aí desde o início. Ambos foram adquiridos no início ou muito cedo um após o outro ”, disse Margarida Tavares, que faz notar que a análise das amostras do primeiro teste de PCR mostra já a presença de dois vírus, embora um ainda estivesse muito pouco presente e depois se tornasse dominante.

Resta saber o que significa essa coinfecção ou superinfecção e se haverá mais pessoas com a mesma história de Maria. “Não sabemos. O que propomos como hipótese de pesquisa é que a presença desses dois vírus tão no início do curso da infecção pode ter causado uma apresentação mais grave da doença, poderia explicar a recorrência dos sintomas e causado uma expressão tão longa do vírus que causou testes positivos permanentes.” O artigo diz: “Todas as evidências parecem indicar que a coinfecção precoce com duas cepas de SARS-CoV-2 foi a causa da doença grave mostrada por esta jovem saudável.”

Impacto na vacina?

Não há resposta quanto ao possível impacto que essa possibilidade de superinfecção ou coinfecção pode ter na eficácia da vacina. A vacina pode levar à produção de anticorpos que nos protegem da infecção por algumas cepas do vírus e outras nem tanto. “Por exemplo, agora está sendo debatido se essa nova variante inglesa afetará a vacina. Diz-se que não, mas na verdade ainda não sabemos, não sabemos até que ponto essas mutações no vírus eles produzem uma proteína que é reconhecida de forma diferente pelos anticorpos que a vacina induz ”, diz Margarida Tavares.

Luísa Pereira também é muito cautelosa e parece ainda menos otimista. “Porque. O que precisávamos agora era de esperança, não é?”, Diz a geneticista do I3S, sem esconder a ansiedade. relatado num artigo sobre esta dupla infecção de um adolescente português o suficiente para “levantar algumas preocupações” sobre a eficácia da vacina. ”Este caso reforça que é realmente urgente continuar a estudar estas situações específicas porque existem factores que ainda não conseguimos compreender devido à elevada heterogeneidade de sintomas e manifestações da doença. “Na verdade, é uma doença muito complexa”, disse ele.

Como mutações que SARS-CoV-2 tinha eles ainda não terão nada de novo e muitos deles não terão impacto na eficácia da vacina. Outros podem ter, mas a vacina também pode ser adaptada, de acordo com os responsáveis ​​pelo desenvolvimento e produção dessa defesa. Na verdade, dentro do corpo de uma pessoa infectada, algumas mutações de vírus. Porém, as variações que podem ser detectadas em um indivíduo não são suficientes para levar em conta que se trata de duas cepas de duas cepas diferentes do vírus, explica o pesquisador do I3S. Maria tinha duas cepas muito diferentes, separadas por muitas mutações, ou seja, uma infecção longa e dois vírus.

O geneticista diz ainda ao PÚBLICO que, além dos testes realizados em amostras de adolescentes, uma equipa de cientistas utilizou uma base de dados genética internacional que já conseguiu identificar algumas variantes genéticas na população que podem estar associadas a uma maior susceptibilidade à infecção SARS-CoV-2 e à grave doença cobiçada. -19. Os dados foram também comparados com uma amostra de 200 indivíduos da população portuguesa, e concluiu-se que o adolescente “não tem risco genético aumentado de ser suscetível ao covid-19”. “Portanto, é mais provável que a infecção concomitante tenha contribuído para a gravidade e o prolongamento da doença”, afirma Luísa Pereira. O caso de Maria pode ser um caso isolado, mas pode não ser.

A boa notícia é que um adolescente português que há três longos meses atravessa esta situação sem precedentes com testes positivos está a passar bem. “Está bom hoje. Perfeitamente assintomático e sem consequências. Recuperação Todo [de volta à condição anterior]”Afirma Margarida Tavares.