Turno Zero

Notícias Completas mundo

“Meu irmão não é um incômodo”, diz a irmã de um homem morto pela polícia em Botucato durante uma noite de terror – 31/07/2020. – Vida cotidiana

“Meu irmão não é um incômodo”, diz a irmã de um homem morto pela polícia em Botucato durante uma noite de terror – 31/07/2020. – Vida cotidiana

A enfermeira Vânia Almeida, irmã de um homem morto em um suposto confronto com a polícia durante um dos mais violentos atos criminosos ocorridos em solo paulistano, em Botucato, a 238 km de São Paulo, afirma ser desabrigada e não possuía. um relacionamento com uma gangue que causou pânico na cidade.

“Ele queria ir às ruas há um mês. Fizemos tudo o que podíamos para levá-lo para casa, mas ele disse isso.” [na rua] ela também se inscreveu para ser conhecida por escrever música ”, escreveu ela nas mídias sociais.

Questionada sobre o suposto erro policial, a Secretaria de Estado de Segurança Pública de São Paulo se limitou a dizer “, observa que” todas as fatalidades da intervenção policial, identificadas no próprio portfólio, estão sendo investigadas por delegacias especializadas, Corregidorias e reportadas ao ministério público.

.js">
Após o assalto à agência do Banco do Brasil, que começou na noite de quarta-feira (29) e continuou na manhã de quinta-feira (30), praticamente todos os criminosos conseguiram escapar tirando dinheiro do roubo. Um deles, segundo a polícia, foi baleado e morto durante um dos confrontos, logo após deixar um dos carros usados ​​na fuga.

No entanto, a irmã morta afirma que ele não estava armado, não sabia dirigir e disse à família que ele tinha liberdade na rua, então ele não voltou para casa.

Na madrugada de quinta-feira, Vânia foi uma das botucatuenses que postou nas redes sociais notícias de horas de terror pelas quais todos viviam. “Botucatu entrou em pânico com os criminosos hoje de manhã”, escreveu ela, usando as hashtags #OrePorBotucatu e #OrePelosPoliciais.

Ivan Almeida, conhecido como MC Sapequinha, tinha 27 anos e morava sob um viaduto na rodovia Marechal Rondon, perto de onde a polícia diz que o confronto ocorreu.

Em entrevista ao Read Notícias, de Botucatu, o advogado Luís Carlos Medina, que representa a família, reafirmou a versão que Ivan deixou em casa para viver sob o viaduto e não teve nada a ver com o mega-ataque. Ele já foi preso por roubo.

Outros moradores de Botucatu também comentaram a morte de Ivan e apontaram o suposto erro da polícia. Um deles, Wesley Soares, disse que falou com os sem-teto na semana passada, quando disse que morava em um viaduto e pediu uma camiseta porque estava com frio. Eu também pediria para ser fotografado.

“Deveríamos ter lembrado dele quando ele conseguiu”, disse Wesley.

Daiana Juli

"Típico viciado em internet. Empreendedor. Leitor. Amante da web. Pensador. Futuro ídolo adolescente. Estudioso de Bacon. Aficionado por música."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Terror em quarentena: ‘Host’ leva amigos à videoconferência demoníaca 31.07.2020
Previous Post Terror em quarentena: ‘Host’ leva amigos à videoconferência demoníaca 31.07.2020
Trump planeja impor a venda da operação americana TikTok em 31 de julho de 2020
Next Post Trump planeja impor a venda da operação americana TikTok em 31 de julho de 2020