Montepio. Vítor Melícias sai de cena



Quase 40 anos depois, Vítor Melícias deixará de ocupar qualquer cargo de liderança na Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG), que será votada no dia 17 de dezembro. Ingressou na Mutualista em 1983, em uma fase de estabilização depois que a instituição estava prestes a entrar na onda de nacionalizações de bancos no período pós-revolução e continua no cargo até hoje. Mas pela primeira vez não entra nas listas nem da administração nem do conselho fiscal – nomes que já estão a ser avaliados pela Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF).

«Não posso ficar no Montepio para sempre. O fato de não se candidatar a mim representa simplesmente o desejo de que haja renovação, de que haja um espírito de instituição. Não posso ficar no cargo para sempre. Não faz sentido. Não se candidatar é um ato positivo de colaboração com a instituição, de apoio à renovação, à vida eterna da instituição », conta ao Nascer do SOL.

O padre franciscano recorda ainda que foi um dos principais impulsionadores da limitação de mandatos e, em relação à remuneração que ainda ganha, diz que só recebe por meio de cheques de presença – algumas centenas de euros – desde as demais funções que atualmente atua para o Mutualista não são remunerados. «Não recebo qualquer remuneração do Montepio há 18 anos. Tenho pensão e tudo o que recebo vai para os franciscanos ».

Em entrevista a i, já referia que recebia três tipos de pensões: uma da Segurança Social, outra do Montepio – que deduziu na qualidade de inscrito – e outra a que se chama pensão estatutária do Montepio, destinada a quem estão lá há mais de cinco anos. em exercício. «Tudo junto deve render, no máximo, 3.900, 4.000 euros. E dessa conta, automaticamente, sem passar pela minha mão, 3.000 euros vão para os frades. Restam 900 para gerir a minha vida, para ajudar os pobres », disse ele a i.

Uma garantia dada novamente ao Sunrise ao referir que os franciscanos vivem “com a maior simplicidade, sem luxos”.

Mesmo assim, Melícias não descarta a possibilidade de avançar com o seu nome à Assembleia Geral ou à Assembleia de Representantes. “Ainda não existe uma lista para esses cargos. Se me convencerem que devo ir porque seria favorável, provavelmente não posso dizer não ”. E deixa uma garantia: «Não quero mesmo ir, mas o meu sentido de solidariedade para com a instituição pode ‘obrigar-me’ a fazê-lo».

E, apesar de não estar em nenhuma das listas, reconhece que seu nome dá credibilidade. E diz que sua ausência não significa que não continue apoiando o projeto. «Precisamos dar paz de espírito. É uma instituição com 200 anos que cresceu, é forte, está organizada, com 600 e mil membros ». Ele admite, porém, que, nos últimos anos, e principalmente com a pandemia, os números têm oscilado. «Uns entram e outros saem. Não é insignificante nem preocupante ».

Contagem regressiva

Ao lado de Virgílio Lima – que apresenta a lista de continuidade e tem nomes como Idália Serrão, João Carvalho das Neves, Rui Heitor e Fernando Amaro, Alípio Dia e Luís Patrão – estão outras três listas concorrentes.

Um deles é a chamada ‘Lista de Quadros’, liderada por Pedro Alves, que assumiu a candidatura após João Vicente Ribeiro ter pedido a saída “por motivos pessoais” – composta por Maria Eduarda Osório, Nuno Paramés e Pedro Líbano Monteiro.

Eugénio Rosa, juntamente com Ana Drago, António Couto Lopes, Catarina Homem, Luís Costa e Tiago Mota Saraiva, concorrem à liderança da Mutualista, enquanto a outra lista, apoiada por Ribeiro Mendes – que concorreu nas últimas eleições frente a Tomás Correia – conta com Pedro Corte Real (presidente), Miguel Coelho, Mário Valadas, Nazaré Ribeiro, Nuno Rolo, Marcelo Gama e Ana Nogueira.

A Nascer do SOL sabe que, aproveitando as práticas pré-eleitorais de Tomás Correia, Virgílio Lima tem viajado pelo país de ponta a ponta, visitando balcões do Banco Montepio. Esta operação de ‘charme’ começou em julho e só fez uma pausa durante o mês de agosto. Recentemente, foram visitadas balcões em Braga, Porto e Aveiro. O nosso jornal apurou que estas visitas foram efectuadas a pretexto de ser presidente da Associação Mutualista e que tinham como objectivo fazer um inquérito aos trabalhadores para saber como anda a relação com os clientes e associados.

Apesar desta ronda, a Comissão Executiva emitiu nota aos trabalhadores sobre os riscos de conflitos de interesses decorrentes das eleições: «O processo eleitoral para os órgãos associativos do Montepio Geral Associação Mutualista está muito próximo, um acontecimento importante na vida daquela instituição . A Caixa Económica Montepio Geral (‘Banco Montepio’) mantém uma posição de neutralidade e absoluta independência relativamente a este processo, na convicção de que esta é a melhor forma de contribuir para a defesa dos interesses do MGAM e dos seus associados », afirma o documento.

E lembra aos trabalhadores as regras: «Devem abster-se, no exercício da sua actividade profissional, de tomar posições sobre quaisquer candidaturas que se encontrem em estudo, independentemente dos meios utilizados para contactar clientes e associados do MGAM; Não podem ser realizadas iniciativas de campanha no âmbito do processo eleitoral do MGAM nas instalações do Banco Montepio; Devem informar imediatamente o conselho de administração quando fizerem parte de lista de candidatura; quaisquer intervenções ou comunicações públicas relativas ao processo eleitoral, que sejam admissíveis no quadro legal em vigor, só podem ser feitas a título pessoal, a qual deve ser devidamente averiguada, não podendo representar ou vincular o Banco Montepio ”, acrescentando que“ a Violação das referidas obrigações é susceptível de constituir infracção disciplinar, ficando assim proibidos os seguintes comportamentos: a utilização das instalações e meios do Banco Montepio, nomeadamente e-mail, telefone, acesso à Internet e tecnologias semelhantes, para troca ou divulgação de mensagens de suporte a candidato ou uma lista; utilização dos meios que o Banco Montepio tem disponibilizado para o exercício das suas funções, para assistir a ações de campanha, para obter votos ou para promover lista ou candidato (ex .: viaturas e telemóveis) ».

A comissão executiva do Banco Montepio deu ainda início a um programa de descentralização das suas reuniões, com início em Guimarães, onde esteve na passada quarta-feira. Recorde-se que a atual gestão do Banco Montepio tem o seu mandato a terminar a 31 de dezembro, o que significa que a escolha da nova equipa de gestão do banco será uma das primeiras atribuições da nova administração da Associação Mutualista.

Contas de 2020 aprovadas

Ainda esta quinta-feira, os resultados financeiros consolidados do grupo Montepio Geral, no ano de 2020, foram aprovados por 97,28% dos votos a favor, em assembleia geral ordinária. “Num ano marcado pelo forte impacto negativo que a pandemia teve em todo o sector financeiro nacional, europeu e mundial, a área financeira do Grupo Montepio não foi excepção, tendo registado um conjunto de acontecimentos extraordinários que penalizaram os resultados operacionais do Banco Montepio Geral (- Sem esta realidade absolutamente excepcional, as contas consolidadas seriam positivas em 65 milhões », revelou, em comunicado.

Segundo Virgílio Lima, as contas foram aprovadas “depois de os associados terem sido cabalmente informados sobre o desempenho muito positivo registado já em 2021, com crescimento do número de associados, margem financeira, resultados e indicadores de eficiência”, acrescentando que «os não a área financeira vive um ciclo positivo e ascendente e a área financeira garante desempenhos que confirmam uma clara recuperação ». E deixou uma garantia: «Ninguém se orgulha de resultados negativos, mas o caminho de recuperação que o Grupo Montepio já está a percorrer nesta data e o desempenho de todos os nossos colaboradores em 2020 e 2021, num quadro de reestruturações, preenche-nos com orgulho. a nível de grupo, ao nível da simplificação do número de viaturas, adequando o número de balcões e equipas de trabalho, sempre de forma voluntária. Por tudo isso, enfrentamos o presente e o futuro com determinação, serenidade e confiança ».

Números que não convencem as listas opostas. O grupo de executivos afirma que as contas “revelam incapacidade de valorizar a Instituição”, considerando que é “possível reverter o curso da contínua desvalorização dos ativos”. A lista chefiada por Eugénio Rosa critica também as perdas, considerando que é “altura de tentar concretizar as boas contas e as boas práticas que os sócios merecem e que esperam há tanto tempo”.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero