Novembro 25, 2020

Turno Zero

Notícias Completas mundo

Números da Euromilhões

O PCP pretende criar uma contribuição extraordinária ao sector segurador, a vigorar em 2021, para o financiamento da Saúde, de acordo com uma das propostas de alteração do Orçamento do Estado que hoje entraram na Assembleia da República.

“É criada uma contribuição extraordinária no sector segurador, com efeitos a partir de 2021, com o objectivo de reforçar os mecanismos de financiamento do serviço nacional de saúde”, pode ler-se na proposta do PCP para o Orçamento do Estado 2021 (OE2021) que hoje entrou na Assembleia da República .

De acordo com o modelo sugerido pelo PCP para a contribuição, esta deve incidir “na diferença entre os encargos decorrentes de sinistros avisados ​​em 2020 e os decorrentes de sinistros avisados ​​em 2019”, com alíquota aplicável entre 10% a 15% neste incidência.

De acordo com a proposta do PCP, a contribuição sugerida “não é considerada encargo dedutível para efeitos da determinação do lucro tributável no IRC, mesmo quando contabilizado como despesa do exercício”.

A contribuição também “não pode se refletir nas margens obtidas pelos intermediários de seguros ou nos preços suportados pelos consumidores”, defendem os comunistas.

Na nota justificativa da proposta, a parte de Jerónimo de Sousa afirma que devido ao confinamento e à redução da actividade económica, “o número de sinistros diminuiu substancialmente, o que tem conduzido a uma redução dos custos para as seguradoras, enquanto os prémios de os seguros pagos pelos consumidores permaneceram inalterados ”.

.js">

O PCP apresenta dados da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) para o primeiro semestre do ano, que mostram que entre junho de 2019 e junho de 2020 “o rácio ‘Custos com Sinistros / Prémios Brutos Emitidos’ diminuiu 9 pontos percentuais (de 78,6% para 69,9%) na área de acidentes de trabalho; reduziu 5 pontos percentuais (de 65,7% para 60,7%) no ramo da doença; 9,5 pontos percentuais (de 71,5% para 62%) na indústria automobilística ”.

“Os custos com sinistros no negócio automóvel diminuíram cerca de 64 milhões de euros (9,6%); na forma de sinistros de trabalho cerca de 24 milhões de euros (6,5%) ”, e“ os custos com sinistros no ramo Vida Sem Ligação (excluindo PPR’s) foram reduzidos em mais de 600 milhões de euros (64%) ”, refere ainda o PCP.

O partido lembra que “em resposta à situação de pandemia, não é raro criar este tipo de contribuições extraordinárias sobre um setor que manteve as receitas, mas viu os seus custos diminuir”.

“Não há nada que justifique que, perante uma crise económica e social como a que vivemos, o aumento dos lucros deste sector permaneça intocado”, defendem os comunistas.

Hoje é o último dia para os partidos apresentarem emendas ao OE2021, sendo que até ao momento são mais de 1.500 propostas, segundo o site da Assembleia da República.

A votação final global para OE2021 está marcada para o dia 26.