O ciclone de bombeamento danifica 70% da superfície da planta no SC; o prejuízo ultrapassa R $ 2 milhões

Uma fábrica de produtos domésticos foi atingida nesta terça-feira (30) por uma bomba de ciclone no Rio do Sul (SC), a 188 quilômetros de Florianópolis. Sete armazéns foram danificados e cerca de 70% da estrutura da empresa foi danificada. O gerente de exportação Daniel Stolf estima uma perda de cerca de US $ 2 milhões.

“Entre 800.000 e 1 milhão de Rs serão usados ​​para reparar o armazém. Alguns estão seriamente danificados e outros muito pouco”, diz Stolf, o sobrenome que ele dá à empresa.

O restante do valor deve ser usado para renovar a rede de painéis solares, que forneceu quase toda a energia para a empresa. Em operação desde o final do ano passado, o sistema custou US $ 1,8 milhão. Estima-se que o ciclone tenha danificado ou destruído 60% das placas. Além disso, algumas máquinas quebraram e precisarão ser reparadas ou substituídas. E parte das ações da empresa terminou umedecendo e também perdeu.

No momento da tempestade, cerca de 140 funcionários estavam trabalhando no canteiro de obras e tiveram que encontrar um local seguro. Mas os dois ficaram feridos, tiveram pequenos arranhões e foram transportados para o hospital. Após receberem atendimento, foram liberados e possuem atestado médico.

Stolf diz que estava na parte administrativa da empresa quando o ciclone começou. Os ladrilhos começaram a voar e os funcionários correram em direção ao corredor, considerado o “lugar mais seguro”, de acordo com o plano de fuga da empresa. “Acabamos de ouvir um ruído metálico uivante. Eu não sabia o que estava acontecendo lá fora. Foi muito assustador.”

A tempestade durou três minutos, mas pareceu uma eternidade para os funcionários. Eles então saíram para verificar os danos e foram surpreendidos pelos danos. “Havia muitos detritos espalhados por todos os lados”, diz o gerente de exportação. Segundo a administração da empresa, estima-se que a fábrica retorne à operação completa somente em 90 dias, devido a danos causados ​​pelo ciclone.

Stolf produz churrasco, colheres de pau e outros produtos de madeira. Além disso, há uma linha de produtos metalizados, como prateleiras para pratos.

Prefeitura trará uma situação de emergência

Devido aos danos na cidade, a cidade anunciou que traria uma situação de emergência na cidade. Ainda não há data para o encaminhamento do regulamento. No município, 53 casas estavam intactas pelo ciclone e, portanto, a Proteção Civil começou a distribuir lixo. Duas pessoas ficaram feridas enquanto reparavam e reparavam telhados danificados.

Segundo o prefeito José Eduardo Rothbarth Thome, as equipes estão trabalhando em um grupo de trabalho para remover galhos, placas e outros objetos carregados pela tempestade nas ruas. “O dano foi muito grande. Tivemos muitos problemas pela cidade. Ainda estamos trabalhando na restauração da eletricidade e temos bairros com problemas de energia”, afirmou.

Um total de 140 famílias receberam lona para cobrir casas não saudáveis. Além disso, dois homens ficaram gravemente feridos em empresas da cidade – exceto dois de Stolf – e um ainda está hospitalizado após sofrer traumatismo craniano.

“Tivemos danos materiais aqui, danos ambientais e humanos. As pessoas foram hospitalizadas devido à queda de barreiras, queda de paredes da empresa, o que nos trouxe muitos inconvenientes e preocupações com a vida humana, que é certamente a questão mais importante”, afirmou. o prefeito, que deve assinar um decreto de emergência amanhã.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero