O governo anunciou uma parceria que prevê o desenvolvimento de 100 milhões de vacinas para o Covid-19 – 27.06.2020. – equilíbrio e saúde

O Ministério da Saúde anunciou neste sábado (27) uma parceria com a empresa farmacêutica britânica AstraZeneca e com a Universidade de Oxford, no Reino Unido, no desenvolvimento e produção de uma vacina contra o Covid-19. Inicialmente, são esperadas 30,4 milhões de doses.

Nesta fase inicial, haverá duas séries de entradas e transferências de tecnologia: uma em dezembro de 2020 e a outra em janeiro de 2021.

O governo reconhece que vacina ainda não é considerado seguro ou eficaz, mas participará de seu desenvolvimento.

Se a segurança e eficácia da vacina forem comprovadas, o Brasil deverá produzir 70 milhões de doses adicionais.

Com 100 milhões de doses, esperadas se a parceria continuar, seria possível vacinar quase metade do Brasil.

O custo da fase inicial, segundo o governo, é de US $ 127 milhões (R $ 695 milhões), incluindo o custo do processo de transferência e produção de tecnologia para a Fiocruz, estimado em US $ 30 milhões (US $ 165 milhões). grupo de risco para novo coronavírus terá prioridade para a vacinação nesta fase.

Na segunda fase, de 70 milhões de doses, o custo estimado é de US $ 2,30 por dose. Nesse sentido, o Brasil deverá gastar US $ 161 milhões. O governo enviou uma carta de intenção para participar de um consórcio internacional destinado a desenvolver e distribuir a vacina em potencial.

Em conclusão, no entanto, o acordo depende do processo legal entre a Fiocruz e a AstraZenec.

A idéia do governo é adquirir a tecnologia de produção de vacinas desenvolvida por Oxford, mesmo sem resultados clínicos finais na prevenção do novo coronavírus.

“O governo federal acredita que esse risco de pesquisa e produção é necessário devido à urgência de buscar uma solução eficaz para manter a saúde pública e a segurança para um crescimento contínuo no Brasil”, disse o secretário executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco.

Técnicos do governo apontaram que a vacina desenvolvida por Oxford é a mais avançada do mundo e mostrou uma resposta imune muito significativa, mas se a vacina não se mostrar segura em testes recentes (ensaios clínicos), o governo não a utilizará.

No caso de um resultado frustrado da eficácia da vacina, o Ministério da Saúde diz que a parceria é positiva, pois permite a melhoria do parque tecnológico da Fiocruz e do BioManguinhos, os laboratórios da Fiocruz.

O acordo inclui a importação de matérias-primas (ingrediente farmacêutico ativo, já pronto) e o conhecimento para a produção de vacinas, que a Fiocruz concluirá no final do ano e no início de 2021.

Na segunda fase, que depende da comprovação dos resultados clínicos da vacina, a compra do ingrediente farmacêutico ativo aumentaria, mas a Fiocruz já terá maior autonomia de capacidade de produção no Brasil.

O governo ainda precisa prever quando começará a produzir esse insumo, permitindo que o Covid-19 dê controle total ao país na produção de vacinas. Isso será avaliado nos próximos meses e depende do plano a ser elaborado pela Fiocruz.

Há dúvidas sobre se a produção do ingrediente ativo no Brasil seria realmente mais barata que as importações. No entanto, o acordo anunciado no sábado deve dar ao Brasil a oportunidade de desenvolver todo o processo vacinal, que o governo considera estratégico.

Na última terça-feira (23), o ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello, já havia anunciado que o acordo deveria ser assinado nesta semana.

“Estamos fechando a assinatura e o compromisso de participar do Brasil com a Casa Civil. Estamos conectados em paralelo com a Universidade e a AstraZenec, incluindo Fiocruz e BioManguinhos. [laboratório da Fiocruz]ele disse em uma audiência no Congresso na terça-feira.

O objetivo do governo é evitar os problemas identificados no início da pandemia, quando era difícil acessar os materiais necessários para combater o Covid-19.

“Vamos agora avançar na prevenção de doenças”, afirmou Franco neste sábado, ressaltando que o Brasil é referência mundial em vacinação, principalmente por causa do SUS (Sistema Único de Saúde).

O ministro da Supervisão de Saúde do Ministério, Arnaldo Correia de Medeiros, destacou que o Brasil já tem experiência na distribuição de vacinas e em campanhas de vacinação. Portanto, uma vez produzidas as vacinas, elas precisam apenas de alguns dias para atingir a população.

A primeira série da primeira fase da parceria, que envolve a produção de 15 milhões de vacinas, se concentrará em um grupo prioritário (que representa um risco maior coronavírus).

O governo também analisará a evolução da pandemia em cada estado do país para elaborar a estratégia correta de distribuição de vacinas.

O plano do ministério da saúde é usar 100 milhões de doses para vacinar idosos, doentes, trabalhadores da saúde, professores, indígenas, pessoas privadas de liberdade, profissionais de segurança pública, equipes de resgate e motoristas de transporte público.

“Se tivermos a segurança e a eficácia da vacina, essa seria a cobertura que a vacina poderia alcançar”, disse Medeiros.

A vacina em estudo foi desenvolvida pelo Instituto Jenner da Universidade de Oxford, trabalhando com o Grupo de Vacinas de Oxford.

Em uma nota, o presidente da AstraZeneca Brasil, Fraser Hall, disse que a vacina em potencial “ainda está em pesquisa clínica, mas reconhecemos a necessidade de responder rapidamente a esse problema global, acelerando nossos planos de produção e distribuição de vacinas. “

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero