Fevereiro 26, 2021

Turno Zero

Notícias Completas mundo

O maior alinhamento de Júpiter e Saturno desde 1623 é visível nos Açores

Escrito por DPN / Lusa, Notícias · 21-12-2020 13:00:00 1 Comentários

O maior alinhamento de Júpiter e Saturno desde 1623 é visível nos Açores

Este fenômeno ocorre a cada 20 anos, mas os dois planetas não estão tão próximos desde 1623.

A fusão de Saturno e Júpiter, na altura da convergência dos dois planetas, ocorre hoje, 21 de dezembro, em função das condições meteorológicas, como se pode constatar nos Açores, garantidas pelo Laboratório Astronómico Santana-Açores (OASA).

“Eles não são apenas os dois maiores planetas do sistema solar, são também os dois maiores planetas que podemos ver a olho nu”, explica Pedro Garcia, técnico de comunicação de Osama, apesar de Vênus ser “brilhante”.

Vinte anos atrás, em 2000, ele disse: “Esses dois planetas estavam tão próximos que podíamos colocar um dedo mínimo entre os dois, que está mais ou menos no céu. Nesse ponto, se colocarmos um dedo mínimo, poderíamos cobrir os dois planetas, o que significa que é realmente muito Fechar “.

A OASA não abrirá suas portas por conta das restrições impostas pela epidemia do Govt-19, que será o “destaque do ano”.

O evento realiza-se nos Açores pelas 17h30 (18h30 em Portugal Continental) mas Point Pedro Garcia recomenda que o evento comece pelas 15h30 (16h30 em Lisboa).

Quanto à sua posição, “o objeto encontra-se a sudoeste. Depois do pôr do sol, mais ou menos na mesma posição”, acrescenta.

“Se as pessoas tiverem uma boa visão do oceano, no sudoeste, não houver montanhas ou casas na frente, nem postes com poluição luminosa, eles verão facilmente esse evento”, garante.

Ambos os planetas formam um ponto semelhante a uma estrela. “Uma das maneiras de percebermos que isso não é uma estrela é porque os planetas não flutuam no céu, mas um ponto muito brilhante aparece no céu”, explica Garcia.

À medida que o Natal se aproxima, e no dia do solstício de inverno, esse alinhamento é particularmente relevante porque há comparações com a estrela que guiou os sábios: o astrônomo e matemático do século 17 Johannes Kepler disse: “A descrição da estrela de Belém é um elo, mas não sei, porque é nada menos, O resultado não será igual à descrição da estrela de Belém ”, estima.

“Este evento não acontecerá novamente em 2080 por cerca de 60 anos e pode ser a última chance para muitos”, diz ele.

Embora fechado, a OASA transmitirá imagens do evento online. Mas o técnico reforça: “Vou ser sincero, vocês podem ver esses vídeos depois, na internet, o que eu aconselho é, se estiver bom tempo, saia e use o celular e assista ao evento”.