O MP diz que a vitória de Flávi Bolsonara não respeita o STF e exige anulação em 29 de junho de 2020.

O ministério público hoje interpôs recurso (29) no STF (Supremo Tribunal Federal) para anular a decisão da 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio, que na última quinta-feira aceitou (25) o pedido de Flávi Bolsonara (republicano-RJ) para o suposto esquema de tiroteio em Aller (Assembléia Legislativa do Rio) sai da primeira instância e se muda para o Órgão Especial TJ-RJ.

O documento, que foi encaminhado ao ministro Dias Toffoli, presidente do STF, destaca a restrição restrita do fórum do Supremo Tribunal aos políticos no exercício do mandato de supostos crimes investigados, em uma decisão de 2018. Supremo Tribunal colegial “.

Além da liminar, o MP-RJ (Ministério Público do Rio) também está buscando a anulação do veredicto do 3º Conselho Penal do TJ-RJ. O pedido foi apresentado pelo Subsecretário de Justiça para Assuntos Penais e Direitos Humanos e pelo Conselho Consultivo para Recursos Constitucionais Criminais, observou o MP-RJ.

“O MP-RJ está buscando aprovação para continuar as investigações contra Flávi Bolsonara por fatos que ocorreram como deputado estadual, em primeira instância, com a atribuição do Grupo Especializado em Ação Anticorrupção e sob a supervisão do 27º tribunal. Crime da capital”, afirmou a agência. , em uma das seções.

O julgamento de Flávio Bolsonaro também motivou a Rede de Sustentabilidade a formalizar uma ação direta de inconstitucionalidade no STF, para que o caso seja devolvido à primeira instância na sexta-feira (26), no dia seguinte à decisão.

No habeas corpus, a advogada Luciana Pires, representando Flávio Bolsonaro, argumentou que o político não havia perdido seu fórum especial porque deixou de ser deputado estadual e assumiu o cargo de senador em Brasília. Mais informações em um momento.

O julgamento gera um debate entre especialistas

Essa pergunta continua a criar um debate entre advogados ouvidos pelo secretário Twitter.

Advogado Thiago Bottino, professor da FGV Direito Rio, prevê apelo especial do MP-RJ para mudar a decisão. Se o recurso vencer no STJ, a investigação retornará à primeira instância.

Existe um precedente no Altíssimo. Acredito que será relativamente fácil para eles justificar o recurso e reverter a decisão. Se eu tivesse que apostar, apostaria, mesmo sabendo que uma decisão judicial pode sempre ser surpreendente

Thiago Bottino, advogado

Bottino discorda da tese da defesa. “E se [o suposto crime] não relacionado ao mandato, o juiz de primeira instância é o juiz. Segundo a lógica da defesa, quem seria o responsável pelo julgamento seria o Supremo Tribunal, não o Órgão Especial do Tribunal “, afirma.

Fotos Queiroz em Atibaia (SP)

O criminalista Ary Bergher, no entanto, acredita que a tese apoiada pela defesa de Flávi Bolsonara pode levar a um reexame da própria jurisprudência.

A tese é interessante e pode ser aceita do ponto de vista técnico. É verdade que ele permaneceu no fórum porque o suposto crime foi cometido por causa de sua função. Esse é ele [Flávio Bolsonaro] ele foi eleito para um mandato mais relevante. Portanto, não houve interrupção entre os termos. Portanto, esse benefício não pode ser perdido. A jurisdição também deve ser revisada

Ary Bergher, advogada

O advogado Pedro Serrano, professor de direito constitucional da PUC-SP, discordou da decisão dos juízes da Terceira Câmara Criminal do TJ-RJ. “Com todo o respeito, não concordo com o mérito da decisão. A jurisprudência do Supremo Tribunal não deixa dúvidas. Como ele não está mais no cargo de deputado, [Flávio Bolsonaro] você deve ser julgado em primeira instância como cidadão comum. Mesmo que ele seja senador hoje ”, afirma.

Serrano também criticou um problema que ele acredita ser recorrente em um tribunal brasileiro: um excesso de interpretação quando se trata de julgamento.

Não temos consistência. O Supremo Tribunal decide como regra, mas os tribunais não respeitam isso. Isso cria um problema para a jurisprudência brasileira, que em última análise, tem os mesmos casos avaliados de forma diferente. Isso ocorre porque o juiz decide como se sente justo, não como o sistema jurídico determina

Pedro Serrano, advogado

Para o criminalista Luiz Flávio D´Urso, ex-presidente da OAB-SP, o resultado do recurso é imprevisível. “A decisão pode ser anulada. Mas dependerá dos argumentos e de quem julgará.”

Deixe um comentário